Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 107/82, de 8 de Abril

Partilhar:

Sumário

Cria, na dependência da Direcção dos Serviços Médico-Pedagógicos, do Instituto de Acção Social Escolar, os Centros de Medicina Pedagógica de Lisboa, Coimbra e Porto.

Texto do documento

Decreto-Lei 107/82
de 8 de Abril
As preocupações do Governo em matéria de saúde escolar ganharam particular intensidade a partir dos trabalhos realizados nesse domínio pelo Prof. Serras e Silva, em 1933-1934, e da integração desses problemas no âmbito da competência da Direcção-Geral de Educação Física, Desportos e Saúde Escolar.

Com a posterior extinção daquela Direcção-Geral, os problemas da saúde escolar transitaram para a dependência do Instituto de Acção Social Escolar pelo Decreto-Lei 107/72, de 30 de Março.

Para o desempenho das atribuições que lhe foram conferidas pelo referido diploma, o Decreto-Lei 223/73, de 11 de Maio, que aprovou a estrutura e as condições de funcionamento do Instituto, criou nesse organismo a Direcção dos Serviços Médico-Pedagógicos, especialmente incumbida de:

a) Contribuir para assegurar as actividades de saúde escolar nos estabelecimentos de ensino;

b) Definir, em colaboração com os serviços docentes, as condições médico-pedagógicas dos alunos, participando nas actividades de observação e orientação educativa.

O artigo 13.º, n.º 2, desse diploma estabeleceu, por outro lado, que o regulamento dos Serviços Médico-Pedagógicos seria aprovado por portaria do Ministro.

Tal veio a acontecer, efectivamente, pela Portaria 29/75, de 17 de Janeiro, que determinou a criação e entrada em funcionamento de centros de medicina pedagógica com sede em cada região de planeamento e de unidades de apoio médico-pedagógico com sede em cada uma das capitais de distrito, sem, no entanto, os dotar de quaisquer meios humanos indispensáveis ao seu funcionamento.

A transição da Direcção dos Serviços Médico-Pedagógicos para a Direcção-Geral de Apoio Médico, criada pelo Decreto-Lei 257/77, de 18 de Junho, e o seu posterior regresso ao Instituto de Acção Social Escolar, por virtude da colocação daquela Direcção-Geral no Ministério da Qualidade de Vida, a que se refere o Decreto-Lei 124/81, de 25 de Maio, provocaram alguns atrasos no lançamento e implementação dos centros previstos naquela portaria.

Daí que apenas se encontre, neste momento, em pleno funcionamento o Centro de Medicina Pedagógica de Lisboa e que estejam numa fase menos avançada de organização os de Coimbra e do Porto.

Os referidos Centros não tiveram até hoje, mesmo assim, estruturação adequada, encontrando-se a funcionar, quase exclusivamente, com pessoal admitido em regime de prestação eventual de serviço. Com efeito, das 323 unidades em serviço nos Centros, 212 encontram-se ainda sem vínculo legal à função pública.

Tornando-se, por isso, necessário proceder à rápida definição da estrutura dos centros - sem a qual não será possível ao Ministério da Educação e das Universidades intervir cabalmente num domínio que terá de constituir uma das preocupações fundamentais da sua acção -, o que se julga poder ser conseguido mais facilmente através da colocação das unidades orgânicas existentes em regime de instalação;

Convindo assegurar condições de estabilidade de emprego ao pessoal envolvido na realização das tarefas da saúde escolar:

O Governo decreta, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o seguinte:

Artigo 1.º São criados, na dependência da Direcção dos Serviços Médico-Pedagógicos, do Instituto de Acção Social Escolar, os Centros de Medicina Pedagógica de Lisboa, Coimbra e Porto, adiante designados abreviadamente por Centros.

Art. 2.º - 1 - Os Centros integram, respectivamente, os centros de medicina pedagógica e as unidades de apoio médico-pedagógico, referidos na alínea a) do n.º 1 do artigo 2.º do Decreto-Lei 124/81, de 25 de Maio.

2 - Os Centros sucedem, para todos os efeitos legais, aos serviços neles integrados.

Art. 3.º Para efeitos do presente diploma compete, nomeadamente, ao Instituto de Acção Social Escolar:

a) Definir as linhas gerais de orientação e funcionamento dos Centros;
b) Aprovar os planos de trabalho apresentados pelas comissões instaladoras;
c) Coordenar a acção dos Centros;
d) Estabelecer regras no domínio da verificação de contas a exercer sobre os Centros.

Art. 4.º - 1 - Os Centros são colocados em regime de instalação, o qual obedecerá às normas fixadas no presente diploma.

2 - Durante o período de instalação, os Centros gozam de autonomia administrativa.

3 - O período de instalação terá a duração de 1 ano, podendo ser prorrogado por mais 1 ano, mediante despacho conjunto do Ministro de Estado e das Finanças e do Plano e do Ministro da Educação e das Universidades.

Art. 5.º - 1 - São instituídas comissões instaladoras por cada Centro, que exercerão o seu mandato durante o período referido no artigo anterior.

2 - As comissões instaladoras serão constituídas por 1 presidente e 2 vogais, nomeados por despacho do Ministro da Educação e das Universidades de entre individualidades de reconhecida competência.

3 - Os membros das comissões instaladoras têm direito à gratificação fixada para os membros de idênticas comissões dos estabelecimentos de ensino superior não universitário.

Art. 6.º Compete à comissão instaladora:
a) Dirigir, orientar e coordenar as actividades e funcionamento do respectivo Centro, assegurando a sua gestão administrativa e patrimonial;

b) Elaborar e propor os planos de trabalho para cada ano;
c) Proceder à aquisição de equipamento e mobiliário;
d) Propor a admissão de pessoal, bem como a respectiva movimentação;
e) Promover a aquisição ou o arrendamento de imóveis necessários;
f) Propor planos de formação do respectivo pessoal;
g) Realizar os estudos e tomar as medidas necessárias à adopção de princípios racionais de gestão;

h) Apresentar, até ao termo do seu mandato, o projecto de diploma de estruturação dos Centros e dos respectivos quadros de pessoal;

i) Zelar pela observância das normas legais e regulamentares aplicáveis;
j) Submeter ao presidente do Instituto de Acção Social Escolar todas as questões que careçam de resolução superior e nomeadamente as relativas às matérias constantes das alíneas c), d) e e) do presente artigo.

Art. 7.º Durante o período de instalação, as despesas com o funcionamento dos Centros serão satisfeitas por dotações do Instituto de Acção Social Escolar.

Art. 8.º Todas as receitas darão entrada na Caixa Geral de Depósitos em conta especial.

Art. 9.º - 1 - O pessoal que vem desempenhando funções nos serviços referidos no n.º 1 do artigo 2.º do presente diploma e o que for admitido durante o período de instalação será contratado nos termos do Decreto-Lei 129/72, de 27 de Abril.

2 - As admissões a efectuar durante o período de instalação far-se-ão com observância das disposições legais sobre recrutamento e provimento em cargos públicos e de acordo com o disposto no Decreto-Lei 140/81, de 30 de Maio.

3 - No caso de as admissões recaírem em funcionários de nomeação definitiva, estes manterão, enquanto o seu provimento não se tornar definitivo, todos os direitos inerentes ao lugar de origem, o qual poderá, entretanto, ser preenchido interinamente.

4 - Para o exercício de funções de carácter técnico, nomeadamente funções médicas, de enfermagem e de diagnóstico e terapêutica, poderá ainda ser admitido pessoal em regime de tempo parcial ou de acumulação, de acordo com as disposições legais em vigor.

Art. 10.º - 1 - A estrutura e as atribuições dos Centros criados pelo presente diploma, bem como os respectivos quadros de pessoal, serão fixadas em decreto do Ministro de Estado e das Finanças e do Plano e dos Ministros da Educação e das Universidades e da Reforma Administrativa, que deverá ser publicado até ao termo do período fixado para o regime de instalação.

2 - O pessoal que desempenhar funções a tempo completo naqueles Centros e o que for admitido em idêntico regime durante o período de instalação que se encontre em exercício à data da publicação do diploma referido no número anterior será provido nos lugares dos quadros, nos termos a fixar no mesmo diploma.

Art. 11.º As dúvidas resultantes da aplicação do presente diploma serão resolvidas por despacho do Ministro da Educação e das Universidades ou por despacho do Ministro de Estado e das Finanças e do Plano e dos Ministros da Educação e das Universidades e da Reforma Administrativa, consoante a sua natureza.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 5 de Março de 1982. - Francisco José Pereira Pinto Balsemão.

Promulgado em 25 de Março de 1982.
Publique-se.
O Presidente da República, ANTÓNIO RAMALHO EANES.

Anexos

  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/50799.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1972-04-27 - Decreto-Lei 129/72 - Ministérios das Finanças e da Educação Nacional

    Dispõe sobre o provimento de lugares nos vários serviços e organismos centrais do Ministério da Educação Nacional.

  • Tem documento Em vigor 1973-05-11 - Decreto-Lei 223/73 - Ministério da Educação Nacional - Gabinete do Ministro

    Reorganiza o Instituto de Acção Social Escolar.

  • Tem documento Em vigor 1975-01-17 - Portaria 29/75 - Ministério da Educação e Cultura

    Aprova o Regulamento dos Serviços Médico-Pedagógicos.

  • Tem documento Em vigor 1977-06-18 - Decreto-Lei 257/77 - Ministério da Educação e Investigação Científica

    Cria a Direcção-Geral de Apoio Médico, no Ministério da Educação e Investigação Cientifica, e estabelece a suas atribuições e organização. Extingue a Direcção de Serviços Médico-Pedagógicos, a que se refere a alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º do Decreto-Lei n.º 223/73, de 11 de Maio, e a Inspecção Superior de Medicina Desportiva, a que se refere a alínea c) do artigo 5.º do Decreto-Lei n.º 82/73, de 3 de Março.

  • Tem documento Em vigor 1981-05-25 - Decreto-Lei 124/81 - Ministérios da Educação e Ciência e da Qualidade de Vida

    Distribui as competências da Direcção-Geral de Apoio Médico pela esfera dos Ministérios da Educação e Ciência e da Qualidade de Vida.

  • Tem documento Em vigor 1981-05-30 - Decreto-Lei 140/81 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Reforma Administrativa

    Limita a apresentação de novas leis orgânicas e estabelece limites mais rigorosos para a revisão das já publicadas. Estabelece várias medidas relativas à admissão de pessoal na função pública.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1983-06-29 - Portaria 739/83 - Ministério da Educação

    Reestrutura o Instituto de Acção Social Escolar e a Direcção-Geral de Pessoal.

  • Tem documento Em vigor 1985-05-08 - Decreto-Lei 147/85 - Ministério da Educação

    Prorroga até 30 de Junho de 1985 o regime de instalação dos centros de medicina pedagógica criados pelo Decreto n.º 107/82, de 8 Abril.

  • Tem documento Em vigor 1986-05-21 - Decreto-Lei 107/86 - Ministério da Educação e Cultura

    Reestrutura os Centros de Medicina Pedagógica de Lisboa, Porto e Coimbra (CMP).

  • Tem documento Em vigor 1986-07-01 - Decreto-Lei 175/86 - Ministério da Educação e Cultura

    Prorroga, com efeitos desde 1 de Julho de 1985, o regime de instalação dos centros de medicina pedagógica, criados pelo Decreto-Lei n.º 107/82, de 8 de Abril.

  • Tem documento Em vigor 2001-07-28 - Decreto-Lei 210/2001 - Ministério da Saúde

    Procede à integração do pessoal médico e de enfermagem dos ex-Centros de Medicina Pedagógica do Ministério da Educação, pertencentes actualmente ao quadro transitório anexo ao Decreto-Lei nº 141/93 de 26 de Abril, nos quadros de pessoal das Administrações Regionais de Saúde do Norte, do Centro e de Lisboa e Vale do Tejo, constantes da Portaria nº 772-B/96 de 31 de Dezembro.

  • Tem documento Em vigor 2019-04-15 - Decreto-Lei 49/2019 - Presidência do Conselho de Ministros

    Determina a cessação de vigência de decretos-leis publicados entre os anos de 1981 e 1985

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda