Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 54/84, de 15 de Fevereiro

Partilhar:

Sumário

Estabelece normas relativas à circulação de gado no continente.

Texto do documento

Decreto-Lei 54/84

de 15 de Fevereiro

O trânsito ilegal de gado pelo País, em especial de bovinos, determinou a necessidade de publicar o Decreto-Lei 58/81, de 1 de Abril, com a finalidade de contrariar aquele procedimento, que tanto vem afectando os criadores de gado e tão perniciosos reflexos tem tido nos sectores económico e sanitário, pondo inclusive em risco a saúde pública.

Não obstante a evidência desse facto, chegou-se à conclusão de que as medidas previstas naquele diploma se mostraram insuficientes, continuando esse trânsito a ter grande e preocupante expressão.

Por este motivo, impõe-se proceder à revisão do citado diploma, tendo em conta as disposições do Decreto-Lei 187/83, de 13 de Maio, respeitante à criminalidade aduaneira.

Assim:

O Governo decreta, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o seguinte:

Artigo 1.º - 1 - A circulação de gado no continente só é permitida em obediência ao preceituado no presente diploma e no seu regulamento.

2 - O gado em circulação deve ser acompanhado de:

a) Guia de trânsito ou guia sanitária de trânsito, de modelo apropriado ao fim a que os animais se destinam;

b) Cartão de identificação animal, sempre que tal seja exigido, ou, quando o não seja, cartão de criador;

c) Documento ou documentos comprovativos de ter sido submetido às intervenções de natureza profiláctica e sanitária oficialmente exigidas ou boletim sanitário, quando exista;

d) Sempre que o interessado seja comerciante do ramo, conhecimento de onde constem quantidades, espécies e valores correspondentes aos animais em trânsito para abate, com referência ao cartão de identificação mencionado no número seguinte.

3 - O comerciante responsável pela circulação do gado identificar-se-á através do respectivo cartão de identificação emitido pelo Registo Nacional de Pessoas Colectivas.

4 - Sem prejuízo do disposto nos números anteriores, o gado importado carece ainda, na sua deslocação até ao local de destino, de documento comprovativo de desembaraço aduaneiro e do impresso próprio a que se referem a alínea a) do § 4.º do artigo 691.º e o § 2.º do artigo 245.º do Regulamento das Alfândegas, aprovado pelo Decreto 31730, de 15 de Dezembro de 1941, com as alterações que lhes foram introduzidas pelos Decretos-Leis n.os 38616, de 28 de Janeiro de 1952, e 42923, de 14 de Abril de 1960.

5 - A circulação de equinos, quando efectuada com documentação de identificação de equinos emitida pela Direcção-Geral da Pecuária, não está sujeita ao disposto nas alíneas a) e c) do n.º 2, salvo quanto a exigências excepcionais de carácter sanitário.

6 - O disposto nos números anteriores não se aplica em caso de circulação para salas colectivas de ordenha mecânica nem no local de produção, considerado este como a exploração constituída por prédios agrícolas ou instalações em que os mesmos animais são habitualmente recolhidos, apascentados, cuidados e ordenhados.

Art. 2.º Independentemente do preceituado no artigo 1.º, o gado que circule na zona fiscal da fronteira terrestre definida no artigo 694.º do Regulamento das Alfândegas, aprovado pelo Decreto 31730, de 15 de Dezembro de 1941, ou que nela permaneça em regime de pastoreio ou de estabulação, está sujeito à guia de circulação prevista nesse artigo.

Art. 3.º A passagem das guias de trânsito e sanitárias de trânsito compete às direcções regionais de agricultura da área de procedência dos animais, obedecendo ao estabelecido no regulamento a que se refere o n.º 1 do artigo 1.º Art. 4.º Quando a passagem de guias sanitárias de trânsito tenha de ser cometida a médicos veterinários em regime exclusivo de actividade liberal e houver lugar a despesas, serão estas suportadas pela entidade solicitante.

Art. 5.º - 1 - No prazo de 180 dias a partir do início da vigência deste diploma, o Governo publicará legislação sobre a entrada e circulação do gado oriundo dos Açores.

2 - Entretanto, a circulação do gado a que se refere o número anterior, até ao destino, far-se-á mediante a guia sanitária de trânsito em vigor, com observância dos requisitos de identificação e das medidas de política sanitária exigidas para a sua deslocação.

Art. 6.º - 1 - O gado que circule com inobservância do disposto no presente diploma e no seu regulamento, e bem assim os respectivos meios de transporte, caso existam, serão apreendidos de acordo com o disposto nos artigos 28.º e 29.º do Decreto-Lei 187/83, de 13 de Maio, lavrando-se auto de notícia.

2 - Após a apreensão e elaboração do termo de depósito - do qual deverão constar, além do mais, as quantidades, espécies e presumíveis valores unitários e totais do apreendido -, os animais serão conduzidos para abate ao matadouro que for indicado pela entidade apreensora, devendo o seu recebimento ser comprovado mediante declaração exarada no verso do duplicado do termo de depósito.

3 - A entidade apreensora enviará à Comissão Coordenadora das Acções de Combate ao Contrabando de Gado/Carne, para eventual procedimento disciplinar ou indagação no âmbito da sua competência, cópia dos documentos remetidos ao ministério público.

4 - O ministério público promoverá a remessa à Comissão referida no número anterior de certidão da decisão final proferida no processo.

5 - A Comissão Coordenadora das Acções de Combate ao Contrabando de Gado/Carne dará conhecimento à alta autoridade a que se refere o Decreto-Lei 369/83, de 6 de Outubro, dos processos em que sejam detectados indícios de corrupção.

Art. 7.º - 1 - O gado entregue no matadouro ficará à responsabilidade da Junta Nacional dos Produtos Pecuários, que promoverá o seu abate imediato.

2 - A Junta Nacional dos Produtos Pecuários depositará na Caixa Geral de Depositos, à ordem do processo judicial respectivo, o valor do gado abatido, ao preço da tabela em vigor estabelecida pela mesma Junta, deduzidos os descontos legais e outras despesas que hajam sido efectuadas até ao momento do abate.

3 - Se as reses forem reprovadas para o consumo público, a Junta Nacional dos Produtos Pecuários promoverá o aproveitamento adequado e a comercialização das carcaças, subprodutos e despojos, depositando o seu valor na Caixa Geral de Depositos, à ordem do processo respectivo, deduzidas as despesas efectuadas.

Art. 8.º A fiscalização do cumprimento deste diploma incumbe à Direcção-Geral das Alfândegas, à Direcção-Geral de Fiscalização Económica, à Guarda Fiscal, à Guarda Nacional Republicana, à Polícia Marítima, à Polícia Judiciária, à Polícia de Segurança Pública, à Direcção-Geral da Pecuária e às direcções regionais de agricultura, no âmbito das suas competências.

Art. 9.º A impressão das guias a que se refere o presente diploma e a sua distribuição competem à Direcção-Geral da Pecuária.

Art. 10.º - 1 - Pela passagem de cada guia será cobrada uma importância a fixar por despacho conjunto dos Ministros das Finanças e do Plano e da Agricultura, Florestas e Alimentação, sob proposta da Direcção-Geral da Pecuária, ouvidas as direcções regionais de agricultura.

2 - As importâncias cobradas nos termos do número anterior serão depositadas nos cofres do Estado, à ordem da respectiva direcção regional.

Art. 11.º O regulamento a que alude o n.º 1 do artigo 1.º será objecto de decreto regulamentar.

Art. 12.º É revogado o Decreto-Lei 58/81, de 1 de Abril.

Art. 13.º O presente diploma entra em vigor no dia imediato ao da sua publicação.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 29 de Dezembro de 1983. - Mário Soares - Carlos Alberto da Mota Pinto - Eduardo Ribeiro Pereira - Rui Manuel Parente Chancerelle de Machete - Ernâni Rodrigues Lopes - Manuel José Dias Soares Costa - Álvaro Roque de Pinho Bissaia Barreto.

Promulgado em 1 de Fevereiro de 1984.

Publique-se.

O Presidente da República, ANTÓNIO RAMALHO EANES.

Referendado em 2 de Fevereiro de 1984.

O Primeiro-Ministro, Mário Soares.

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1984/02/15/plain-110.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/110.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1941-12-15 - Decreto 31730 - Ministério das Finanças - Gabinete do Ministro

    APROVA O REGULAMENTO DAS ALFÂNDEGAS. O REGULAMENTO COMECA A VIGORAR NO DIA 1 DE JANEIRO DE 1942.

  • Tem documento Em vigor 1981-04-01 - Decreto-Lei 58/81 - Ministérios da Justiça e da Agricultura e Pescas

    Estabelece medidas relativas ao trânsito ilegal de gado.

  • Tem documento Em vigor 1983-05-13 - Decreto-Lei 187/83 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Justiça

    Define as infracções de contrabando e descaminho, estabelece as correspondentes sanções e define regras sobre o seu julgamento.

  • Tem documento Em vigor 1983-10-06 - Decreto-Lei 369/83 - Presidência do Conselho de Ministros e Ministério da Justiça

    Institui uma alta autoridade encarregada de actos de prevenção, apuramento e participação às entidades competentes, para a investigação ou a acção criminal, de actos de corrupção e outras fraudes, agindo por iniciativa própria ou a partir de indícios fundamentados que cheguem ao seu conhecimento.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1984-02-15 - Decreto Regulamentar 8/84 - Ministério da Agricultura, Florestas e Alimentação

    Aprova o Regulamento de Circulação de Gado no Continente.

  • Tem documento Em vigor 1984-02-18 - Portaria 109/84 - Ministério da Agricultura, Florestas e Alimentação

    Aprova o Regulamento do Seguro de Reses.

  • Tem documento Em vigor 1985-04-04 - Decreto-Lei 97/85 - Ministério da Justiça

    Transfere para o Ministério da Justiça a tutela da Comissão para o Combate ao Contrabando de Gado/Carne.

  • Tem documento Em vigor 1990-09-20 - Decreto-Lei 290/90 - Ministério da Justiça

    Estabelece o regime jurídico da circulação de gado, carne e produtos cárneos no continente.

  • Tem documento Em vigor 1996-12-20 - Decreto-Lei 245/96 - Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    Aprova o regime jurídico aplicável à circulação de gado, carne e produtos cárneos no território nacional. Estabelece o regime sancionatório do incumprimento do disposto neste diploma, cuja fiscalização compete, no que se refere ao gado, à Direcção Geral das Alfândegas, à Guarda Nacional Republicana, à Inspecção-Geral das Actividades Económicas, à Direcção-Geral de Veterinária e aos Serviços Regionais de Agricultura e, no que se refere á carne e produtos cárneos, à Direcção-Geral de Fiscalização e Controlo d (...)

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda