Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 353-C/77, de 29 de Agosto

Partilhar:

Sumário

Permite às empresas públicas a celebração de acordos com o Estado, segundo as normas reguladas no presente diploma, com vista ao restabelecimento ou consolidação do seu equilíbrio económico-financeiro.

Texto do documento

Decreto-Lei 353-C/77

de 29 de Agosto

Nos termos do Decreto-Lei 260/76, de 8 de Abril, e coerentemente com a autonomia administrativa, financeira e patrimonial de que gozam, as empresas públicas devem ser económica e financeiramente equilibradas. Os subsídios de que eventualmente beneficiem, nos termos do n.º 2 do artigo 20.º do citado decreto-lei, só poderão ser concedidos como contrapartida de especiais encargos de ordem social ou outros que o Estado lhes imponha, e na justa medida destes, e não para cobertura de deficits decorrentes de ineficiências internas.

Tal como aconteceu com grande número de empresas privadas, também em empresas públicas se verificou a deterioração da sua situação financeira, em consequência das alterações da respectiva estrutura de custos, dos problemas laborais e das perturbações de produção verificadas nos últimos anos, tornando-se urgente, por isso, tomar medidas que assegurem o indispensável saneamento destas empresas.

Atendendo à sua natureza peculiar, mas procurando tirar proveito do paralelismo com as empresas privadas às quais se aplica o Decreto-Lei 124/77, de 1 de Abril, com vista à celebração de contratos de viabilização, e no estrito respeito da autonomia das empresas públicas, considerou-se vantajoso realizar o saneamento destas através de instrumentos jurídicos de base convencional em que se fixem as metas de produção e rentabilidade a atingir no curto e no médio prazo, em particular no que respeita ao volume de emprego, à remuneração do trabalho e do capital investido, ao autofinanciamento, aos preços de venda ou às tarifas, bem como a outros pontos específicos de cada empresa que importe considerar.

Nestes termos:

O Governo decreta, ao abrigo da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o seguinte:

Artigo 1.º - 1. Entre o Estado e as empresas públicas que se encontrem em alguma das situações referidas no artigo 2.º poderão ser celebrados acordos para o reequilíbrio económico-financeiro das mesmas empresas.

2. Os acordos poderão ser celebrados conjuntamente com grupos de empresas públicas, definindo-se com precisão a responsabilidade de cada uma nas obrigações estabelecidas e a sua parte na realização das metas e dos objectivos parciais e globais convencionados.

3. Os acordos constituirão instrumentos básicos de gestão das empresas públicas que os outorgarem, com vista ao restabelecimento ou consolidação do seu equilíbrio económico-financeiro.

Art. 2.º Deverão propor a celebração de acordos de saneamento económico-financeiro, ouvidos os respectivos trabalhadores, as empresas públicas ou os grupos de empresas públicas que se encontrem em alguma das seguintes situações:

a) Apresentarem deficits de exploração, efectivos ou previsionais, em três exercícios sucessivos;

b) Evidenciarem prejuízos acumulados, já verificados ou previsionais, que ultrapassem dois terços da soma do capital estatutário com as reservas constituídas;

c) Apresentarem um resultado negativo no último exercício ou previsto para o ano em curso que, só por si, ultrapasse metade da soma do capital estatutário com as reservas constituídas;

d) Terem sido declaradas em situação económica difícil, nos termos do Decreto-Lei 353-H/77.

Art. 3.º Nos acordos, as empresas públicas ficarão obrigadas ao cumprimento de metas e objectivos específicos de equilíbrio financeiro, de produtividade e de rentabilidade; em contrapartida, o Estado garantirá a concessão de benefícios determinados, de entre os previstos neste decreto-lei.

Art. 4.º - 1. Os objectivos e metas finais deverão, sempre que possível, ser decompostos em objectivos e metas anuais ou parcelares claramente definidos, e terão em vista a optimização dos recursos disponíveis e dos ratios de eficiência técnico-económica.

2. Estes objectivos e metas devem ser expressos, sempre que possível, em:

a) Unidades físicas, se estas tiverem significado e após as conversões necessárias, quando coexistam produções múltiplas, e preços actuais de venda, tratando-se de produções, vendas para o mercado interno, exportações e investimento;

b) Número de trabalhadores, horas anuais e trabalho e massa salarial.

3. Para o estabelecimento de medidas de saneamento financeiro, nível de endividamento ou outros objectivos não especificados no número anterior, devem considerar-se os indicadores de gestão recomendados pelo Governo.

Art. 5.º - 1. Nos acordos, o Estado garantirá às empresas algum ou alguns dos seguintes benefícios:

a) Consolidação do passivo, nos termos do artigo 9.º;

b) Conversão de dívidas a curto prazo em passivo a médio ou longo prazos;

c) Financiamento a médio e longo prazos, em condições mais favoráveis de prazo e juro, para a aquisição de bens de equipamentos nacionais, previstos no acordo, ou para recomposição do fundo de maneio permanente;

d) Apoio no lançamento de empréstimos por obrigações ou na colocação de outros valores mobiliários;

e) Aumento de capital estatutário, para financiamento de novos investimentos ou para correcção da estrutura financeira da empresa;

f) Comparticipação, até ao limite de 50%, no custo do estudo referido na alínea a) do n.º 1 do artigo 8.º e nas despesas da valorização profissional dos trabalhadores, podendo a parte não comparticipada ser objecto de financiamento, a taxa subsidiada, durante a vigência do acordo;

g) Comparticipação, até ao limite de 30%, no custo dos estudos, projectos e outras acções de reorganização, promoção de mercados, racionalização de produção ou investigação científica e tecnológica, conducente à produção de inovações socialmente úteis, podendo a parte não comparticipada ser objecto de financiamento, a taxa subsidiada, durante a vigência do acordo;

h) A concessão de um subsídio por trabalhador, durante um certo período, caso a empresa tenha sido previamente declarada em situação económica difícil, e enquanto se mantiver nessa situação, e faça prova de lhe ser impossível pagar os salários mínimos em vigor; esse subsídio cobrirá metade da diferença entre os salários que a empresa possa efectivamente pagar e os mínimos referidos, sendo a outra metade suportada pelos trabalhadores;

i) Benefícios fiscais previstos na lei;

j) Outros subsídios que se justifiquem, face à situação e à especialidade da empresa.

2. As espécies de benefícios a conceder, bem como a sua medida e as condições de que depender a sua efectivação, serão rigorosamente fixadas no acordo, graduando-se os benefícios em função das metas e obrigações da empresa.

Art. 6.º - 1. Os acordos terão duração adequada aos objectivos, metas e benefícios que forem convencionados, podendo ser revistos em qualquer altura, por sugestão de uma das partes.

2. Os acordos cujo prazo ultrapasse cinco anos estabelecerão obrigatoriamente termos e condições para a sua revisão.

Art. 7.º - 1. As propostas de acordo deverão ser remetidas ao Ministério da Tutela, com envio simultâneo de cópias aos Ministérios do Plano e Coordenação Económica e das Finanças, no prazo de cento e vinte dias, a contar da data em que se verifique alguma das situações previstas no artigo 2.º 2. As empresas públicas que já se encontrem em alguma das referidas situações à data da entrada em vigor deste decreto-lei deverão apresentar a proposta de acordo no prazo de noventa dias, a contar desta data.

Art. 8.º - 1. As propostas de acordo deverão ser instruídas com os seguintes elementos:

a) Estudo económico e financeiro devidamente fundamentado, discriminando os elementos de exploração por produtos ou serviços e centros de produção, de forma a permitir avaliar os custos sociais envolvidos ou determinados por razões de serviço público de interesse nacional;

b) Plano pormenorizado do saneamento financeiro, documentado com os cálculos feitos para a reavaliação do activo, quando proposta, planos de consolidação do passivo e de novos empréstimos, com indicação de prazos de amortização, bem como proposta de aumento de capital, quando for caso disso, e de subsídio do Orçamento Geral do Estado ou outros que se justifiquem nos termos da alínea j) do n.º 1 do artigo 5.º;

c) Planos ou projectos de investimento para o período de vigência do acordo;

d) Orçamentos da exploração respeitantes, pelo menos, aos primeiros cinco anos de vigência, incluindo orçamentos de produção e vendas, balanços e contas de resultados previsionais e análise de origem e aplicação de fundos;

e) Enumeração dos benefícios fiscais ou outros pretendidos;

f) Pareceres que, sob o conteúdo da proposta, tenham sido emitidos pelos representantes dos trabalhadores;

g) Quaisquer outros elementos julgados úteis para apreciação do processo.

Art. 9.º - 1. Uma fracção do passivo das empresas será consolidada, nomeadamente através de juros bonificados e de garantias de pagamento, nos termos que vierem a ser acordados.

2. O prazo de consolidação não poderá exceder dez anos, admitindo-se um período de deferimento máximo de três anos, durante o qual apenas haverá lugar ao pagamento dos juros devidos.

3. Serão integrados no montante consolidado, referido no n.º 1, pela ordem a seguir indicada e começando por preencher a parte bonificada e garantida da consolidação;

a) As dívidas contraídas directamente pela empresa junto de instituições de crédito nacionais;

b) As dívidas contraídas pela empresa junto dos credores nacionais não bancários, desde que estes hajam recorrido ao desconto dos seus créditos nas mesmas instituições;

c) Outras dívidas da empresa cuja consolidação se mostre necessária.

4. O montante da consolidação será rateado, se for caso disso, entre os débitos referidos nas alíneas a) e b) do número anterior.

5. A consolidação das dívidas referidas na alínea c) do n.º 3 obedecerá a moldes adequados às circunstâncias, sendo assegurada a mobilização dos créditos consolidados pelo sistema bancário.

Art. 10.º - 1. Com vista à consolidação do passivo, as empresas iniciarão com os credores, desde logo e em simultâneo com as outras diligências para a organização da proposta, as negociações tendentes ao estabelecimento de um protocolo de amortização.

2. As negociações serão conduzidas, por parte das instituições de crédito nacionais, pelo banco maior credor.

3. As propostas de acordo serão sempre acompanhadas dos protocolos referidos no n.º 1, ou da exposição detalhada das posições assumidas pelos diversos interessados.

Art. 11.º - 1. Também em simultâneo com as outras diligências para a organização do processo, as empresas iniciarão negociações tendentes ao estabelecimento de acordos colectivos de trabalho ou à alteração, se necessário, do regime de contratação colectiva que estiver em vigor.

2. Estas negociações visarão compatibilizar o regime laboral com as metas e os objectivos do acordo a propor, quer no respeitante aos direitos e obrigações nele previstos, quer no respeitante ao condicionalismo das alterações futuras, que ficarão sempre subordinadas ao cumprimento dos objectivos e metas do acordo.

3. Se a empresa tiver sido declarada em situação económica difícil, as negociações terão de respeitar as medidas administrativas que, em matéria laboral, tenham sido aplicadas, nos termos do artigo 1.º do Decreto-Lei 353-I/77, de 29 de Agosto.

4. O regime laboral que venha a ser fixado em consequência das negociações referidas nos n.os 1 e 2 só poderá ser alterado, no todo ou em parte, durante a vigência do acordo, mediante aprovação do Ministro da Tutela, fundada em informação escrita no conselho de gerência da empresa de que as alterações propostas não obstam nem prejudicam a realização dos objectivos e metas do acordo.

Art. 12.º - 1. Recebida a proposta do acordo e por despacho conjunto dos Ministros do Plano e Coordenação Económica, das Finanças e da Tutela, será nomeada uma comissão constituída por representantes de cada um daqueles Ministérios e da empresa ou do grupo de empresas proponente e que funcionará no âmbito do Ministério do Plano e Coordenação Económica.

2. À comissão incumbirá a apreciação da proposta, podendo solicitar às empresa proponentes ou a quaisquer entidades os elementos que julgar convenientes.

3. A comissão contactará as entidades interessadas no acordo, designadamente as instituições de crédito nacionais, por intermédio do banco maior credor, no sentido de se ultimarem as negociações que ainda se encontrarem em curso.

4. A comissão apresentará o relatório final, devidamente fundamentado e instruído, no prazo de trinta dias, a contar da nomeação.

Art. 13.º - 1. Nos dez dias subsequentes à apresentação do relatório será proferida decisão final, nos termos seguintes:

a) Se for contrária à celebração do acordo, por despacho conjunto dos Ministros indicados no artigo 12.º, n.º 1;

b) Se for favorável, mediante a assinatura de um instrumento de «Acordo de Saneamento Económico-Financeiro de ...» por parte dos referidos Ministros e de um representante da empresa proponente, com poderes bastantes para esse acto.

2. O instrumento referido na alínea b) do n.º 1 será publicado na 2.ª série do Diário da República, produzindo desde logo os seus efeitos em relação a todos os interessados.

Art. 14.º O incumprimento por parte das empresas públicas de qualquer das obrigações previstas neste decreto-lei e nos acordos que vierem a ser celebrados em sua execução fará incorrer os respectivos gestores em responsabilidade disciplinar e poderá determinar a aplicação às empresas pelo Governo das medidas administrativas que forem julgadas convenientes.

Art. 15.º - 1. O efectivo direito aos benefícios, em especial aos de natureza financeira e fiscal, dependerá sempre da consecução pelas empresas dos objectivos e metas acordados, salvo motivos excepcionais e alheios à responsabilidade das empresas.

2. Caberá às empresas o ónus de provarem a efectiva consecução dos objectivos e metas e, eventualmente, os motivos excepcionais referidos no número anterior.

Art. 16.º A cobertura de eventuais prejuízos que resultem dos acordos, designadamente da garantia de pagamento e da bonificação de juro, a que se refere o n.º 1 do artigo 9.º, será feita através do Orçamento Geral do Estado.

Art. 17.º - 1. Os acordos deverão estabelecer um regime de natureza arbitral para o esclarecimento de dúvidas ou resolução de diferendos que surjam na sua interpretação ou execução.

2. Se, por qualquer motivo, não for possível obter decisão de acordo com esse regime, as dúvidas ou os diferendos serão solucionados por resolução do Conselho de Ministros.

Art. 18.º Com as necessárias adaptações, os princípios instituídos pelo Decreto-Lei 124/77, de 1 de Abril, serão aplicados subsidiariamente à matéria regulada neste diploma.

Art. 19.º Os acordos celebrados serão revistos em função do que a lei vier a estatuir em matéria dos benefícios fiscais a conceder às empresas que celebrarem os acordos a que se refere este diploma.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros. - Mário Soares - António Francisco Barroso de Sousa Gomes - Henrique Medina Carreira.

Promulgado em 29 de Agosto de 1977.

Publique-se.

O Presidente da República, ANTÓNIO RAMALHO EANES.

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1977/08/29/plain-69851.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/69851.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1976-04-08 - Decreto-Lei 260/76 - Ministério das Finanças - Secretaria de Estado do Planeamento

    Estabelece as bases gerais das empresas públicas.

  • Tem documento Em vigor 1977-04-01 - Decreto-Lei 124/77 - Ministérios do Plano e Coordenação Económica, das Finanças, da Agricultura e Pescas, da Indústria e Tecnologia e dos Assuntos Sociais

    Regulamenta a celebração de contratos de viabilização.

  • Tem documento Em vigor 1977-08-29 - Decreto-Lei 353-I/77 - Ministérios do Plano e Coordenação Económica, das Finanças e do Trabalho

    Permite às empresas que venham a ser declaradas em situação económica difícil a suspensão dos contratos individuais de trabalhadores que não sejam indispensáveis ao seu funcionamento.

  • Tem documento Em vigor 1977-08-29 - Decreto-Lei 353-H/77 - Ministérios do Plano e Coordenação Económica, das Finanças e do Trabalho

    Permite que sejam declaradas em situação económica difícil empresas públicas ou privadas cuja exploração se apresente fortemente deficitária.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1978-02-25 - Resolução 20/78 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Concede à Radiodifusão Portuguesa, E. P., um subsídio reembolsável de 164000 contos.

  • Tem documento Em vigor 1978-03-04 - Resolução 28/78 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Cria, na Secretaria de Estado do Planeamento, a Comissão Coordenadora do Financiamento das Empresas do Sector Empresarial do Estado.

  • Tem documento Em vigor 1978-04-12 - Despacho Normativo 90/78 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Tesouro - Gabinete do Secretário de Estado

    Define as condições de participação das instituições de crédito envolvidas no financiamento directo ou indirecto às empresas candidatas a celebrar contratos de viabilização ou acordos de reequilíbrio económico-financeiro.

  • Tem documento Em vigor 1978-04-26 - Lei 20/78 - Assembleia da República

    Aprova as linhas gerais do Orçamento Geral do Estado para 1978 e fundamentais da organização do orçamento da segurança social para o mesmo ano.

  • Tem documento Em vigor 1978-04-26 - Decreto-Lei 75-A/78 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Põe em execução o Orçamento Geral do Estado para 1978.

  • Tem documento Em vigor 1978-05-06 - Aviso 4 - Ministério das Finanças e do Plano - Banco de Portugal

    Fixa as bonificações às taxas de juro dos financiamentos concedidos a operações prioritárias.

  • Tem documento Em vigor 1978-06-19 - Decreto-Lei 146/78 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Planeamento

    Estabelece as condições a observar pelas empresas públicas na emissão de obrigações, visando o seu saneamento financeiro.

  • Tem documento Em vigor 1978-06-26 - Resolução 102/78 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Atribui a verba orçamental de 7250000 contos, inscrita no Ministério das Finanças e do Plano, para ocorrer a aumentos de capital estatutário de empresas públicas e nacionalizadas.

  • Tem documento Em vigor 1978-07-03 - Despacho Normativo 149/78 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Indústria e Tecnologia

    Considera satisfeitos os requisitos respeitantes à viabilidade económica e ao saneamento financeiro da Siderurgia Nacional, E. P., a que se refere o artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 126/77, de 2 de Abril.

  • Tem documento Em vigor 1978-07-06 - Decreto-Lei 164/78 - Ministérios das Finanças e do Plano e dos Transportes e Comunicações

    Altera o Decreto-Lei n.º 353-C/77, de 29 de Agosto, relativo à reestruturação financeira das empresas públicas.

  • Tem documento Em vigor 1978-07-27 - Portaria 416/78 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Planeamento

    Concede às empresas autorizadas a emitir obrigações para saneamento financeiro uma bonificação de taxa de juros de 5%, a qual será anualmente entregue em 15 de Dezembro.

  • Tem documento Em vigor 1978-09-19 - Despacho Normativo 237/78 - Ministérios das Finanças e do Plano e dos Transportes e Comunicações

    Estabelece disposições relativas à emissão de empréstimos obrigacionistas para saneamento financeiro das empresas Companhia Carris de Ferro de Lisboa e Rodoviária Nacional, E. P.

  • Tem documento Em vigor 1978-11-23 - Resolução 204/78 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Concede à Radiodifusão Portuguesa, E. P., um subsídio não reembolsável de 35000 contos a ser utilizado até ao final do corrente ano.

  • Tem documento Em vigor 1978-12-15 - Decreto-Lei 406-A/78 - Ministério da Indústria e Tecnologia

    Estabelece normas relativas à cobrança de débitos de consumidores e utentes de serviços públicos. Exceptua a aplicação do presente regime às empresas e outras entidades em relação a cujos débitos o Estado tenha assumido a garantia do respectivo pagamento, ou que beneficiem de regimes particulares, tais como o estabelecido para as empresas privadas, pelo Decreto Lei 124/77 de 1 de Abril, ou, para as empresas públicas, pelo Decreto Lei 353-C/77 de 29 de Agosto.

  • Tem documento Em vigor 1978-12-15 - Decreto-Lei 397/78 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Planeamento

    Altera o Decreto-Lei n.º 75-A/77, de 28 de Fevereiro, relativamente à taxa de remuneração dos capitais estatutários ou dos capitais afectos pelo Estado às empresas públicas.

  • Tem documento Em vigor 1978-12-30 - Resolução 243/78 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Concede, a título excepcional, à Radiodifusão Portuguesa, E. P., um subsídio não reembolsável de 60000 contos, com vista a assegurar o pagamento dos subsídios de Natal e dos ordenados de Dezembro corrente.

  • Tem documento Em vigor 1979-01-12 - Declaração - Presidência do Conselho de Ministros - Secretaria-Geral

    De ter sido rectificada a Portaria n.º 569/78, publicada no Diário da República, 1.ª série, n.º 216, de 19 de Setembro

  • Tem documento Em vigor 1979-01-12 - DECLARAÇÃO DD7055 - PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

    Declara ter sido rectificada a Portaria n.º 569/78, de 19 de Setembro, que autoriza a RN - Rodoviária Nacional, E. P., a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro até ao montante global de 1200000 contos.

  • Tem documento Em vigor 1979-01-31 - Despacho Normativo 25/79 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Agricultura e Pescas

    Atribui a dotação de 400000 contos no aumento do capital nas empresas Sociedade Nacional dos Armadores de Bacalhau, S. A R. L., Docapesca e Prescrul.

  • Tem documento Em vigor 1979-02-08 - Decreto-Lei 17/79 - Ministério da Comunicação Social

    Revoga o Estatuto da Radiodifusão Portuguesa, E. P., e estabelece disposições adequadas a um curto período de transição, por forma a habilitar a comissão administrativa a tomar e a propor ao Governo as medidas necessárias a uma reestruturação interna da empresa.

  • Tem documento Em vigor 1979-04-21 - Resolução 110/79 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Declara a Radiodifusão Portuguesa, E. P., em situação económica difícil.

  • Tem documento Em vigor 1979-06-25 - Lei 21-A/79 - Assembleia da República

    Aprova o Orçamento geral do Estado para 1979.

  • Tem documento Em vigor 1979-06-30 - Decreto-Lei 201-A/79 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Põe em execução o Orçamento Geral do Estado para 1979.

  • Tem documento Em vigor 1979-08-06 - Despacho Normativo 187/79 - Ministérios das Finanças e do Plano e dos Transportes e Comunicações

    Estabelece normas relativas ao acordo de reequilíbrio económico-financeiro da CP - Caminhos de Ferro Portugueses, E. P.

  • Tem documento Em vigor 1979-08-08 - Portaria 410/79 - Ministérios das Finanças e do Plano e dos Transportes e Comunicações

    Adita o ponto n.º 5.º à Portaria n.º 538/78, de 12 de Setembro (autoriza a Companhia Carris de Ferro de Lisboa, S. A. R. L., a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro até ao montante global de 497000 contos).

  • Tem documento Em vigor 1979-08-10 - Resolução 243/79 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Estabelece a atribuição pelos respectivos Ministérios da Tutela, da verba orçamental de 11800000 contos, inscrita no Ministério das Finanças e do Plano, relativa a dotações de capital das empresas públicas.

  • Tem documento Em vigor 1979-08-14 - Despacho Normativo 200/79 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Indústria e Tecnologia

    Revê o acordo de reequilíbrio económico-financeiro da Setenave - Estaleiros Navais de Setúbal, E. P.

  • Tem documento Em vigor 1979-09-08 - Despacho Normativo 227/79 - Ministérios das Finanças e do Plano e da indústria e Pescas

    Determina a atribuição de dotações destinadas a aumentos de capital às empresas nacionalizadas do sector das pescas.

  • Tem documento Em vigor 1979-10-31 - Resolução 311/79 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Aprova as orientações em matéria de reequilíbrio económico-financeiro e de dinamização do sector empresarial do Estado.

  • Tem documento Em vigor 1979-12-22 - Decreto-Lei 502-C/79 - Ministério das Finanças - Secretaria de Estado do Orçamento

    Estabelece normas relativas à apreciação das condições de viabilidade económico-financeira das empresas públicas e privadas que não celebrem contratos de viabilização.

  • Tem documento Em vigor 1980-01-09 - Portaria 26-F2/80 - Ministérios das Finanças e da Indústria

    Autoriza a Setenave - Estaleiros Navais de Setúbal, E. P., a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro.

  • Tem documento Em vigor 1980-01-09 - Portaria 26-O1/80 - Ministérios das Finanças e da Comunicação Social

    Autoriza a RTP - Radiotelevisão Portuguesa, E. P., a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro.

  • Tem documento Em vigor 1980-03-15 - AVISO DD42 - MINISTÉRIO DAS FINANÇAS E DO PLANO

    Determina que o Banco de Portugal estabeleça as taxas de bonificação, de que beneficiem as operações de financiamento de novos investimentos.

  • Tem documento Em vigor 1980-03-20 - Resolução 101/80 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Prorroga por mais um ano a declaração da RDP - Radiodifusão Portuguesa, E. P., em situação económica difícil.

  • Tem documento Em vigor 1980-03-20 - Resolução 100/80 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Declara a EPNC - Empresa Pública dos Jornais Notícias e Capital, E. P., em situação económica difícil.

  • Tem documento Em vigor 1980-03-20 - Decreto-Lei 46/80 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado das Finanças

    Fixa o prazo de quinze dias para celebração e execução do contrato de viabilização.

  • Tem documento Em vigor 1980-05-02 - Portaria 214/80 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Agricultura e Pescas

    Autoriza a Companhia das Lezírias, E. P., a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro até ao montante global de 133190 contos.

  • Tem documento Em vigor 1980-05-26 - Lei 8-A/80 - Assembleia da República

    Orçamento Geral do Estado para 1980.

  • Tem documento Em vigor 1980-06-09 - Decreto-Lei 183-A/80 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Põe em execução o Orçamento Geral do Estado para 1980.

  • Tem documento Em vigor 1980-06-24 - Resolução 215/80 - Presidência do Conselho de Ministros

    Estabelece os critérios sobre a atribuição da verba de 19 milhões de contos inscrita no Orçamento Geral do Estado para 1980 para dotações de capital das empresas públicas.

  • Tem documento Em vigor 1980-08-04 - Resolução 275/80 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Renova o aval do Estado a operações de crédito intercalar até ao montante de 50000000$00 contraídas pela RDP - Radiodifusão Portuguesa, E. P.

  • Tem documento Em vigor 1980-10-28 - Portaria 905/80 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Indústria e Energia

    Autoriza os Estaleiros Navais de Viana do Castelo, E. P., a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro até ao montante de 434500 contos.

  • Tem documento Em vigor 1981-04-24 - Lei 4/81 - Assembleia da República

    Orçamento Geral do Estado para 1981.

  • Tem documento Em vigor 1981-04-29 - Decreto-Lei 96-A/81 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Põe em execução o Orçamento Geral do Estado para 1981.

  • Tem documento Em vigor 1981-05-07 - Resolução 89/81 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Atribui a verba de 18 milhões de contos para dotações de capital das empresas públicas e das empresas maioritariamente participadas pelo Estado.

  • Tem documento Em vigor 1981-05-28 - Decreto-Lei 133/81 - Ministério das Finanças e do Plano

    Estabelece medidas relativas à celebração de contratos de viabilização.

  • Tem documento Em vigor 1981-06-12 - Resolução 124/81 - Presidência do Conselho de Ministros - Gabinete do Primeiro-Ministro

    Declara a EPNC - Empresa Pública dos Jornais Notícias e Capital em situação económica difícil e confere competência aos Ministros do Trabalho e da Qualidade de Vida para, em despacho conjunto, especificarem,alterarem ou prorrogarem as medidas que, no âmbito dos assuntos de pessoal, se tornem indispensáveis.

  • Tem documento Em vigor 1981-07-10 - Portaria 584/81 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Indústria e Energia

    Autoriza a FEIS - Fábrica-Escola Irmãos Stephens, E. P, a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro até ao montante de 133500 contos, conforme previsto no protocolo financeiro celebrado em 5 de Maio de 1981 entre a FEIS e as instituições de crédito nacionais suas credoras.

  • Tem documento Em vigor 1981-12-31 - Lei 40/81 - Assembleia da República

    Aprova o Orçamento Geral do Estado pera 1982.

  • Tem documento Em vigor 1981-12-31 - Decreto-Lei 364/81 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Põe em execução o Orçamento Geral do Estado.

  • Tem documento Em vigor 1982-05-12 - Portaria 494/82 - Presidência do Conselho de Ministros e Ministério das Finanças e do Plano

    Autoriza a Radiodifusão Portuguesa, E. P., a emitir um empréstimo por obrigações para saneamento financeiro até ao montante de 452000 contos

  • Tem documento Em vigor 1983-02-18 - Lei 2/83 - Assembleia da República

    Aprova o Orçamento do Estado para 1983 (provisório).

  • Tem documento Em vigor 1983-02-28 - Decreto-Lei 119-A/83 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Põe em execução o Orçamento do Estado para 1983.

  • Tem documento Em vigor 1983-12-31 - Lei 42/83 - Assembleia da República

    Orçamento do Estado para 1984.

  • Tem documento Em vigor 1984-01-20 - Decreto-Lei 29/84 - Ministério das Finanças e do Plano

    Altera o Decreto-Lei 260/76, de 8 de Abril, que estabelece as bases gerais das empresas públicas.

  • Tem documento Em vigor 1984-02-27 - Decreto-Lei 69/84 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Estabelece um conjunto de disposições necessárias à execução do Orçamento do Estado para 1984.

  • Tem documento Em vigor 1984-03-21 - Decreto-Lei 88/84 - Ministério das Finanças e do Plano

    Interpreta o n.º 2 do artigo 7.º do Decreto-Lei n.º 146/78, de 19 de Junho, que estabelece as condições a observar pelas empresas públicas na emissão de obrigações visando o seu saneamento financeiro.

  • Tem documento Em vigor 1984-12-20 - Resolução do Conselho de Ministros 51/84 - Presidência do Conselho de Ministros

    Declara em situação económica difícil, a pedido do respectivo conselho de gerência, a Empresa Pública do Jornal Diário Popular, pelo prazo de 1 ano, eventualmente prorrogável por igual prazo por despacho conjunto dos Ministros das Finanças e do Plano e do Trabalho e Segurança Social e do membro do Governo com tutela sobre o sector da comunicação social.

  • Tem documento Em vigor 1985-02-28 - Lei 2-B/85 - Assembleia da República

    Orçamento do Estado para 1985.

  • Tem documento Em vigor 1985-05-06 - Decreto-Lei 139/85 - Ministério das Finanças e do Plano - Secretaria de Estado do Orçamento

    Estabelece disposições necessárias à execução do Orçamento do Estado para 1985.

  • Tem documento Em vigor 1986-04-30 - Lei 9/86 - Assembleia da República

    Orçamento Geral do Estado para 1986.

  • Tem documento Em vigor 1986-05-19 - Acórdão 117/86 - Tribunal Constitucional

    Declara a inconstitucionalidade com força obrigatória geral da norma contida no artigo 1.º do Decreto-Lei n.º 29/84, de 20 de Janeiro, na parte em que dá nova redacção aos artigos 8.º, n.º 3, e 10.º, n.os 2 e 3 - quanto a este último artigo apenas na medida em que abrange o representante dos trabalhadores -, do Decreto-Lei n.º 260/76, de 8 de Abril, por violação do artigo 57.º, n.º 2, alínea a), da Constituição da República Portuguesa.

  • Tem documento Em vigor 1986-05-27 - Decreto-Lei 118-A/86 - Ministério das Finanças

    Põe em execução o Orçamento do Estado para 1986.

  • Tem documento Em vigor 1986-12-31 - Lei 49/86 - Assembleia da República

    Aprova o orçamento do Estado para 1987.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda