Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 580/80, de 31 de Dezembro

Partilhar:

Sumário

Estabelece normas relativas à docência nos ensinos preparatório e secundário.

Texto do documento

Decreto-Lei 580/80

de 31 de Dezembro

1. Com o Decreto-Lei 519-T1/79, de 29 de Dezembro, pretendeu o Ministério da Educação e Ciência fundamentalmente:

Criar as condições que permitam, a curto prazo, a estabilidade do corpo docente dos estabelecimentos de ensino, mediante a definição de regras que regularão os contratos plurianuais renováveis;

Assegurar de forma eficaz e a curto prazo a profissionalização dos docentes, fazendo-a coincidir com a vigência e duração do contrato;

Contribuir para a criação de reais igualdades de acesso ao ensino, descentralizando a formação de pessoal docente e indo, assim, ao encontro das necessidades das zonas mais carecidas do País;

Lançar as bases de um verdadeiro sistema de formação contínua;

Facultar aos serviços centrais e periféricos a criação de sistemas mais expeditos de gestão e formação de pessoal que permitam, a curto prazo, a normalização do funcionamento do subsistema do ensino não superior.

Referiam-se ainda, como objectivos complementares daquelas medidas, a necessidade de:

Criar um órgão central de planeamento e coordenação das actividades de formação do pessoal docente do ensino não superior;

Definir as carreiras profissionais docentes do ensino não superior;

Promover a unificação e alargamento progressivo dos quadros de professores efectivos em cuidadosa articulação com a profissionalização, após a redefinição de grupos e habilitações.

2. O lançamento do referido sistema, que operou já no corrente ano escolar, obrigou a uma conjugação de esforços de diversos sectores do Ministério da Educação e Ciência e demonstrou a necessidade de se proceder a algumas alterações que melhor viabilizassem o processo. Assim, algumas das mais prementes foram tomadas pelo Decreto-Lei 217/80, de 9 de Julho. Mas os serviços responsáveis sempre estiveram conscientes de que se teria de ir mais longe. Contudo, a publicação do citado diploma não deixou de ser tempestiva e operacional e permitiu a resolução de alguns problemas para o corrente ano escolar.

3. A inovação introduzida, sobretudo no que se refere à profissionalização dos docentes em exercício, que veio substituir os denominados «estágios clássicos», permitiu, neste primeiro ano de execução em termos de concurso, adquirir uma experiência que fundamenta a urgente necessidade de se proceder a algumas alterações, na sua quase totalidade de carácter técnio, e que possibilitarão, no futuro, que se não corram riscos desnecessários até agora inevitáveis.

4. Sem margem para dúvidas, a consequência fundamental da contratação plurianual traduz-se na profissionalização em exercício dos contratados. Mas essa finalidade é, no actual contexto legal, prejudicada pela possibilidade de os docentes já profissionalizados, e, consequentemente, em condições de efectivação, poderem, também eles, candidatar-se à contratação plurianual. Assim, cerca de metade dos 6000 lugares destinados no ano escolar de 1980-1981 à contratação plurianual foram ocupados por docentes já profissionalizados. E, prevendo-se, como consequência das próprias necessidades, a diminuição gradual do número de lugares destinados à contratação plurianual, não restam dúvidas de que a profissionalização em exercício se veria seriamente restringida no seu objectivo primordial de incrementar as possibilidades de profissionalização.

5. Neste sentido se introduzem agora algumas alterações nas regras de determinação do número de lugares para a contratação, visando, de acordo com a experiência colhida, evitar prejuízos aos professores na realização da profissionalização em exercício e salvaguardar os interesses da Administração na conjugação deste processo com o da efectivação que lhe é complementar.

6. Naturalmente que a reserva dos lugares da contratação plurianual para os professores provisórios vem resolver um problema de grande importância, sendo compensada pela posição mais vantajosa que os docentes já profissionalizados passam a possuir em termos dos contratos anuais e pelo aumento do número de lugares do quadro que é posto à sua disposição.

7. Finalmente, acrescente-se que se optou por reunir num único e novo diploma todas as regras contidas no Decreto-Lei 519-T1/79, bem como as alterações que no mesmo se introduzem, de forma a permitir uma consulta mais fácil, mais coerente e mais rápida.

Nestes termos:

O Governo decreta, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o seguinte:

I - Dos contratos em geral

Artigo 1.º Para a docência nos ensinos preparatório e secundário o Ministério da Educação e Ciência celebrará contratos plurianuais, anuais e temporários com docentes que:

a) No ano escolar imediatamente anterior já se encontrassem em exercício de funções nos ensinos preparatório ou secundário;

b) No ano escolar imediatamente anterior se encontrassem em exercício de funções em estabelecimentos de ensino oficial não pertencentes aos ensinos preparatório e secundário;

c) Se hajam candidatado pela primeira vez à celebração de qualquer dos referidos tipos de contrato.

II - Dos contratos plurianuais

Art. 2.º Os contratos plurianuais referidos no artigo anterior serão celebrados com docentes que se encontrem numa das seguintes situações;

a) Serem professores em exercício de funções em estabelecimentos de ensino oficial, desde que portadores de habilitações próprias para a docência nos ensinos preparatório ou secundário;

b) Outros candidatos não incluídos na alínea anterior, desde que portadores de habilitação própria para os ensinos preparatório ou secundário;

c) Estarem integrados em contratos de completamento de habilitações referidas no n.º 3 do artigo 1.º do Decreto-Lei 342/78, de 16 de Novembro, com a redacção que lhe foi dada pela Lei 67/79, de 4 de Outubro.

Art. 3.º - 1 - Os contratos não podem ser celebrados com docentes que, embora nas condições do artigo anterior, se encontrem, em qualquer dos dois anos imediatamente anteriores, numa das seguintes situações:

a) Não terem aceite colocação para estabelecimento de ensino ou círculo ou zona escolar a que tenham concorrido;

b) Não terem aceite colocação para a realização da profissionalização em exercício;

c) Não terem cumprido as formalidades de denúncia do contrato, nos termos do artigo 9.º do Decreto-Lei 342/78, com a redacção que lhe foi dada pela Lei 67/79;

d) Terem dado cinco ou mais dias de faltas injustificadas;

e) Terem, em resultado de processo disciplinar, sofrido pena superior a repreensão;

f) Terem obtido classificação inferior a Bom ou a Suficiente, de acordo com as disposições legais em vigor para o respectivo grau de ensino, no que se refere aos candidatos que já se encontravam em exercício de funções docentes no ano escolar anterior.

2 - O disposto no número anterior é aplicável aos docentes que à data da abertura do concurso se encontrem abrangidos pelo artigo 20.º do Decreto-Lei 290/75, de 14 de Junho.

3 - Compete à Direcção-Geral de Pessoal confirmar as condições constantes das alíneas a), b) e c) do n.º 1.

4 - Compete aos conselhos directivos dos estabelecimentos de ensino, ou a quem as suas vezes fizer, confirmar as condições constantes do n.º 1, alíneas d) a f), e do n.º 2.

Art. 4.º - 1 - Para efeitos do disposto no artigo 2.º do presente diploma, os estabelecimentos de ensino serão agrupados em círculos escolares.

2 - Entende-se por círculo escolar o conjunto de estabelecimentos de ensino preparatório ou o conjunto de estabelecimentos de ensino secundário existentes numa dada região.

3 - Os círculos escolares, aos quais será atribuído um número de código, são os constantes dos mapas I e II anexos ao presente diploma e que dele fazem parte integrante.

4 - Para efeitos exclusivos de concurso e de orientação e acompanhamento da profissionalização em exercício, os círculos escolares são agrupados nas zonas constantes do mapa III anexo ao presente diploma, a cada uma das quais é atribuído um número de código.

5 - Os círculos e zonas escolares poderão ser alterados por despacho normativo do Ministro da Educação e Ciência, ouvidos os sindicatos dos professores, sempre que se verifiquem implicações de rede escolar ou necessidades fundamentadas resultantes da experiência colhida.

Art. 5.º - 1 - Os contratos terão, em regra, a duração de dois anos escolares, sendo automaticamente renováveis se não forem rescindidos por qualquer das partes, nos termos dos artigos 25.º e 26.º deste diploma.

2 - O contrato plurianual não pode ser renovado aos docentes que se tenham profissionalizado em exercício, os quais deverão ser opositores ao concurso previsto no Decreto-Lei 581/80, de 31 de Dezembro.

Art. 6.º - 1 - O Ministério da Educação e Ciência fixará anualmente o número de lugares em cada grupo, subgrupo e disciplina para cuja docência serão celebrados contratos plurianuais.

2 - O número de lugares em cada grupo, subgrupo e disciplina será o que resultar da diferença existente entre o número total de horários docentes de vinte ou mais horas já distribuídos ou a distribuir a professores não efectivos em cada estabelecimento de ensino à data de 31 de Outubro de cada ano e o número de lugares vagos do quadro.

3 - O Ministério da Educação e Ciência estabelecerá, para cada ano escolar e por grupo, subgrupo e disciplina, percentagens de lugares disponíveis para contratos plurianuais, que em nenhum caso serão inferiores a 75% da diferença resultante da aplicação do número anterior deste artigo e cujo arredondamento se fará por defeito.

Art. 7.º Fixado nos termos do artigo 6.º o número de lugares para cuja docência serão celebrados contratos plurianuais, será aberto concurso de provimento, a realizar de acordo com as normas indicadas nos artigos seguintes.

Art. 8.º - 1 - O concurso será aberto durante o mês de Janeiro de cada ano, mediante aviso a publicar no Diário da República, que incluirá o número de lugares fixado nos termos do artigo 6.º 2 - A candidatura ao concurso far-se-á mediante apresentação de um boletim de modelo normalizado, que, em termos a definir no aviso de abertura, poderá ser diferente, consoante os diversos tipos de opositores.

3 - Os prazos, condições e local de apresentação do boletim serão fixados no aviso de abertura.

Art. 9.º - 1 - Do boletim de concurso referido no n.º 2 do artigo anterior constarão obrigatoriamente:

a) Elementos legais de identificação do candidato;

b) Habilitação académica e respectiva classificação, fixada nos termos legais;

c) Grupo, subrgupo ou disciplina, dentro de cada nível de ensino, a que o candidato concorre;

d) Tempo de serviço prestado em qualquer estabelecimento de ensino oficial e particular, desde que, quanto a este último, tenha sido prestado nas condições previstas no Decreto-Lei 553/80, de 21 de Novembro;

e) Códigos dos estabelecimentos de ensino, círculos e zonas, nos termos do artigo 12.º do presente diploma.

2 - São aplicáveis ao concurso as normas constantes do artigo 18.º do Decreto-Lei 581/80.

Art. 10.º - 1 - A ordenação dos candidatos far-se-á de acordo com as prioridades definidas no Decreto-Lei 581/80.

2 - A ordenação referida no número anterior observará ainda as regras definidas nos artigos 14.º e 15.º do Decreto-Lei 581/80, no que se refere aos portadores de habilitações próprias e aos docentes nas condições da alínea c) do artigo 2.º do presente diploma.

3 - A ordenação dos candidatos respeitará, sucessivamente, os seguintes escalões:

a) Candidatos já contratados plurianualmente que desejem mudar de estabelecimento de ensino no termo dos dois anos de contrato;

b) Candidatos com contrato anual até 30 de Setembro do ano escolar imediatamente anterior ao que o concurso respeita e que se encontrem em exercício de funções nos ensinos preparatório ou secundário;

c) Outros candidatos portadores de habilitação própria para os ensinos preparatório ou secundário que possuam, à data da publicação no Diário da República do aviso da abertura do concurso, pelo menos, trezentos e sessenta e cinco dias de serviço já prestado ao Ministério da Educação e Ciência em qualquer estabelecimento de ensino oficial;

d) Candidatos portadores de habilitação própria para os ensinos preparatório ou secundário não incluídos nas alíneas anteriores.

Art. 11.º Ao concurso são aplicáveis, com as adaptações que se mostrarem necessárias, as normas definidas na alínea a) do artigo 19.º e no artigo 20.º, ambos do Decreto-Lei 581/80.

Art. 12.º Os candidatos indicarão num e só num boletim, de acordo com o previsto em uma ou mais das alíneas seguintes, e sempre por ordem decrescente das suas preferências:

a) O código dos estabelecimentos de ensino, até ao máximo de 50;

b) O código dos círculos escolares, até ao máximo de 20;

c) O código das zonas em que se integram os círculos.

Art. 13.º As listas provisórias de ordenação dos candidatos seguirão os trâmites e efeitos previstos nos n.os 1 e 2 do artigo 33.º do Decreto-Lei 581/80.

Art. 14.º O concurso a que se refere o artigo 7.º deste decreto-lei será realizado por forma que qualquer concorrente não seja ultrapassado nas suas preferências por outro candidato com inferior prioridade.

Art. 15.º - 1 - As desistências do concurso só serão permitidas dentro do prazo de reclamação referido, por remissão, no artigo 13.º 2 - As desistências fora do prazo referido no número anterior implicam a impossibilidade de o docente celebrar qualquer tipo de contrato para o ano a que o concurso respeitar e para o ano seguinte.

Art. 16.º - 1 - A lista definitiva de colocações será publicada em Diário da República e dela caberá exclusivamente o recurso hierárquico, a interpor no prazo de trinta dias, contados a partir do dia imediato ao daquela publicação.

2 - A lista referida no número anterior constituirá o único meio de comunicação aos interessados das respectivas colocações.

3 - À não aceitação do lugar pelo candidato é aplicável o disposto no n.º 2 do artigo anterior.

Art. 17.º Para todos os efeitos legais, considera-se que a não apresentação de reclamação por parte dos candidatos às listas provisórias referidas no artigo 13.º deste diploma equivale à aceitação tácita das mesmas listas, dela resultando a intempestividade do recurso hierárquico previsto no n.º 1 do artigo 16.º cujo fundamento seja o erro na elaboração das listas.

III - Dos contratos anuais

Art. 18.º Os contratos anuais serão celebrados entre o Ministério da Educação e Ciência e os docentes colocados, nos termos do Decreto-Lei 581/80.

IV - Dos contratos temporários

Art. 19.º Os contratos temporários serão celebrados entre o Ministério da Educação e Ciência e os docentes dos ensinos preparatório e secundário que se encontrem a substituir transitoriamente outros docentes, por impedimento destes, nos termos do Decreto-Lei 581/80.

V - Dos direitos e deveres das partes

Art. 20.º - 1 - Nos contratos plurianuais a celebrar nos termos do presente diploma constituem obrigações do Ministério da Educação e Ciência:

a) Garantir, durante a vigência do contrato, serviço docente ou equiparado no estabelecimento com o qual o contrato foi celebrado ou em estabelecimento do mesmo ou dos círculos escolares aos quais o docente se candidatou e de acordo com as prioridades por ele manifestadas;

b) Assegurar as condições necessárias à profissionalização dos docentes que ainda a não adquiriram, da forma mais eficaz e a curto prazo, de acordo com as necessidades em pessoal docente e nos termos definidos no presente diploma.

2 - Para efeitos do disposto na alínea a) do número anterior, observar-se-á:

a) Se o contratado não puder, por inexistência de serviço docente, manter-se no estabelecimento de ensino a que se encontra vinculado, será transferido para outro estabelecimento, respeitando-se as prioridades indicadas pelo candidato, nos termos do artigo 12.º do presente diploma;

b) No caso previsto na alínea anterior, será deslocado o candidato menos graduado, nos termos dos artigos 13.º e 14.º, conforme os casos, do Decreto-Lei 581/80, salvo se outro ou outros mais graduados declararem desejar ser transferidos, caso em que será transferido o mais graduado.

3 - A renovação do contrato, bem como a transferência do contratado, nos termos da alínea a) do número anterior será feita pela Direcção-Geral de Pessoal anteriormente ao concurso previsto neste diploma.

Art. 21.º - 1 - Para efeitos de aplicação do artigo anterior:

a) A colocação é de aceitação obrigatória se a mesma respeitar ao círculo em que o professor se encontre colocado ou a que tenha concorrido;

b) A colocação depende de prévia concordância do professor, manifestada em declaração escrita, se a mesma se efectuar em círculo escolar diferente daquele onde o professor se encontra colocado ou a que concorreu.

2 - Sempre que da aplicação do disposto no número anterior se verificar a total impossibilidade de se proceder a transferência, em virtude da inexistência de lugares, poderá o Ministro da Educação e Ciência atribuir ao professor, durante a vigência do contrato, outras funções, nos termos do Decreto-Lei 373/77, de 5 de Setembro, desde que as mesmas se enquadrem no n.º 1 do artigo 1.º daquele diploma, sem prejuízo de manutenção dos direitos e obrigações decorrentes do contrato.

Art. 22.º - 1 - Se durante a vigência do contrato plurianual o docente for submetido a junta médica e, por decisão desta, vier a beneficiar da redução de serviço prevista no artigo 20.º do Decreto-Lei 290/75, o docente integrar-se-á imediatamente na situação de contratado anualmente.

- Os docentes referidos no número anterior passarão, de imediato, a gozar da respectiva redução de serviço.

3 - Sempre que a situação referida no n.º 1 ocorra para além do termo do prazo do concurso referido no artigo 8.º do Decreto-Lei 581/80, deverão os interessados apresentar o boletim para o respectivo concurso no prazo de oito dias após a definição daquela situação.

Art. 23.º É obrigação do docente contratado assegurar, durante a vigência do contrato, o serviço docente ou equiparado que lhe for atribuído.

Art. 24.º - 1 - É obrigação do professor que se profissionalizar em exercício apresentar-se anualmente a concurso de professores efectivos a, pelo menos, quinze estabelecimentos onde tenham sido declaradas vagas no aviso de abertura do respectivo concurso.

2 - Os docentes que não derem cumprimento ao disposto no número anterior só poderão ser colocados ao abrigo do Decreto-Lei 581/80, na qualidade de novos candidatos.

Art. 25.º - 1 - O Ministério da Educação e Ciência poderá rescindir o contrato sempre que:

a) Os professores incorrerem, durante a vigência do contrato, em alguma das situações previstas nas alíneas b) a e) do artigo 3.º deste diploma;

b) Os professores profissionalizandos venham a ser abrangidos pela situação prevista no n.º 2 do artigo 41.º deste diploma.

2 - A rescisão só produzirá efeitos depois de cumpridas as formalidades referidas no n.º 2 do artigo 9.º do Decreto-Lei 342/78, com a redacção que lhe foi dada pela Lei 67/79.

3 - Os docentes a quem, nos termos do n.º 1, for rescindido o contrato só poderão candidatar-se a qualquer concurso na qualidade de novos candidatos.

Art. 26.º Constitui motivo de rescisão do contrato por parte do docente contratado o não cumprimento, por parte do Ministério da Educação e Ciência, do disposto nas alíneas a) e b) do n.º 1 do artigo 20.º do presente diploma.

Art. 27.º - 1 - Constitui motivo para requerimento de suspensão do contrato por parte do docente, desde que o mesmo não tenha sido convocado para realizar a profissionalização em exercício:

a) O exercício de funções docentes como cooperante, professor do ensino português no estrangeiro, bolseiro ou leitor em Universidades portuguesas ou estrangeiras;

b) Colocação ao abrigo do Decreto-Lei 373/77 em funções cuja necessidade seja fundamentada pelo serviço interessado;

c) Prestação de serviço militar obrigatório;

d) Exercício de funções ao abrigo do Decreto-Lei 901/76, de 31 de Dezembro.

2 - Se for concedida a suspensão referida no número anterior, observar-se-á o seguinte:

a) Se a mesma se verificar no decurso do primeiro ano do contrato, o professor terá direito, finda a suspensão, ao completamento do período normal do contrato;

b) Se a mesma se verificar no decurso do segundo ano do contrato, o professor terá direito, finda a suspensão, à prorrogação do contrato nos termos do presente diploma.

VI - Da profissionalização e da formação em exercício

Art. 28.º A profissionalização em exercício, referida na alínea b) do n.º 1 do artigo 20.º deste diploma, será realizada por um período de dois anos escolares, mediante o cumprimento de um plano de trabalho individual visando o completamento ou aperfeiçoamento de cada uma das seguintes componentes:

a) Informação científica;

b) Informação ou formação no âmbito das ciências da educação;

c) Observação e prática pedagógicas orientadas.

Art. 29.º - 1 - O completamento ou aperfeiçoamento das componentes referidas nas alíneas a) e b) do artigo anterior serão garantidos por apoio directo, por apoio documental e áudio-visual e, ainda, na medida das possibilidades, por colaboração de instituições do ensino superior.

2 - A observação e prática pedagógicas serão orientadas pelos conselhos pedagógicos, apoiados por equipas de orientadores pedagógicos.

Art. 30.º - 1 - A coordenação da profissionalização em exercício caberá:

a) A nível nacional: ao conselho orientador e às direcções-gerais de ensino até à concretização do disposto no artigo 31.º;

b) A nível regional: a equipas de apoio pedagógico;

c) A nível local: aos conselhos pedagógicos dos estabelecimentos de ensino.

2 - As competências dos órgãos referidos no número anterior serão definidas no respectivo diploma regulamentar.

Art. 31.º - 1 - Será criado, no âmbito das estruturas centrais do Ministério da Educação e Ciência, um órgão de concepção e coordenação da formação de professores.

2 - A criação referida no número anterior será feita por decreto-lei, a publicar no prazo de sessenta dias a contar da entrada em vigor do presente diploma.

3 - No diploma previsto no número anterior proceder-se-á igualmente à adequada revisão e reestruturação da orgânica, funcionamento, atribuições e estatuto de pessoal do conselho orientador referido na alínea a) do artigo 30.º deste diploma.

4 - Até à revisão e reestruturação mencionadas no número anterior, os membros do actual conselho orientador reger-se-ão pelo disposto no artigo seguinte.

Art. 32.º - 1 - Os membros do actual conselho orientador desempenharão as suas funções com dispensa total do exercício das funções de origem.

2 - Os referidos membros têm direito à gratificação de 4000$00 mensais, paga durante os doze meses do ano, com exclusão do subsídio de férias e do 13.º mês.

3 - Os membros do conselho orientador são nomeados por conveniência urgente de serviço público, sendo-lhes devida a respectiva gratificação desde a data do início do exercício das respectivas funções.

Art. 33.º - 1 - As equipas de apoio pedagógico são constituídas pelos orientadores pedagógicos.

2 - As referidas equipas são organizadas a nível das zonas constantes do mapa III anexo ao presente diploma.3 - A constituição das mencionadas equipas será função do número de professores em profissionalização da localização das escolas onde a mesma terá lugar e do número e qualificação dos professores da respectiva zona, com vista não só ao acompanhamento da profissionalização em exercício de professores, como também à dinamização de acções de formação contínua dos mesmos.

4 - Os orientadores pedagógicos serão recrutados por concurso documental, a abrir através de aviso a publicar no Diário da República e no qual se inserirão as condições e o perfil exigidos, a definir por despacho ministerial, após audiência dos sindicatos dos professores.

5 - Os orientadores pedagógicos serão destacados por períodos de dois anos, renováveis por iguais períodos ao abrigo do Decreto-Lei 373/77, de 5 de Setembro.

6 - Os orientadores terão direito:

a) A dispensa total de serviço docente no estabelecimento a que se encontrem vinculados;

b) À gratificação referida no n.º 2 do artigo 32.º;

c) A preparação e apoio profissional para o exercício das suas funções.

7 - Aos actuais e futuros orientadores pedagógicos é aplicável o disposto no n.º 3 do artigo anterior.

Art. 34.º - 1 - As equipas de apoio pedagógico das zonas referidas no n.º 2 do artigo anterior funcionarão em centros de apoio, a definir pelo actual conselho orientador, em conjunto com as direcções-gerais de ensino.

2 - Os referidos centros de apoio terão as seguintes finalidades:

a) Funcionar como pólos de acções de apoio directo e à distância à profissionalização em exercício e à formação contínua de professores;

b) Apoiar acções de coordenação, a nível regional ou local, da profissionalização e da formação referidas na alínea anterior.

3 - As Direcções-Gerais dos Ensinos Básico, Secundário, Particular e Cooperativo, do Pessoal e do Equipamento Escolar e o Instituto de Tecnologia Educativa dotarão os centros com meios humanos, financeiros e materiais necessários ao seu funcionamento.

Art. 35.º - 1 - As competências dos conselhos pedagógicos dos estabelecimentos de ensino preparatório e secundário em matéria de profissionalização em exercício de docentes constam do respectivo regulamento de funcionamento.

2 - No âmbito dos conselhos pedagógicos, os delegados de grupo, subgrupo ou disciplina que acompanham a actividade dos professores em profissionalização têm direito:

a) A leccionar apenas duas turmas, sendo, no caso do ensino secundário, sempre que possível, uma do curso complementar;

b) À gratificação prevista no n.º 2 do artigo 32.º;

c) A preparação e apoio profissional para o exercício das suas funções.

Art. 36.º - 1 - O acesso à profissionalização em exercício durante a vigência dos contratos plurianuais, com excepção dos referidos na alínea c) do artigo 2.º do presente diploma, respeitará uma lista ordenada a nível nacional por cada grupo, subgrupo, ou disciplina.

2 - Consoante as necessidades do ensino e as possibilidades técnicas de que o Ministério da Educação e Ciência disponha, os professores serão convocados para a profissionalização em exercício de acordo com a referida lista nacional, preferindo sempre os que possuírem mais elevada graduação na docência de entre os que se encontrem contratados plurianualmente.

3 - A graduação na docência far-se-á segundo as regras estabelecidas no Decreto-Lei 581/80, de 31 de Dezembro.

Art. 37.º - 1 - A profissionalização far-se-á no estabelecimento de ensino para o qual foi celebrado contrato ou em estabelecimento do mesmo círculo.

2 - O docente integrado no esquema da profissionalização em exercício terá um horário de quinze ou dezasseis horas e um número de turmas a fixar em regulamento próprio.

Art. 38.º - 1 - A profissionalização em exercício não se poderá processar no período em que os docentes se encontrem a desempenhar funções nos conselhos directivos ou pedagógicos dos estabelecimentos de ensino preparatório ou secundário.

2 - Sempre que os docentes referidos no número anterior adquiram direito à profissionalização em exercício, de acordo com a lista nacional, observar-se-á o seguinte:

a) Terminado o mandato, far-se-á a prorrogação do contrato para efeitos de profissionalização imediata;

b) No caso referido na alínea anterior e completada a profissionalização, considera-se, para todos os efeitos legais, que a mesma foi obtida no período em que decorreu o impedimento.

3 - O disposto nos números anteriores é aplicável aos docentes abrangidos pelo Decreto-Lei 901/76, de 31 de Dezembro.

Art. 39.º - 1 - Poderão ser integrados na lista ordenada nacional docentes que se encontrem numa das seguintes situações:

a) Professores efectivos de Trabalhos Manuais do ensino preparatório e professores efectivos do 12.º grupo do ensino secundário, desde que portadores de curso superior considerado habilitação própria para grupo, subgrupo ou disciplina dos respectivos ensinos diferentes daquele em que já são efectivos;

b) Professores-adjuntos dos ensinos preparatório e secundário ainda não profissionalizados;

c) Professores extraordinários do quadro do ensino secundário ainda não profissionalizados.

2 - Os professores referidos nas alíneas do número anterior serão integrados tomando-se por base a classificação da habilitação académica do respectivo curso superior, acrescida de um valor por cada ano de serviço prestado, até ao limite de vinte anos.

Art. 40.º - 1 - A não aceitação de colocação para efeito de profissionalização por parte dos docentes provisórios ou eventuais implica:

a) A não prorrogação do contrato;

b) A impossibilidade de realizar a profissionalização em exercício durante os dois anos escolares subsequentes à recusa.

2 - À não aceitação de colocação para efeitos de profissionalização por parte dos docentes referidos no artigo 39.º é aplicável o disposto na alínea b) do número anterior.

3 - Os docentes que desistam da profissionalização em exercício no decurso desta passam imediatamente ao regime de contrato anual, com o horário docente semanal que lhes foi distribuído na qualidade de profissionalizandos e a remuneração correspondente.

4 - O horário referido no número anterior só poderá ser alterado por despacho do director-geral de Pessoal.

5 - Aos docentes referidos no n.º 3 é aplicável o disposto no n.º 3 do artigo 22.º do presente diploma.

Art. 41.º - 1 - Os professores profissionalizandos que, por motivos fundamentados, nomeadamente doença devidamente comprovada, não adquiram a profissionalização no final do período contratual respectivo terão direito à prorrogação do contrato por mais um ano escolar, nos termos do artigo 5.º, para efeitos exclusivos de profissionalização.

2 - Se, finda a prorrogação do contrato, o profissionalizando continuar a não adquirir a profissionalização, ser-lhe-á o mesmo rescindido pelo Ministério da Educação e Ciência.

3 - Aos professores profissionalizandos que, não se encontrando abrangidos pelo disposto no n.º 1, não adquiram a profissionalização no final do período contratual respectivo, ser-lhes-á rescindido o contrato pelo Ministério da Educação e Ciência e poderão, por mais uma vez, candidatar-se ao concurso para contratação plurianual na qualidade de novos candidatos.

4 - Aos docentes a quem for rescindido o contrato nos termos do n.º 2 é aplicável o disposto no número anterior.

5 - Os professores abrangidos pelos n.os 3 e 4 deste artigo que não adquiram a profissionalização no final do período contratual respectivo não poderão voltar a candidatar-se à contratação plurianual, anual e temporária para a docência nos ensinos preparatório e secundário.

VII - Disposições finais e transitórias

Art. 42.º - 1 - O disposto nas alíneas d) e f) do n.º 1 do artigo 3.º do presente diploma só será considerado, respectivamente, após revisão do regime de faltas e licenças e consequente definição dos critérios da sua aplicação e revisão das normas a que deve obedecer a classificação do serviço do pessoal docente.

2 - Até à publicação das normas a que deverá obedecer a classificação do serviço do pessoal docente, considera-se Bom ou Suficiente, conforme os casos, o tempo de serviço prestado pelos docentes, salvo disposição legal ou informação que determine o contrário.

Art. 43.º A transferência referida na alínea a) do n.º 2 do artigo 20.º do presente diploma efectuar-se-á por apostilha ao contrato, não ficando sujeita a quaisquer formalidades legais, excepto a notação pelo Tribunal de Contas.

Art. 44.º - 1 - Os docentes já profissionalizados que à data da entrada em vigor do presente diploma se encontrem contratados plurianualmente poderão, enquanto se não efectivarem, optar pela manutenção do contrato plurianual ou por concorrerem, ainda que na vigência daquele contrato, ao concurso previsto no Decreto-Lei 581/80.

2 - Os docentes que optarem por ser opositores ao concurso previsto pelo Decreto-Lei 581/80 são considerados como tendo sido colocados na 1.ª fase do concurso respeitante ao ano escolar imediatamente anterior.

3 - Os docentes referidos no número anterior que não optarem nos termos aí estipulados mantêm-se na situação de contratados plurianualmente.

4 - Enquanto se mantiverem contratados plurianualmente, é aplicável aos docentes referidos no n.º 1 disposto no artigo 24.º e alínea b) do n.º 1 do artigo 25.º, ambos do presente diploma.

Art. 45.º - 1 - Aos docentes que denunciarem o contrato plurianual nos termos do artigo 5.º, tendo tal denúncia sido apresentada ao director-geral de Pessoal antes da abertura do concurso previsto neste diploma e relativo ao ano escolar seguinte àquele em que termina o período de contrato, é aplicável o disposto no n.º 2 do artigo anterior, sendo recuperado, para efeitos de concurso, o respectivo lugar de contrato plurianual.

2 - Os docentes que denunciarem o contrato plurianual nos termos do artigo 5.º e tenham cumprido as formalidades de denúncia estabelecidas no artigo 9.º do Decreto-Lei 342/78, com a redacção que lhe foi dada pela Lei 67/79, não poderão ser opositores ao concurso previsto no Decreto-Lei 581/80 referente ao ano escolar seguinte àquele em que termina o respectivo período de contrato, excepto no que se refere à 3.ª fase daquele concurso.

3 - Aos docentes que não cumprirem as formalidades previstas no número anterior é aplicável o disposto no n.º 2 do artigo 15.º deste diploma.

Art. 46.º Os docentes contratados plurianualmente que não se encontrem a realizar a profissionalização em exercício só poderão denunciar o contrato plurianual no fim do primeiro ano da sua vigência ou da respectiva prorrogação ou prorrogações por motivos devidamente justificados e como tal reconhecidos por despacho ministerial, manifestando tal intenção em requerimento dirigido ao Ministro da Educação e Ciência antes da abertura do concurso previsto no Decreto-Lei 581/80 para o ano escolar seguinte, e sendo considerados, para efeitos deste concurso, como tendo sido colocados na 1.ª fase do concurso respeitante ao ano escolar imediatamente anterior.

Art. 47.º A profissionalização em exercício dos docentes dos grupos A e B do ensino secundário agrícola só poderá efectuar-se em estabelecimentos de ensino secundário dotados de exploração agrícola.

Art. 48.º - 1 - Os docentes profissionalizados de um mesmo ou de diferente grau de ensino só poderão ser admitidos à contratação plurianual e consequente profissionalização em exercício do mesmo ou de outro grau de ensino para que possuam igualmente habilitação própria desde que não haja quaisquer outros candidatos ainda não colocados, salvo se estes não tiverem concorrido aos estabelecimentos, círculos ou zonas onde existam, por preencher, lugares para contratação plurianual.

2 - A admissão prevista no número anterior depende de requerimento a apresentar pelo interessado ao director-geral de Pessoal, no prazo fixado no aviso de abertura do concurso para a contratação plurianual, podendo indicar, por ordem de prioridade, um máximo de vinte estabelecimentos de ensino.

3 - O disposto nos números anteriores não é aplicável aos docentes do ensino primário que, sendo portadores de habilitação própria para os ensinos preparatório ou secundário, concorrerão em igualdade de circunstâncias com os restantes candidatos portadores de idênticas habilitações para o respectivo grau de ensino.

Art. 49.º - 1 - Os professores de quadros não pertencentes aos ensinos preparatório e secundário, colocados em regime de contratação plurianual nos ensinos preparatório e secundário ao abrigo do presente diploma, mantêm-se na situação de requisitados, nos termos do Decreto-Lei 373/77, de 5 de Setembro, até que:

a) Efectuem a sua profissionalização em exercício e nela obtenham ou não aproveitamento;

b) Sejam convocados para a profissionalização em exercício e não aceitem a respectiva colocação.

2 - Sempre que se verificar o disposto numa das alíneas do número anterior, os professores dos quadros previstos neste artigo terão de optar entre o regresso ao seu lugar de origem ou pedir dele exoneração.

3 - O pedido de exoneração deverá ser apresentado no prazo de quinze dias após o conhecimento oficial pelo candidato do aproveitamento ou não da sua profissionalização ou da sua não aceitação da colocação para profissionalização.

4 - A não apresentação do pedido da exoneração nos termos do número anterior determina, para o respectivo professor, o regresso imediato ao seu lugar de origem.

Art. 50.º - 1 - Quando um candidato ao concurso para a contratação plurianual prevista neste diploma concorrer por círculos escolares, os estabelecimentos de ensino respectivos são percorridos por ordem crescente dos números dos códigos desses estabelecimentos, procedendo-se do seguinte modo:

a) Logo que o candidato obtenha colocação deixa de ser considerado como tal em relação a qualquer outra vaga do mesmo círculo;

b) Mantém, todavia, a possibilidade de obter colocação noutro estabelecimento de entre aqueles a que concorreu, nos termos do artigo 12.º do presente diploma ou ainda noutro círculo a que, num caso ou noutro, tenha conferido preferência.

2 - Quando um candidato ao concurso para a contratação plurianual prevista neste diploma concorrer por zonas escolares, os estabelecimentos de ensino respectivos são percorridos por ordem crescente dos números dos códigos desses estabelecimentos, procedendo-se do seguinte modo:

a) Logo que o candidato obtenha colocação deixa de ser considerado como tal em relação a qualquer outra vaga da mesma zona;

b) Mantém, todavia, a possibilidade de obter colocação noutro estabelecimento de entre aqueles a que concorreu, nos termos do artigo 12.º deste decreto-lei ou ainda de outro círculo escolar ou de outra zona escolar a que, em qualquer dos casos, tenha conferido preferência.

Art. 51.º - 1 - Os docentes referidos no artigo 39.º do presente diploma realizarão a sua profissionalização em exercício na escola a cujo quadro pertencem.

2 - Os docentes referidos no número anterior mantêm, enquanto tal, os direitos à sua categoria e o tempo em que decorrer a sua profissionalização é contado, para efeito de atribuição de fases, como se tivesse sido prestado no grupo, subgrupo, disciplina ou especialidade em que realizam a sua profissionalização em exercício.

3 - Se não existir no estabelecimento de ensino a cujo quadro pertencem serviço docente para distribuir, os professores referidos neste artigo poderão ser deslocados, para efeitos de profissionalização em exercício, nas seguintes condições:

a) Obrigatoriamente, para outro estabelecimento de ensino da mesma localidade;

b) Com o acordo do docente, para outro estabelecimento de ensino do mesmo círculo.

Art. 52.º Sempre que os docentes profissionalizados não efectivos contratados plurianualmente à data da publicação do presente diploma se efectivarem, considera-se extinto o contrato a partir da data da sua tomada de posse na categoria de efectivo.

Art. 53.º No prazo de cento e vinte dias após a publicação do presente diploma, o Ministério da Educação e Ciência definirá em decreto-lei as regras a que obedecerão os contratos com os professores referidos na alínea c) do n.º 1 do artigo 2.º deste diploma, nomeadamente a determinação do número de lugares, o local da prestação de serviço, a duração e condições de contrato.

Art. 54.º A contratação plurianual dos docentes do ensino médio será definida, pelo Governo, em diploma autónomo.

Art. 55.º Para efeitos do concurso a que se refere o artigo 7.º do presente diploma serão utilizadas técnicas informáticas.

Art. 56.º Em tudo o que não estiver previsto no presente diploma, aplicam-se, com as adaptações necessárias, as regras constantes do Decreto-Lei 342/78, com a redacção que lhe foi dada pela Lei 67/79, e, na sua impossibilidade, as regras gerais da função pública sobre contratos de provimento.

Art. 57.º A entrada em exercício de funções do pessoal docente contratado plurianualmente ao abrigo do presente diploma far-se-á por conveniência urgente de serviço, sendo-lhe devidos vencimentos, nos termos do Decreto-Lei 41645, de 24 de Maio de 1958, desde a data do início de funções.

Art. 58.º Os lugares de professor-adjunto ainda preenchidos extinguir-se-ão quando vagarem.

Art. 59.º O disposto no presente diploma aplica-se, com as necessárias adaptações, à profissionalização em exercício no ensino particular e cooperativo.

Art. 60.º Os actuais orientadores pedagógicos, que foram recrutados nos termos do artigo 32.º do Decreto-Lei 519-T1/79, com a redacção dada pelo Decreto-Lei 217/80, completarão o período de quatro anos previsto no n.º 4 do artigo 35.º do diploma primeiramente citado, integrando-se, posteriormente, no estabelecido pelo n.º 5 do artigo 33.º do presente diploma.

Art. 61.º A aplicação do presente diploma nas Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores é da competência dos respectivos Governos Regionais, nomeadamente no que concerne à definição dos círculos escolares a que se refere o n.º 3 do artigo 4.º deste decreto-lei.

Art. 62.º As dúvidas resultantes da execução do presente diploma serão resolvidas por despacho do Ministro da Educação e Ciência.

Art. 63.º São revogados:

a) O Decreto-Lei 519-T1/79, de 29 de Dezembro;

b) O Decreto-Lei 217/80, de 9 de Julho.

Art. 64.º O presente diploma entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 16 de Dezembro de 1980. - Diogo Pinto de Freitas do Amaral.

Promulgado em 30 de Dezembro de 1980.

Publique-se.

O Presidente da República, ANTÓNIO RAMALHO EANES.

Mapa I a que se refere o n.º 3 do artigo 4.º do Decreto-Lei 580/80, de 31 de

Dezembro

Ensino preparatório

(ver documento original)

Mapa II a que se refere o n.º 3 do artigo 4.º do Decreto-Lei 580/80, de 31 de

Dezembro

Ensino secundário

(ver documento original)

Mapa III a que se refere o n.º 4 do artigo 4.º do Decreto-Lei 580/80, de 31 de

Dezembro

(ver documento original)

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1980/12/31/plain-13760.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/13760.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1958-05-24 - Decreto-Lei 41645 - Ministérios das Finanças e da Educação Nacional

    Permite o abono dos vencimentos ou remunerações correspondentes ao execício das suas funções, antes de visados pelo Tribunal de Contas os respectivos diplomas, aos professores de serviço eventual e aos demais agentes de ensino de qualquer grau cuja nomeação, colocação ou recondução sejam feitas anualmente.

  • Tem documento Em vigor 1975-06-14 - Decreto-Lei 290/75 - Ministério da Educação e Cultura - Secretaria de Estado da Administração Escolar

    Fixa os novos vencimentos do pessoal docente de vários graus de ensino.

  • Tem documento Em vigor 1976-12-31 - Decreto-Lei 901/76 - Ministério da Educação e Investigação Científica - Secretarias de Estado da Administração e Equipamento Escolar e do Ensino Superior

    Adopta medidas relativamente aos candidatos a estágios pedagógicos que, embora a eles admitidos, os não puderem frequentar em virtude de terem sido eleitos para a Assembleia da República, Assembleias Regionais das regiões autónomas, órgãos executivos do poder local ou nomeados para funções governamentais.

  • Tem documento Em vigor 1977-09-05 - Decreto-Lei 373/77 - Ministério da Educação e Investigação Científica

    Estabelece normas relativas ao exercício de funções por docentes em regime de colocação especial.

  • Tem documento Em vigor 1978-11-16 - Decreto-Lei 342/78 - Ministério da Educação e Cultura

    Estabelece normas sobre a formalização das nomeações do pessoal docente não profissionalizado dos ensinos preparatório, secundário e médio.

  • Tem documento Em vigor 1979-10-04 - Lei 67/79 - Assembleia da República

    Altera, por ratificação, do Decreto-Lei n.º 342/78, de 16 de Novembro, que estabelece normas sobre a formalização das nomeações do pessoal docente não profissionalizado dos ensinos preparatório, secundário e médio.

  • Tem documento Em vigor 1979-12-29 - Decreto-Lei 519-T1/79 - Ministério da Educação

    Estabelece o regime dos contratos plurianuais, anuais e temporários dos docentes além dos quadros dos ensinos preparatório e secundário e estabelece o regime da profissionalização em exercício de docentes.

  • Tem documento Em vigor 1980-07-09 - Decreto-Lei 217/80 - Ministério da Educação e Ciência - Secretaria-Geral

    Dá nova redacção a vários artigos do Decreto-Lei n.º 519-T1/79, de 29 de Dezembro (contratos plurianuais, anuais e temporários dos docentes além dos quadros dos ensinos preparatório e secundário e profissionalização em exercício de docentes).

  • Tem documento Em vigor 1980-11-21 - Decreto-Lei 553/80 - Ministério da Educação e Ciência

    Aprova o Estatuto do Ensino Particular e Cooperativo.

  • Tem documento Em vigor 1980-12-31 - Decreto-Lei 581/80 - Ministério da Educação e Ciência

    Estabelece normas relativas à colocação de professores profissionalizados não efectivos e provisórios dos ensinos preparatório e secundário.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1980-12-31 - Decreto-Lei 581/80 - Ministério da Educação e Ciência

    Estabelece normas relativas à colocação de professores profissionalizados não efectivos e provisórios dos ensinos preparatório e secundário.

  • Tem documento Em vigor 1981-03-14 - Portaria 270/81 - Ministério da Educação e Ciência

    Institui o conselho de professores como órgão coordenador da formação dos professores das escolas particulares e cooperativas e aprova o Regulamento de Funcionamento dos Conselhos Pedagógicos e dos Conselhos de Professores das Escolas Particulares e Cooperativas dos Ensinos Preparatório e Secundário.

  • Tem documento Em vigor 1981-03-19 - Portaria 278/81 - Ministério da Educação e Ciência

    Aprova o Regulamento da Profissionalização em Exercício nas Escolas Particulares e Cooperativas dos Ensinos Preparatório e Secundário.

  • Tem documento Em vigor 1981-04-09 - Despacho Normativo 113/81 - Ministério da Educação e Ciência - Gabinete do Ministro

    Integra a Escola Preparatória de Sousel no círculo de Sousel e os círculos de Aljustrel, Castelo de Vide, Castro Verde, Odemira e Sousel na 7.ª zona, Évora.

  • Tem documento Em vigor 1981-05-15 - Decreto-Lei 113/81 - Ministério da Educação e Ciência

    Estabelece trâmites relativamente aos docentes colocados em 1 de Outubro de 1980 no regime de contrato plurianual ao abrigo do Decreto-Lei n.º 519-T1/79, de 29 de Dezembro.

  • Tem documento Em vigor 1981-06-11 - Decreto-Lei 160/81 - Ministério da Educação e Ciência

    Dá nova redacção ao artigo 23.º do Decreto-Lei n.º 769-A/76, de 23 de Outubro (gestão das escolas).

  • Tem documento Em vigor 1981-06-30 - Decreto-Lei 183/81 - Ministério da Educação e Ciência

    Estabelece disposições relativas à profissionalização em exercício a realizar nos anos lectivos de 1981-1982 e 1982-1983 para os professores do ensino particular.

  • Tem documento Em vigor 1981-08-17 - Despacho Normativo 206/81 - Ministério da Educação e Ciência - Gabinete do Ministro

    Permite que, por despacho do director-geral de Pessoal, possam ser transferidos de um grupo, subgrupo ou disciplina para outro grupo, subgrupo ou disciplina lugares postos a concurso ao abrigo do Decreto-Lei n.º 580/80, de 31 de Dezembro, desde que tenham ficado vagos.

  • Tem documento Em vigor 1981-08-28 - Despacho Normativo 226/81 - Ministério da Educação e Ciência - Gabinete do Ministro

    Aplica o disposto no artigo 38.º do Decreto-Lei n.º 580/80, de 31 de Dezembro, aos professores contratados plurianualmente que se encontrem a realizar a profissionalização em exercício e nessa situação tenham ingressado no serviço militar obrigatório.

  • Tem documento Em vigor 1981-09-07 - Portaria 766/81 - Ministério da Educação e Ciência

    Regulamenta (com carácter transitório) as actividades das equipas de apoio pedagógico.

  • Tem documento Em vigor 1981-10-19 - Despacho Normativo 297/81 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Educação e das Universidades - Gabinete do Ministro

    Fixa normas para a eventual eleição de um segundo-delegado de grupo, subgrupo ou disciplina, para efeito de melhoria de coordenação da profissionalização em exercício.

  • Tem documento Em vigor 1981-10-20 - Decreto Regulamentar Regional 13/81/M - Região Autónoma da Madeira - Governo Regional

    Estabelece o horário lectivo dos orientadores pedagógicos.

  • Tem documento Em vigor 1981-12-09 - Decreto-Lei 336/81 - Ministério da Educação e das Universidades

    Extingue a Escola Preparatória da Cidadela, Cascais.

  • Tem documento Em vigor 1981-12-22 - Decreto-Lei 348/81 - Ministério da Educação e das Universidades

    Aplica o disposto no artigo 16.º do Decreto-Lei n.º 146-C/80, de 22 de Maio, às nomeações dos educadores de infância e dos professores profissionalizados não efectivos do ensino primário, bem como à contratação plurianual de professores não efectivos dos ensinos preparatório e secundário.

  • Não tem documento Em vigor 1982-01-26 - DESPACHO NORMATIVO 6/82 - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E UNIVERSIDADES

    Publica os mapas em que se integram as escolas preparatórias e secundárias, nos círculos e zonas definidas pelo Decreto-Lei nº 580/80, de 31 de Dezembro.

  • Tem documento Em vigor 1982-01-27 - Portaria 114/82 - Ministérios das Finanças e do Plano, da Educação e das Universidades e da Reforma Administrativa

    Altera os quadros docentes dos estabelecimentos de ensino preparatório e secundário.

  • Tem documento Em vigor 1982-01-30 - Decreto-Lei 27/82 - Ministério da Educação e das Universidades

    Estabelece normas sobre contratação e foro profissional dos docentes dos ensinos preparatório e secundário (alterações ao Decreto-Lei n.º 580/80, de 31 de Dezembro).

  • Tem documento Em vigor 1982-03-09 - Decreto-Lei 78/82 - Ministérios das Finanças e do Plano, da Educação e das Universidades e da Reforma Administrativa

    Altera normas do regime dos orientadores pedagógicos.

  • Tem documento Em vigor 1982-03-25 - Decreto-Lei 94/82 - Ministério da Educação e das Universidades

    Visa garantir o acesso ao 1.º escalão das categorias de vencimentos a que se refere o artigo 8.º do Decreto-Lei n.º 513-M1/79, de 27 de Dezembro, dos professores de Trabalhos Manuais do ensino preparatório e do 12.º grupo do ensino secundário.

  • Tem documento Em vigor 1982-10-29 - Decreto-Lei 434/82 - Ministério da Educação

    Altera a redacção do artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 431-A/80, de 1 de Outubro. (Regulamenta a profissionalização em exercício dos docentes do ensino particular e cooperativo).

  • Tem documento Em vigor 1983-02-11 - Decreto Regulamentar Regional 3/83/A - Região Autónoma dos Açores - Governo Regional - Secretaria Regional da Educação e Cultura - Direcção Regional da Administração Escolar

    Extingue 1 escola preparatória e cria em sua substituição 2 escolas preparatórias na cidade de Ponta Delgada.

  • Tem documento Em vigor 1983-04-04 - Decreto-Lei 146/83 - Ministério da Educação

    Dá nova redacção à alínea b) do n.º 3 do artigo 10.º do Decreto-Lei n.º 580/80, de 31 de Dezembro (estabelece normas relativas à docência nos ensinos preparatório e secundário).

  • Tem documento Em vigor 1983-06-01 - Decreto-Lei 235-C/83 - Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Educação

    Estabelece um regime especial de colocação para os professores efectivos, profissionalizados e provisórios dos ensinos preparatório e secundário que sejam portadores de deficiências comprovadas.

  • Tem documento Em vigor 1983-10-17 - Decreto-Lei 388/83 - Ministério da Educação

    Estabelece normas tendentes a uniformizar os períodos de destacamento dos orientadores pedagógicos.

  • Tem documento Em vigor 1984-03-23 - Despacho Normativo 62/84 - Ministério da Educação

    Integra novas escolas preparatórias e secundárias nos círculos e zonas estabelecidos no Decreto-lei nº 580/80, de 31 de Dezembro.

  • Tem documento Em vigor 1984-05-26 - Despacho Normativo 108/84 - Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios das Finanças e do Plano e da Educação

    Introduz alterações ao Despacho Normativo n.º 57/83, de 23 de Fevereiro, que introduz alterações aos Despachos Normativos n.os 3/82 e 213/82 (habilitações próprias e suficientes para os ensinos preparatório e secundário).

  • Tem documento Em vigor 1984-07-02 - Decreto-Lei 211/84 - Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Educação

    Estabelece disposições quanto à situação dos professores efectivos de Trabalhos Manuais e do 12.º grupo, adjuntos e extraordinários do quadro, que concluíram a profissionalização em exercício ao abrigo do artigo 39.º do Decreto-Lei n.º 580/80, de 31 de Dezembro.

  • Tem documento Em vigor 1984-12-03 - Portaria 879/84 - Ministério da Educação

    Estabelece novas regras de funcionamento e define a articulação dos vários órgãos das equipas de apoio pedagógico.

  • Tem documento Em vigor 1985-05-08 - Decreto-Lei 150-A/85 - Ministério da Educação

    Altera o processo de profissionalização dos professores.

  • Tem documento Em vigor 1985-07-08 - Despacho Normativo 54/85 - Ministério da Educação

    Esclarece a situação dos professores de Trabalhos Manuais do ensino preparatório e do 12.º grupo do ensino secundário relativamente à sua profissionalização.

  • Tem documento Em vigor 1985-10-02 - Portaria 750/85 - Ministério da Educação

    Dá cumprimento ao n.º 2 do artigo 9.º do Decreto-Lei n.º 150-A/85, de 8 de Maio, que altera o processo de profissionalização dos professores.

  • Tem documento Em vigor 1986-04-11 - Despacho Normativo 28/86 - Ministério da Educação e Cultura

    Define a situação dos docentes efectivos de Trabalhos Manuais e do 12.º grupo que se encontrem a realizar o 2.º ano de profissionalização em exercício.

  • Tem documento Em vigor 1986-04-15 - Lei 8/86 - Assembleia da República

    Altera o Decreto-Lei n.º 150-A/85, de de 8 de Maio (processo de profissionalização de professores).Republicado em anexo, com as alterações ora introduzidas.

  • Tem documento Em vigor 2019-04-15 - Decreto-Lei 49/2019 - Presidência do Conselho de Ministros

    Determina a cessação de vigência de decretos-leis publicados entre os anos de 1981 e 1985

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda