Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 165/83, de 27 de Abril

Partilhar:

Sumário

Organiza o Sistema Nacional de Gestão da Qualidade.

Texto do documento

Decreto-Lei 165/83

de 27 de Abril

Os objectivos económicos e sociais da política dos Estados tendem hoje, e cada vez mais, a integrar a garantia e o desenvolvimento da qualidade de produtos e serviços, como factor essencial do aumento da produtividade em geral e da competitividade dos produtos nacionais, da melhoria do quadro de vida no trabalho directamente produtivo e da redução do impacte negativo dos diversos processos produtivos sobre o ambiente.

Também em Portugal se põe, e com especial acuidade, na actual conjuntura, a necessidade de estabelecer e implementar uma política para a qualidade dos produtos e serviços, com vista a alcançar os objectivos atrás mencionados.

Esta política passa, por um lado, pela promoção e apoio à gestão da qualidade nas empresas, em especial as de pequena e média dimensão, mediante o desenvolvimento integrado dos instrumentos da qualidade - metrologia, normalização, qualificação - e, por outro lado, pela criação e aplicação de uma disciplina, visando a salvaguarda da saúde pública e da segurança de pessoas e bens, a defesa do ambiente, a protecção dos consumidores e a melhoria das condições de trabalho.

Tais condições envolvem a participação de uma grande diversidade de agentes - produtores de bens e serviços, consumidores e utilizadores, trabalhadores, e suas organizações, e organismos da Administração Pública - e de domínios de interesse - a investigação científica e tecnológica, a indústria, a agricultura e o comércio, a educação, a habitação, a higiene, a saúde, a segurança, o ambiente, a defesa nacional, e tantos outros -, estendendo-se ainda a espaços económicos externos, devido às relações comerciais e de cooperação existentes e previstas com países estrangeiros e organizações internacionais, que também condicionam fortemente a qualidade de produtos e serviços nacionais.

A unidade e a coerência das acções de tão diversos agentes em tão amplos domínios de interesse exige tratamento sistémico, que se procura instituir no presente diploma, mediante a definição da orgânica e do enquadramento legal de um Sistema Nacional de Gestão da Qualidade, acompanhada da criação de condições que se julgam favoráveis ao seu desenvolvimento e projecção no futuro.

Além do tratamento integrado dos instrumentos da qualidade, salientam-se, como principais inovações introduzidas:

a) O relevo que é dado à participação dos agentes económicos e sociais nas actividades relacionadas com o desenvolvimento da qualidade, traduzindo em especial na composição do Conselho Nacional da Qualidade;

b) A consideração do Centro de Normalização como suporte financeiro privilegiado para o desenvolvimento do sistema, independentemente da contribuição que para ele possa ser dada pelo Orçamento Geral do Estado;

c) Uma alteração substancial nos procedimentos de elaboração das normas, na via da simplificação e da mais fácil introdução de documentos emanados das organizações internacionais e regionais na colecção das normas portuguesas;

d) Um enquadramento legal para a certificação da conformidade de produtos, serviços e empresas com quaisquer documentos técnicos;

e) A consagração do princípio da desconcentração em entidades mistas e privadas da intervenção em sistemas de certificação, mediante reconhecimento da respectiva qualificação para o efeito, segundo metodologias pré-estabelecidas.

Assim, o Governo decreta, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o seguinte:

CAPÍTULO I

Sistema Nacional de Gestão da Qualidade

ARTIGO 1.º

(Objectivo e organização)

1 - O Sistema Nacional de Gestão da Qualidade tem por objectivo a garantia e o desenvolvimento da qualidade de produtos e serviços, mediante a gestão concertada de 3 subsistemas nacionais da Metrologia, da Normalização e da Qualificação.

2 - O Sistema Nacional de Gestão da Qualidade e seus subsistemas incluem, designadamente, estruturas, regras de procedimento e gestão, métodos e acções necessários ou convenientes para a realização do objectivo referido no número anterior.

ARTIGO 2.º

(Estruturas)

1 - As estruturas do Sistema Nacional de Gestão da Qualidade são o Conselho Nacional da Qualidade, o Centro de Normalização, a Direcção-Geral da Qualidade, organismos com funções de normalização sectorial, organismos de certificação, entidades com funções de inspecção técnica ou auditoria e laboratórios.

2 - Os organismos com funções de normalização sectorial, bem como os organismos de certificação, as entidades com funções de inspecção técnica e os laboratórios integrados no Sistema Nacional de Gestão da Qualidade constarão de lista actualizada e publicada em todos os números do Boletim da Direcção-Geral da Qualidade.

CAPÍTULO II

Conselho Nacional da Qualidade

ARTIGO 3.º

(Competência)

1 - É criado o Conselho Nacional da Qualidade, com a competência, composição e regras de funcionamento estabelecidas neste diploma.

2 - Compete ao Conselho:

a) Deliberar sobre os planos e programas de normalização, tendo, designadamente, em vista a sua inserção nas políticas e programas de desenvolvimento da qualidade;

b) Adoptar metodologias gerais relativas à elaboração e aprovação das normas portuguesas, ao reconhecimento da qualidade de organismos mistos ou privados com funções de normalização sectorial e ainda à organização de sistemas de certificação e reconhecimento da qualificação de entidades neles intervenientes;

c) Arbitrar quaisquer divergências de entendimento que possam ocorrer entre os diferentes organismos com funções de normalização intervenientes no processo de aprovação das normas;

d) Emitir parecer sobre políticas e programas de desenvolvimento da qualidade;

e) Propor a elaboração de legislação relacionada com os diferentes domínios da sua competência e apreciar, quando o Governo lhe solicite, quaisquer medidas legislativas e regulamentares respeitantes à metrologia, normalização e qualificação;

f) Dar parecer sobre recursos hierárquicos interpostos de decisões tomadas no âmbito da qualificação.

3 - O Conselho Nacional da Qualidade deverá ainda pronunciar-se sobre quaisquer questões gerais ou particulares que, no âmbito da qualidade, lhe sejam colocadas pelos ministros ou pelos governos das regiões autónomas, podendo para o efeito ouvir as entidades qualificadas que entenda conveniente.

ARTIGO 4.º

(Composição)

1 - O Conselho é presidido pelo Ministro da Indústria, Energia e Exportação, coadjuvado por 5 vice-presidentes, que o substituem nas suas ausências ou impedimentos, pela ordem expressa no número seguinte.

2 - O Conselho tem a seguinte composição:

a) Membros permanentes representando a Administração Pública:

O director-geral da Direcção-Geral da Qualidade, do Ministério da Indústria, Energia e Exportação, que será o primeiro vice-presidente;

O director do Instituto da Qualidade Alimentar, do Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas, que será o segundo vice-presidente;

O director do Gabinete de Defesa do Consumidor, do Ministério da Qualidade de Vida, que será o terceiro vice-presidente;

1 representante do Ministério da Habitação, Obras Públicas e Transportes, que será o quarto vice-presidente;

1 representante de cada um dos restantes ministérios;

1 representante do membro do Governo com jurisdição sobre o sector do turismo;

1 representante do Governo da Região Autónoma dos Açores;

1 representante do Governo da Região Autónoma da Madeira;

b) Membros com mandatos de 3 anos renováveis:

Até 6 representantes de organismos com funções de normalização ou actividades conexas;

3 representantes designados por associações de industriais, um dos quais será o quinto vice-presidente;

2 representantes designados por associações de agricultores;

2 representantes designados por associações de comerciantes;

1 representante designado por associações de industriais de turismo;

2 representantes designados por associações de profissionais de natureza técnica;

2 representantes designados por organismos de investigação científica e tecnológica;

2 representantes designados por universidades;

2 representantes designados dos utilizadores e dos consumidores, sendo um designado pelo Instituto Nacional de Defesa do Consumidor e outro pelas respectivas associações;

2 representantes um por cada uma das centrais sindicais;

2 representantes das comissões de coordenação regional;

2 personalidades de reconhecida competência técnica e científica.

3 - As associações referidas na alínea b) do número anterior são as de âmbito nacional.

4 - Todos os anos será substituído um terço dos membros referidos na alínea b) do n.º 2.

ARTIGO 5.º

(Funcionamento)

1 - O Conselho reunirá ordinariamente 2 vezes por ano e, extraordinariamente, sempre que, por iniciativa do seu presidente ou por solicitação da maioria dos seus membros, tal seja considerado necessário.

2 - Em qualquer dos casos, as reuniões devem ser convocadas pelo presidente com a antecedência mínima de 15 dias, mediante aviso dirigido a cada um dos membros do Conselho do qual constará a ordem de trabalhos.

3 - O Conselho pode criar comissões para se ocuparem de matérias específicas do domínio da qualidade.

4 - O secretariado do Conselho será assegurado pela Direcção-Geral da Qualidade, do Ministério da Indústria, Energia e Exportação.

5 - Os membros do Conselho que não sejam funcionários em representação de serviços terão direito a senhas de presença por cada dia de reunião em que compareçam, bem como a transporte e a ajudas de custo, no montante que for fixado pelo Ministro da Indústria, Energia e Exportação.

6 - O Conselho estabelecerá a forma de deliberar e as demais regras do seu funcionamento.

CAPÍTULO III

Centro de Normalização

ARTIGO 6.º

(Competências)

O Centro de Normalização, criado pelo artigo 16.º do Decreto-Lei 38801, de 25 de Junho de 1952, sem prejuízo do disposto nos artigos 16.º a 23.º do referido decreto-lei que o presente diploma mantém em vigor, tem competência para:

a) Vender serviços, normas portuguesas e outras publicações da Direcção-Geral da Qualidade, bem como quaisquer documentos, incluindo os estrangeiros, regionais ou internacionais relacionados com o âmbito de actividade da Direcção-Geral da Qualidade, constituindo receita do mesmo Centro o respectivo produto;

b) Subsidiar ou custear:

As despesas necessárias ao regular e eficiente funcionamento e à execução dos trabalhos de quaisquer entidades com actividades nas áreas da metrologia, da normalização ou da qualificação, nomeadamente senhas de presença, ajudas de custo e despesas de transporte;

A publicação de quaisquer documentos da Direcção-Geral da Qualidade, bem como quaisquer estudos, trabalhos, investigações e outros serviços e ainda reuniões ou participação em reuniões a nível nacional, regional ou internacional, relacionados com problemas da metrologia, da normalização ou da qualificação;

A aquisição de bibliografia, equipamento e material de qualquer natureza que se torne indispensável à Direcção-Geral da Qualidade para o prosseguimento das suas atribuições nos domínios da metrologia, da normalização ou da qualificação.

CAPÍTULO IV

Subsistema Nacional da Metrologia

ARTIGO 7.º

(Objectivo)

O Subsistema Nacional da Metrologia visa a garantia e a promoção do rigor das medições.

ARTIGO 8.º

(Organização)

1 - O Subsistema Nacional da Metrologia apoia-se em cadeias hierarquizadas de padrões de medida e redes de laboratórios metrológicos de qualificação reconhecida.

2 - O controle metrológico rege-se pelos respectivos diplomas legais e regulamentares.

CAPÍTULO V

Subsistema Nacional da Normalização

ARTIGO 9.º

(Objectivo)

O Subsistema Nacional da Normalização visa a elaboração de normas e outros documentos normativos, nos âmbitos nacional, regional e internacional.

ARTIGO 10.º

(Princípios gerais da normalização portuguesa)

1 - A Direcção-Geral da Qualidade, enquanto organismo nacional de normalização e no que respeita à condução dos trabalhos para o estabelecimento de normas portuguesas, exerce a sua competência conjuntamente com a que está atribuída ao Instituto da Qualidade Alimentar, do Ministério da Agricultura, Comércio e Pescas, ou a outros organismos com funções de normalização sectorial, sempre que estejam em causa matérias relativas aos respectivos domínios de intervenção.

2 - À Direcção-Geral da Qualidade cabe planear a elaboração das normas portuguesas, em colaboração com as entidades referidas no n.º 1, mediante a preparação de programas - anuais ou plurianuais -, que publicará depois de aprovados pelo Conselho Nacional da Qualidade.

3 - Os trabalhos para o estabelecimento das normas portuguesas são realizados por comissões técnicas portuguesas de normalização (CTs), permanentes ou ad hoc, constituídas pela Direcção-Geral da Qualidade ou por organismos com funções de normalização sectorial, nas quais deverá, obrigatoriamente, ser assegurada a possibilidade de representação de todas as partes interessadas.

4 - A competência para desempenhar funções de normalização sectorial é atribuída pela lei quanto aos organismos públicos e deriva do reconhecimento destes conjuntamente com a Direcção-Geral da Qualidade, de acordo com metodologias adoptadas pelo Conselho Nacional da Qualidade no que respeita ao seu exercício por entidades privadas ou mistas.

5 - No estabelecimento de uma norma portuguesa relativa a dado domínio sectorial apenas pode exercer as competências previstas no artigo 12.º um organismo com funções de normalização sectorial.

ARTIGO 11.º

(Elaboração das normas portuguesas)

1 - Quando uma CT conclua um projecto de norma e a entidade que a constitui considere que foram cumpridas as metodologias aplicáveis à sua elaboração será o mesmo projecto sujeito a inquérito no mais curto espaço de tempo possível.

2 - O inquérito destina-se a promover a manifestação dos pontos de vista dos interesses nacionais acerca do projecto, devendo este ser enviado, pelo organismo que constitui a CT que o elaborou, à Direcção-Geral da Qualidade, bem como a outras entidades, públicas ou privadas, a que a matéria diga respeito.

3 - O inquérito é anunciado no Boletim da Direcção-Geral da Qualidade e em 2 órgãos de imprensa diária, sem prejuízo da possibilidade de anúncio em publicações de organismos com funções de normalização sectorial ou de associações empresariais a que o assunto diga respeito.

4 - A duração do inquérito é, em regra, de 60 dias, e conta-se a partir da data do seu anúncio na imprensa diária.

5 - Quando o projecto implique modificação de especificações técnicas relacionadas com o uso da marca NP, o inquérito terá a duração de 90 dias e será anunciado em 2 números consecutivos do Boletim da Direcção-Geral da Qualidade, aplicando-se quanto ao mais o disposto nos n.os 3 e 4.

6 - Os projectos resultantes de adaptação de normas internacionais ou regionais são dispensados de inquérito quando aquelas tiverem sido objecto de voto positivo português emitido com observância do disposto no artigo 15.º e o organismo que constitui a CT correspondente o considerar conveniente.

7 - Terminado o prazo de duração do inquérito, quando a ele haja lugar, a CT estudará e apreciará as críticas de que o projecto foi objecto, elaborará a respectiva informação e redigirá o texto final do projecto, após o que a entidade que a constituiu elaborará um relatório final.

ARTIGO 12.º

(Aprovação, homologação e publicação das normas portuguesas)

1 - Em face do relatório final, a Direcção-Geral da Qualidade ou o organismo público competente com funções de normalização sectorial conferidas por lei apreciará o consenso registado ao longo dos procedimentos previstos no artigo 11.º, bem como o cumprimento das metodologias aplicáveis.

2 - A Direcção-Geral da Qualidade ou o organismo público competente com funções de normalização sectorial conferidas por lei, conforme os casos, se a apreciação prevista no número anterior tiver sido favorável, pronunciará a aprovação do texto final.

3 - Só serão considerados normas portuguesas e apresentados como ponto de vista nacional português perante as organizações internacionais ou regionais de normalização os textos elaborados de acordo com os procedimentos estabelecidos no presente diploma e que sejam homologados pela Direcção-Geral da Qualidade, conjuntamente com o organismo público competente com funções de normalização sectorial conferidas por lei quando for caso disso.

4 - Quando houver divergência de opinião entre organismos com funções de normalização intervenientes no processo acerca da existência de consenso, o Conselho Nacional da Qualidade é chamado a um reexame do mesmo processo, para o que poderá convocar o presidente da CT autora do projecto, bem como qualquer outra entidade.

5 - Nos casos previstos no número anterior, a aprovação não pode ser pronunciada contra parecer do Conselho.

6 - Quando o Conselho não resolva as dúvidas acerca da existência de consenso, o projecto será devolvido à CT que o elaborou para efeitos de revisão e tentativa de obtenção de novo consenso.

7 - Os actos de homologação das normas portuguesas são publicados na 3.ª série do Diário da República.

8 - As normas portuguesas são editadas pela Direcção-Geral da Qualidade e entrarão em vigor no último dia do mês seguinte ao da edição.

ARTIGO 13.º

(Regulamentação por referência a normas)

1 - A elaboração de projectos de regulamentação que incluam referência a normas portuguesas em termos de as tornar obrigatórias, bem como a publicação dos respectivos diplomas legais, devem ser notificadas quer à Direcção-Geral da Qualidade quer aos organismos com funções de normalização sectorial quando existam.

2 - Na referência às normas portuguesas poderá adoptar-se qualquer das formas indicadas na norma portuguesa NP 1620.

3 - Os regulamentos por referência às normas portuguesas devem indicar que as mesmas são editadas pela Direcção-Geral da Qualidade.

ARTIGO 14.º

(Revisão das normas portuguesas)

1 - A revisão de cada norma portuguesa deve ser empreendida de 5 em 5 anos, e pode sê-lo em qualquer momento quando o organismo que pronunciou a aprovação referida no n.º 2 do artigo 12.º tenha conhecimento de que uma parte importante dos interessados considera qualquer elemento do seu conteúdo em desacordo com o progresso técnico ou as condições económicas ou sociais.

2 - A revisão das normas portuguesas, que pode conduzir a aditamento, modificação, reformulação total, suspensão, anulação ou confirmação, segue processo idêntico ao da sua elaboração, podendo o inquérito deixar de ser efectuado nos casos em que o organismo a que se refere o número anterior o entenda dispensável.

3 - A decisão de suspender ou anular uma norma ou certas partes de uma norma portuguesa tornada obrigatória por referência em regulamento técnico deve ser coordenada com as entidades com competência regulamentar na matéria.

ARTIGO 15.º

(Participação na elaboração de normas internacionais e regionais)

1 - A Direcção-Geral da Qualidade promoverá, em colaboração com os organismos nacionais, com funções de normalização sectorial e as CTs, a participação nos trabalhos de órgãos técnicos das organizações internacionais e regionais de normalização conducentes à elaboração de projectos de normas dessas mesmas organizações.

2 - Os projectos de normas internacionais e regionais recebidos pela Direcção-Geral da Qualidade são por esta enviados aos organismos com funções de normalização sectorial competentes, quando existam.

3 - O anúncio de projectos de normas internacionais ou regionais será feito no Boletim da Direcção-Geral da Qualidade - sem prejuízo da possibilidade de anúncio em outras publicações e de outras formas de divulgação -, ficando os mesmos projectos à disposição dos interessados para efeitos de consulta e apresentação de comentários.

4 - O prazo para recepção de comentários, bem como a entidade à qual devem ser enviados, serão indicados caso a caso.

5 - Independentemente do disposto nos n.os 2 e 3, os organismos com funções de normalização sectorial devem anunciar os projectos que lhes tenham sido enviados e proceder à respectiva divulgação pela forma que considerarem mais conveniente.

6 - As CTs devem informar sobre os projectos de normas internacionais e regionais que lhes sejam remetidos pelo organismo que as constitui, considerando os comentários eventualmente recebidos.

7 - Com base na informação prevista no número anterior ou, na sua falta, em elementos informativos de que disponha, o organismo com funções de normalização sectorial, quando exista, elaborará parecer preparatório do voto português sobre os projectos em causa.

8 - A Direcção-Geral da Qualidade fará, em qualquer caso, a apreciação final dos elementos obtidos, depois da qual formulará e apresentará o voto português à organização internacional ou regional competente.

ARTIGO 16.º

(Integração das normas internacionais e regionais na normalização

portuguesa)

1 - Poderá ser dado o estatuto de norma portuguesa às normas internacionais ou regionais cujos projectos tenham sido objecto de voto positivo da Direcção-Geral da Qualidade.

2 - As normas a que se refere o número anterior, publicadas na versão oficial, em francês ou inglês, deverão ser acompanhadas de uma tradução avalizada pela Direcção-Geral da Qualidade.

ARTIGO 17.º

(Outros documentos normativos)

Quando um documento preparado ou examinado por uma CT constituída nos termos do n.º 3 do artigo 11.º seja considerado possuir um valor de referência normativa, mas não se mostre susceptível de homologação como norma portuguesa, poderá a Direcção-Geral da Qualidade ou o organismo público com competência sectorial atribuída por lei, mediante solicitação do respectivo autor, inscrevê-lo como tal no Boletim da Direcção-Geral da Qualidade e no catálogo das normas portuguesas, efectuando ainda a Direcção-Geral da Qualidade a sua edição.

ARTIGO 18.º

(Propriedade intelectual)

1 - As normas e outras publicações normativas elaboradas e editadas, de acordo com o processo estabelecido no presente diploma, são equiparadas às obras intelectuais colectivas, beneficiando da protecção que às mesmas for assegurada nos termos da legislação em vigor.

2 - O direito de autor correspondente às publicações normativas referidas no número anterior pertence à Direcção-Geral da Qualidade sempre que não colida com direitos de outras entidades.

CAPÍTULO VI

Subsistema Nacional da Qualificação

ARTIGO 19.º

(Objectivo)

O Subsistema Nacional da Qualificação visa a garantia da conformidade de produtos, serviços e empresas com requisitos previamente fixados.

ARTIGO 20.º (Estruturas)

1 - Sem prejuízo da competência exclusiva da Direcção-Geral da Qualidade para autorizar o uso da marca nacional de conformidade com as normas portuguesas, a certificação da conformidade de produtos, serviços e empresas visada pelo presente diploma pode ser feita efectuada pela Direcção-Geral da Qualidade, por organismos públicos com funções de normalização sectorial conferidas por lei, ou por outras entidades cuja qualificação como organismos de certificação seja previamente reconhecida pela Direcção-Geral da Qualidade, conjuntamente com organismos públicos com funções de normalização sectorial conferidas por lei, quando existam.

2 - Os organismos de certificação podem recorrer a entidades com funções de inspecção técnica ou auditoria ou a laboratórios, cuja qualificação para intervenção em sistemas de certificação seja igualmente reconhecida pela Direcção-Geral da Qualidade, conjuntamente com organismos públicos com funções de normalização sectorial conferidas por lei, quando existam.

ARTIGO 21.º

(Documentos de referência)

A conformidade de produtos, serviços e empresas visada pelo presente diploma pode referir-se a qualquer norma portuguesa, regulamento técnico, norma nacional, regional ou internacional, especificação técnica, caderno de encargos, conteúdo técnico de etiqueta ou documento informativo.

ARTIGO 22.º

(Pedidos de reconhecimento)

Os reconhecimentos a que se refere o artigo 20.º devem ser pedidos pelos interessados à Direcção-Geral da Qualidade ou ao organismo público competente com funções de normalização sectorial conferidas por lei, com indicação das regras de procedimento e de gestão relativas à função que se propõem realizar.

ARTIGO 23.º

(Concessão de reconhecimentos)

1 - O reconhecimento de organismos de certificação ou entidades com funções de inspecção técnica ou auditoria não pode ser concedido a fabricantes, importadores, fornecedores ou vendedores dos produtos ou serviços em causa.

2 - Os reconhecimentos a que se refere o artigo 20.º dependem da verificação pelo organismo competente de que as regras são adequadas à função e de que o requerente dispõe de condições para as aplicar, bem como do compromisso tomado pelo requerente de cumprir as mesmas regras e o disposto no presente diploma.

ARTIGO 24.º

(Metodologias gerais)

Os reconhecimentos previstos no presente diploma e a implementação de sistemas de certificação devem obedecer a metodologias gerais adoptadas pelo Conselho Nacional da Qualidade.

ARTIGO 25.º

(Sistema NP)

1 - As metodologias aplicáveis, para efeitos de autorização para o uso da marca nacional de conformidade com as normas portuguesas, poderão ser utilizadas em relação a outros documentos de referência, designadamente regulamentos técnicos, normas estrangeiras, regionais ou internacionais, sendo nestes casos a conformidade certificada por aposição do símbolo NP precedido do termo «sistema» e seguido da indicação do documento de referência em causa.

2 - A Direcção-Geral da Qualidade fará ampla divulgação no seu Boletim e nos meios de comunicação social das marcas concedidas nos termos do número anterior, indicando os respectivos documentos de referência.

ARTIGO 26.º

(Validade dos reconhecimentos)

Os reconhecimentos concedidos nos termos do artigo 23.º serão válidos por 3 anos e renováveis por idênticos períodos, podendo ser retirados, sem pré-aviso, nos casos de falta grave do respectivo beneficiário aos compromissos assumidos.

ARTIGO 27.º

(Encargos relativos aos reconhecimentos)

1 - O montante dos encargos correspondentes à concessão e renovação de reconhecimentos previstos no presente diploma será fixado por despacho ministerial, por forma a cobrir os custos dos serviços executados.

2 - Os encargos referidos no número anterior serão suportados pelo beneficiário de reconhecimento e reverterão para o Centro de Normalização nos casos em que intervenha a Direcção-Geral da Qualidade

ARTIGO 28.º

(Responsabilidade)

Os reconhecimentos concedidos não envolvem a assunção pela entidade concedente de qualquer responsabilidade derivada de actos ou omissões próprias da entidade cuja qualificação haja sido reconhecida.

ARTIGO 29.º

(Reprodução de documentos de certificação)

É proibida a reprodução ou citação parciais de documentos de certificação de produtos, devendo o facto de os documentos se referirem somente a um exemplar ou unidade ser expressamente mencionado.

ARTIGO 30.º

(Prevenção do uso abusivo ou tendencioso de documentos)

Todas as entidades com qualificação reconhecida nos termos do presente diploma devem tomar medidas adequadas a impedir e, se necessário, proceder contra o uso abusivo ou tendencioso de quaisquer documentos que tenham emitido.

ARTIGO 31.º

(Possibilidade de integração de outros sistemas)

O Subsistema Nacional da Qualificação referido no presente diploma não prejudica quaisquer outros sistemas existentes com idêntica finalidade, podendo, no entanto, integrá-los sempre que os organismos responsáveis pela gestão desses sistemas o pretendam e obedeçam a toda a regulamentação aplicável.

CAPÍTULO VII

Disposições gerais e transitórias

ARTIGO 32.º

(Domínios não abrangidos)

O disposto neste diploma não abrange, no que respeita a qualificação e certificação, o sector material de defesa quando os critérios colidam com a doutrina dos acordos ratificados por Portugal no quadro da Organização do Tratado do Atlântico Norte.

ARTIGO 33.º

(Disposição transitória)

1 - O Conselho Nacional da Qualidade entrará em funcionamento e o Conselho de Normalização será extinto, simultaneamente, em data a fixar por despacho do Ministro da Indústria, Energia e Exportação.

2 - Até à data prevista no número anterior, ao Conselho de Normalização incumbirá a aprovação e homologação referidas no artigo 12.º do presente diploma.

ARTIGO 34.º

(Revogação)

Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, são revogados os artigos 17.º, 18.º, 19.º e 20.º do Decreto-Lei 36935, de 24 de Junho de 1948, o Decreto-Lei 38801, de 25 de Junho de 1952, com excepção dos artigos 12.º, 13.º e 16.º a 23.º, a Portaria 14308, de 21 de Março de 1953, e os artigos 2.º e 18.º - na parte relativa ao Conselho de Normalização - do Decreto 39477, 22 de Dezembro de 1953.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 22 de Fevereiro de 1983. - Francisco José Pereira Pinto Balsemão - Ricardo Manuel Simões Bayão Horta.

Promulgado em 5 de Abril de 1983.

Publique-se.

O Presidente da República, ANTÓNIO RAMALHO EANES.

Referendado em 7 de Abril de 1983.

O Primeiro-Ministro, Francisco José Pereira Pinto Balsemão.

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1983/04/27/plain-14277.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/14277.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1948-06-24 - Decreto-Lei 36935 - Ministério da Economia - Gabinete do Ministro

    Cria, no Ministério da Economia, a Inspecção Geral dos Produtos Agrícolas e Industriais e define as suas atribuições.

  • Tem documento Em vigor 1952-06-25 - Decreto-Lei 38801 - Ministério da Economia - Gabinete do Ministro

    Incumbe a Inspecção-Geral dos Produtos Agrícolas e Industriais, por intermédio da Repartição da Normalização, de centralizar a orientação de toda a actividade relativa à normalização. Alarga a constituição do Conselho de Normalização e cria o Centro de Normalização.

  • Tem documento Em vigor 1953-03-21 - Portaria 14308 - Ministério da Economia - Gabinete do Ministro

    PERMITE QUE OS PRESIDENTES DAS COMISSOES TÉCNICAS DE NORMALIZAÇÃO E OS AUTORES DE NORMAS SUJEITAS A APRECIAÇÃO SUPERIOR POSSAM SER CONVOCADOS PARA ASSISTIR AS SESSÕES DO CONSELHO DE NORMALIZAÇÃO SEMPRE QUE O RESPECTIVO PRESIDENTE O JULGAR CONVENIENTE.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Não tem documento Em vigor 1983-05-31 - DECLARAÇÃO DD5956 - PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

    Declara ter sido rectificado o Decreto-Lei n.º 165/83, do Ministério da Indústria, Energia e Exportação, que organiza o Sistema Nacional de Gestão da Qualidade, publicado no Diário da República, 1.ª série, n.º 96, de 27 de Abril de 1983.

  • Tem documento Em vigor 1983-08-26 - Portaria 858/83 - Ministério da Indústria e Energia - Secretaria de Estado da Indústria

    Anula várias portarias respeitantes a normas portuguesas.

  • Tem documento Em vigor 1984-01-20 - Despacho Normativo 9/84 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece as condições para o funcionamento progressivo do Sistema Nacional de Gestão de Qualidade.

  • Tem documento Em vigor 1984-03-13 - Decreto Regulamentar 22/84 - Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios das Finanças e do Plano e da Agricultura, Florestas e Alimentação

    Define a orgânica e funcionamento do Instituto de Qualidade Alimentar (IQA), organismo do Ministério da Agricultura, Florestas e Alimentação, dotado de autonomia administrativa.

  • Tem documento Em vigor 1986-04-02 - Portaria 126/86 - Ministério da Indústria e Comércio

    Cria a marca Modelo conforme, que poderá ser aposta em qualquer produto industrial, mediante certificação pela Direcção-Geral da Qualidade, do Ministério da Indústria e Comércio.

  • Tem documento Em vigor 1986-04-23 - Portaria 157/86 - Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação

    Torna obrigatórias no fabrico e comercialização de carnes preparadas e enchidos de carne as disposições referentes a definição, classificação, ingredientes, características, acondicionamento e formas de apresentação constantes de diversas normas portuguesas relativas.

  • Tem documento Em vigor 1986-05-24 - Portaria 248/86 - Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação

    Determina que a fundamentação legal da Portaria n.º 157/86, de 23 de Abril, seja feita ao abrigo do disposto nos artigos 11.º, 12.º, 13.º e 14.º do Decreto-Lei n.º 165/83, de 27 de Abril. (Torna obrigatório no fabrico e comercializacao de carnes preparadas e enchidos de carne, as disposições referentes a definição, classificacao, ingredientes, características, acondicionamento e formas de apresentação, constantes de diversas normas portuguesas).

  • Tem documento Em vigor 1986-07-12 - Decreto-Lei 183/86 - Ministério da Indústria e Comércio

    Cria o Instituto Português da Qualidade e aprova a sua lei orgânica.

  • Tem documento Em vigor 1986-12-26 - Resolução do Conselho de Ministros 91/86 - Presidência do Conselho de Ministros

    Determina que todos os serviços com competência para a elaboração de regulamentos técnicos sobre bens ou serviços e os departamentos do Estado e as empresas do sector público nos concursos públicos para a aquisição de bens e serviços adoptem o método da referência às normas na regulamentação legal.

  • Tem documento Em vigor 1987-06-25 - Decreto-Lei 257/87 - Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação

    Define, estabelece as características e regula o acondicionamento e a rotulagem dos licores.

  • Tem documento Em vigor 1987-10-29 - Decreto-Lei 346/87 - Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação

    Estabelece as atribuições e competências do Instituto de Qualidade Alimentar que estavam cometidas à ex-Junta Nacional das Frutas e ao laboratório da ex-Junta Nacional dos Produtos Pecuários.

  • Tem documento Em vigor 1987-12-26 - Portaria 958/87 - Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação

    Estabelece disposições quanto à necessidade de defesa e promoção de qualidade dos produtos cárneos.

  • Tem documento Em vigor 1988-03-31 - Portaria 206/88 - Ministério da Indústria e Energia

    Altera a Portaria n.º 126/86, de 2 de Abril (cria a marca Modelo conforme, que poderá ser aposta em qualquer produto industrial, mediante certificação pela Direcção-Geral da Qualidade, do Ministério da Indústria e Energia).

  • Tem documento Em vigor 1988-10-25 - Decreto-Lei 386/88 - Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação

    Estabelece padrões de qualidade e segurança operacional para máquinas e alfaias agrícolas e florestais.

  • Tem documento Em vigor 1988-12-23 - Decreto-Lei 479/88 - Ministério da Indústria e Energia

    Altera duas disposições do Decreto-Lei n.º 165/83, de 27 de Abril, relativas ao Subsistema Nacional da Normalização.

  • Tem documento Em vigor 1989-08-22 - Portaria 710/89 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS CONTADORES DE TEMPO.REVOGA A PORTARIA NUMERO 418/89, DE 9 DE JUNHO.

  • Tem documento Em vigor 1989-08-23 - Portaria 714/89 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS CINEMOMETROS.

  • Tem documento Em vigor 1989-10-09 - Portaria 871/89 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS SISTEMAS DE MEDIÇÃO DA FORÇA DAS MÁQUINAS DE ENSAIOS ESTATÍSTICOS DE TRACÇÃO OU COMPRESSAO. ENTRA EM VIGOR NO PRAZO DE 180 DIAS.

  • Tem documento Em vigor 1989-10-17 - Decreto-Lei 357/89 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece o regime de certificação obrigatória de produtos de vidro cristal e vidro sonoro.

  • Tem documento Em vigor 1989-11-09 - Decreto-Lei 390/89 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece o regime da certificação obrigatória para os tubos e acessórios de aço e ferro fundido maleável para canalizações.

  • Tem documento Em vigor 1989-11-20 - Portaria 1007/89 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS TERMÓMETROS CLINICOS DE MERCÚRIO, DE VIDRO, COM DISPOSITIVO DE MÁXIMA, PUBLICADO EM ANEXO A PRESENTE PORTARIA E QUE DELA FAZ PARTE INTEGRANTE.

  • Tem documento Em vigor 1989-12-13 - Portaria 1070/89 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS CONTADORES DE ENERGIA ELÉCTRICA ACTIVA, EM CORRENTE ALTERNADA, DE USO CORRENTE. ENTRA EM VIGOR NO PRAZO DE 180 DIAS.

  • Tem documento Em vigor 1989-12-13 - Portaria 1069/89 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS SONOMETROS. ENTRA EM VIGOR NO PRAZO DE 180 DIAS.

  • Tem documento Em vigor 1990-01-09 - Portaria 13/90 - Ministério da Indústria e Energia

    Cria o símbolo «Empresa Certificada», que só poderá ser utilizado por empresas certificadas pelo Instituto Português da Qualidade, nos termos do Decreto-Lei n.º 165/83, de 27 de Abril.

  • Tem documento Em vigor 1990-01-09 - Portaria 14/90 - Ministério da Indústria e Energia

    Cria o símbolo «Laboratório Acreditado», que só poderá ser utilizado por laboratórios acreditados pelo Instituto Português da Qualidade, nos termos do Decreto-Lei n.º 165/83, de 27 de Abril.

  • Tem documento Em vigor 1990-08-07 - Decreto-Lei 256/90 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece regras relativas à colocação no mercado de adubos e correctivos agrícolas.

  • Tem documento Em vigor 1990-09-20 - Decreto-Lei 291/90 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece o regime de controlo metrológico de métodos e instrumentos de medição.

  • Tem documento Em vigor 1990-09-27 - Decreto-Lei 304/90 - Ministério da Indústria e Energia

    Torna obrigatória a certificação dos materiais cerâmicos de construção, quer de produção nacional, quer importados.

  • Tem documento Em vigor 1990-10-01 - Portaria 924-A/90 - Ministérios do Comércio e Turismo e do Ambiente e Recursos Naturais

    Fixa as condições de aposição nos brinquedos da marca «CE», prevista no n.º 2 do artigo 2.º do Decreto-Lei n.º 140/90, de 30 de Abril.

  • Tem documento Em vigor 1990-10-24 - Portaria 1070/90 - Ministérios da Agricultura, Pescas e Alimentação, da Indústria e Energia, da Saúde e do Ambiente e Recursos Naturais

    PROCEDE A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA DO CONSELHO NUMERO 88/320/CEE (EUR-Lex), DE 9 DE JUNHO DE 1988, RELATIVA A INSPECÇÃO E VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO (BPL), COMO CONDICAO DA SUA APLICABILIDADE.

  • Tem documento Em vigor 1991-02-08 - Decreto-Lei 71/91 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece as condições técnicas a que devem obedecer os aparelhos eléctricos utilizados em medicina humana e veterinária.

  • Tem documento Em vigor 1991-03-08 - Decreto-Lei 105/91 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece o regime de colocação no mercado e utilização de máquinas e material de estaleiro, transpondo a Directiva n.º 84/532/CEE (EUR-Lex), do Conselho, de 17 de Setembro de 1984, relativa à harmonização das legislações dos Estados membros quanto a materiais e máquinas de estaleiro.

  • Tem documento Em vigor 1991-05-02 - Portaria 376/91 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA COMO REGULAMENTO DE SEGURANÇA DE ASCENSORES ELÉCTRICOS (RSAE) A NORMA NP-3163/1 (1988), QUE RESULTOU DA ATRIBUIÇÃO DO ESTATUTO DE NORMA PORTUGUESA A NORMA EUROPEIA EN 81-1.

  • Tem documento Em vigor 1991-07-31 - Portaria 735-A/91 - Ministério da Indústria e Energia

    DÁ NOVA REDACÇÃO AOS NUMEROS 3 E 6 DO REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS ALCOOLIMETROS, APROVADO PELA PORTARIA NUMERO 110/91, DE 6 DE FEVEREIRO. PRORROGA, ATÉ 31 DE OUTUBRO DE 1992, O PRAZO DE ENTRADA EM VIGOR DA PORTARIA NUMERO 110/91, DE 6 DE FEVEREIRO.

  • Tem documento Em vigor 1991-08-09 - Decreto-Lei 286/91 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece normas para a construção, verificação e funcionamento dos aparelhos de elevação e movimentação. Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 84/528/CEE (EUR-Lex), de 17 de Setembro de 1984.

  • Tem documento Em vigor 1991-09-20 - Portaria 964/91 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA COMO REGULAMENTO DE SEGURANÇA DE ASCENSORES HIDRÁULICOS (RSAH) A NORMA NP EN 81-2 (1990), OPERANDO A TRANSPOSIÇÃO DA DIRECTIVA 90/486/CEE (EUR-Lex), DE 17 DE SETEMBRO.

  • Tem documento Em vigor 1991-12-20 - Portaria 1214/91 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece a regulamentação a que devem obedecer os carros automotores para movimentação de cargas.

  • Tem documento Em vigor 1992-03-12 - Portaria 162/92 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS PLANIMETROS E MÁQUINAS PLANIMÉTRICAS, PUBLICADO EM ANEXO.

  • Tem documento Em vigor 1992-03-12 - Portaria 160/92 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS RECIPIENTES DE MEDIDA PARA O LEITE, PUBLICADO EM ANEXO.

  • Tem documento Em vigor 1992-05-30 - Decreto-Lei 103/92 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece a regulamentação relativa a recipientes sob pressão simples.

  • Tem documento Em vigor 1992-06-02 - Decreto-Lei 108/92 - Ministério da Indústria e Energia

    ESTABELECE A REGULAMENTAÇÃO SOBRE AEROSSÓIS, TRANSPONDO PARA A ORDEM JURÍDICA INTERNA A DIRECTIVA NUMERO 75/324/CEE (EUR-Lex) DO CONSELHO, DE 20 DE MAIO.

  • Tem documento Em vigor 1992-06-24 - Portaria 565/92 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS PARCOMETROS MECÂNICOS, PUBLICADO EM ANEXO.

  • Tem documento Em vigor 1992-06-30 - Decreto-Lei 120/92 - Ministério da Indústria e Energia

    ESTABELECE OS PRINCÍPIOS RELATIVOS A CLASSIFICACAO, EMBALAGEM E ROTULAGEM DE PREPARAÇÕES PERIGOSAS E SUA COLOCACAO NO MERCADO DANDO CUMPRIMENTO A DIRECTIVA DO CONSELHO NUMERO 88/379/CEE (EUR-Lex), DE 7 DE JUNHO DE 1988 (ADAPTADA AO PROGRESSO TÉCNICO PELAS DIRECTIVAS NUMEROS 89/178/CEE (EUR-Lex), DE 22 DE FEVEREIRO DE 1898 E 90/492/CEE (EUR-Lex), DE 5 DE SETEMBRO DE 1990, AMBAS DA COMISSAO) E AINDA A DIRECTIVA DA COMISSAO NUMERO 90/35/CEE (EUR-Lex), DE 19 DE DEZEMBRO DE 1989, QUE DEFINE AS CATEGORIAS DE PREP (...)

  • Tem documento Em vigor 1992-07-06 - Decreto-Lei 130/92 - Ministério da Indústria e Energia

    Estabelece normas relativas à protecção de pessoas e bens contra os riscos decorrentes da utilização de aparelhos a gás.

  • Tem documento Em vigor 1992-07-06 - Decreto-Lei 131/92 - Ministério da Indústria e Energia

    TRANSPÕE PARA O DIREITO INTERNO A DIRECTIVA DO CONSELHO NUMERO 76/767/CEE (EUR-Lex), DE 27 DE JULHO DE 1976, RELATIVA AS BASES DO REGIME APLICÁVEL AOS RECIPIENTES SOB PRESSÃO EFECTIVA SUPERIOR A 50 KPA.

  • Tem documento Em vigor 1992-10-03 - Portaria 956/92 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS INDICADORES MANUAIS E AUTOMÁTICOS DE REFERENCIAÇÃO DOS NÍVEIS DOS LÍQUIDOS PUBLICADOS EM ANEXO.

  • Tem documento Em vigor 1992-10-03 - Portaria 953/92 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS RESERVATÓRIOS DE ARMAZENAMENTO DE INSTALAÇÃO FIXA, PUBLICADO EM ANEXO.

  • Tem documento Em vigor 1992-10-03 - Portaria 955/92 - Ministério da Indústria e Energia

    APROVA O REGULAMENTO DO CONTROLO METROLÓGICO DOS REFRACTÓMETROS, PUBLICADO EM ANEXO.

  • Tem documento Em vigor 1992-11-20 - Decreto-Lei 259/92 - Ministério do Ambiente e Recursos Naturais

    Estabelece o regime de intervenção das entidades acreditadas em acções ligadas à qualidade do ambiente, e define os requisitos de atribuição dessa qualificação e estabelece o respectivo processo de avaliação.

  • Tem documento Em vigor 1992-11-20 - Decreto-Lei 254/92 - Ministério da Administração Interna

    Estabelece o novo regime das inspecções periódicas de veículos.

  • Tem documento Em vigor 1993-02-20 - Decreto-Lei 44/93 - Ministério da Saúde

    Estabelece as regras a que devem obedecer o fabrico, a comercialização e a colocação em serviço dos equipamentos médicos implantáveis activos para fins de diagóstico, terapêutica e investigação clínica.

  • Tem documento Em vigor 1993-03-17 - Resolução do Conselho de Ministros 17/93 - Presidência do Conselho de Ministros

    APROVA ORIENTAÇÕES RELATIVAS AO SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DA QUALIDADE, APOIANDO A REALIZAÇÃO DE SONDAGENS E INQUÉRITOS, O DESENVOLVIMENTO DE INFRA-ESTRUTURAS LABORATORIAIS DESTINADOS A SERVIR OS AGENTES ECONÓMICOS NA DEMONSTRAÇÃO DA QUALIDADE DOS SEUS PRODUTOS E SERVIÇOS, PROMOVENDO INICIATIVAS DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DA QUALIDADE EMPRESARIAL, APOIANDO AS ASSOCIAÇÕES DE CONSUMIDORES NOS TRABALHOS RELACIONADOS COM A QUALIDADE NO CONSUMO, SENSIBILIZANDO OS MEIOS DA COMUNICAÇÃO SOCIAL E PROMOVENDO A (...)

  • Tem documento Em vigor 1993-05-19 - Decreto-Lei 184/93 - Ministério da Indústria e Energia

    REGULA A AUTORIZAÇÃO, FISCALIZAÇÃO E CONDICOES DE USO DA MARCA NACIONAL DE CONFORMIDADE COM AS NORMAS PARA PRODUTOS CERTIFICADOS. PREVÊ A CRIAÇÃO, POR DESPACHO MINISTERIAL, DE COMISSOES DE GESTÃO DA MARCA (CGM) E DA COMISSAO TÉCNICA DE CERTIFICACAO (CTC), DEFININDO AS RESPECTIVAS COMPOSICOES E COMPETENCIAS.

  • Tem documento Em vigor 1993-12-29 - Portaria 1313/93 - Ministérios da Agricultura e do Comércio e Turismo

    Estabelece normas relativas ao fabrico e comercialização de carnes preparadas e enchidos de carne.

  • Tem documento Em vigor 1997-02-25 - Portaria 135/97 - Ministério da Economia

    Actualiza o símbolo "Empresa Certificada", propriedade do Instituto Português da Qualidade (IPQ), cuja forma e condições gráficas de aplicação são descritas em anexo.

  • Tem documento Em vigor 2001-04-07 - Decreto-Lei 113/2001 - Ministério da Economia

    Aprova os Estatutos do Instituto Português da Qualidade.

  • Tem documento Em vigor 2002-01-04 - Decreto-Lei 4/2002 - Ministério da Economia

    Aprova o novo enquadramento jurídico do Sistema Português da Qualidade (SPQ), que tem como entidade promotora o Primeiro-Ministro, e que integra os Subsistemas da Normalização, da Qualificação e da Metrologia.

  • Tem documento Em vigor 2004-06-08 - Decreto-Lei 140/2004 - Ministério da Economia

    Aprova a reestruturação do Instituto Português da Qualidade, IP.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda