Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 98/87, de 5 de Março

Partilhar:

Sumário

Dá nova redacção ao artigo 1.º, ao n.º 3 do artigo 3.º e aos n.os 2, 4 e 5 do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 229/86, de 14 de Agosto (estabelece as normas básicas da nova estrutura orgânica do Ministério das Finanças).

Texto do documento

Decreto-Lei 98/87

de 5 de Março

A experiência adquirida aconselha à criação, no âmbito do Ministério das Finanças, de um órgão próprio de assessoria para análise do financiamento do Estado e das empresas públicas.

Por outro lado, verifica-se a necessidade de reajustar o Decreto-Lei 229/86, de 14 de Agosto, no sentido de reenquadrar organicamente algumas entidades, conferir desde já operacionalidade à recém-criada Direcção-Geral da Administração Pública e fazer abarcar pela letra da lei situações que a ele escaparam, contrariando a real intenção do legislador.

Assim:

O Governo decreta, nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o seguinte:

Artigo 1.º O artigo 1.º, o n.º 3 do artigo 3.º e os n.os 2, 4 e 5 do artigo 6.º do Decreto-Lei 229/86, de 14 de Agosto, passam a ter a seguinte redacção:

Artigo 1.º

Orgânica do Ministério das Finanças

1 - O Ministério das Finanças compreende os seguintes organismos e serviços:

a) Secretaria-Geral;

b) Inspecção-Geral de Finanças;

c) Intendência-Geral do Orçamento;

d) Direcção-Geral da Contabilidade Pública;

e) Direcção-Geral das Alfândegas;

f) Guarda Fiscal;

g) Direcção-Geral das Contribuições e Impostos;

h) Direcção-Geral do Tesouro;

i) Direcção-Geral do Património do Estado;

j) Direcção-Geral do Tribunal de Contas;

k) Junta do Crédito Público;

l) Direcção-Geral da Junta do Crédito Público;

m) Direcção-Geral de Protecção Social aos Funcionários e Agentes da Administração Pública (ADSE);

n) Direcção-Geral da Administração Pública;

o) Auditoria Jurídica;

p) Gabinete para os Assuntos Europeus;

q) Gabinete de Estudos Económicos;

r) Instituto Geográfico e Cadastral;

s) Instituto de Informática;

t) Serviços Sociais e Comissão Interministerial de Acção Social;

u) Gabinete para a Análise do Financiamento do Estado e das Empresas Públicas.

2 - O Ministério das Finanças assegurará as tutelas das seguintes entidades:

a) Imprensa Nacional-Casa da Moeda, E. P.;

b) Caixa Geral de Aposentações e Montepio dos Servidores do Estado;

c) Investimentos e Participações do Estado, S. A. R. L.;

d) Instituto do Investimento Estrangeiro;

e) Instituto de Seguros de Portugal e outros organismos do sector público segurador;

f) Comissão Nacional de Garantia de Créditos;

g) Bolsas de valores;

h) Sistema bancário e parabancário;

i) Instituto Financeiro de Apoio ao Desenvolvimento da Agricultura e Pescas (IFADAP), conjuntamente com o Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação;

j) Instituto Nacional de Garantia Agrícola (INGA), conjuntamente com o Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação;

k) Instituto para a Cooperação Económica, conjuntamente com o Ministério dos Negócios Estrangeiros;

l) Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas Industriais (IAPMEI), conjuntamente com o Ministério da Indústria e Comércio;

m) Fundação Ricardo Espírito Santo Silva, conjuntamente com o Ministério da Educação e Cultura;

n) Instituto Português de Santo António, em Roma, conjuntamente com o Ministério dos Negócios Estrangeiros;

o) Instituto Ultramarino, conjuntamente com o Ministério do Trabalho e Segurança Social.

Artigo 3.º

Secretaria-Geral e Auditoria Jurídica

1 - ...........................................................................

2 - ...........................................................................

3 - A Auditoria Jurídica do anterior Ministério das Finanças e do Plano passa a denominar-se Auditoria Jurídica do Ministério das Finanças, mantendo a orgânica prevista no Decreto-Lei 162/80, de 28 de Maio, e o quadro de pessoal actualmente em vigor.

Artigo 6.º

Pessoal dos organismos e serviços extintos

1 - ...........................................................................

2 - O pessoal que se encontra a prestar serviço nos organismos e serviços extintos ou no quadro único a que se refere o número anterior, em regime de comissão de serviço, requisição ou destacamento, salvo nos casos resultantes de concurso em lugares de ingresso ou acesso, regressa às suas situações nos organismos e serviços de origem.

3 - ...........................................................................

4 - O pessoal do quadro dos organismos e serviços extintos e do quadro único da ex-Secretaria de Estado da Administração Pública, bem como o que se encontra em regime de estágio em resultado de concurso que for julgado indispensável, é integrado, na mesma situação funcional em que se encontra, no quadro dos organismos e serviços para onde são transferidas as atribuições e competências a que se refere o n.º 2 do presente artigo.

5 - O restante pessoal dos quadros dos organismos e serviços extintos e do quadro único da ex-Secretaria de Estado da Administração Pública, bem como os agentes que, prestando serviço em regime de subordinação hierárquica, exerçam funções que satisfaçam necessidades permanentes dos serviços com carácter de continuidade, transitam para o quadro de efectivos interdepartamentais (QEI), criado junto da Secretaria-Geral do Ministério das Finanças, nos termos do Decreto-Lei 87/85, de 1 de Abril, o qual passa a funcionar junto da Direcção-Geral da Administração Pública.

Art. 2.º A Direcção-Geral da Administração Pública gozará de autonomia administrativa e será gerida por um director-geral, coadjuvado por dois subdirectores-gerais, lugares que são desde já criados.

Art. 3.º A estrutura orgânica, atribuições e competências do Gabinete para a Análise do Financiamento do Estado e das Empresas Públicas será definida em diploma próprio.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 15 de Janeiro de 1987. - Aníbal António Cavaco Silva - Miguel José Ribeiro Cadilhe.

Promulgado em 14 de Fevereiro de 1987.

Publique-se.

O Presidente da República, MÁRIO SOARES.

Referendado em 18 de Fevereiro de 1987.

O Primeiro-Ministro, Aníbal António Cavaco Silva.

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1987/03/05/plain-4975.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/4975.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1985-04-01 - Decreto-Lei 87/85 - Presidência do Conselho de Ministros

    Para os efeitos previstos no nº 1 do artigo 6º do Decreto Lei nº 43/84, de 3 de Fevereiro, consideram-se criados quadros de efectivos interdepartamentais (QEI) em todos os departamentos ministeriais com excepção daqueles onde, por legislação própria, já hajam sido constituídos.

  • Tem documento Em vigor 1986-08-14 - Decreto-Lei 229/86 - Ministério das Finanças

    Estabelece as normas básicas da nova estrutura orgânica do Ministério das Finanças.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Não tem documento Em vigor 1987-05-30 - DECLARAÇÃO DD3052 - PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

    Rectifica o Decreto-Lei 98/87, de 5 de Março - altera a estrutura orgânica do Ministério das Finanças.

  • Tem documento Em vigor 1987-08-29 - Portaria 741/87 - Ministério das Finanças

    Considera afecto à Direcção-Geral da Administração Pública o pessoal da ex-Secretaria de Estado da Administração Pública (ex-SEAP) até que seja definida legalmente a solução orgânica mais adequada para as oficinas gráficas do extinto Centro de Informação Científica e Técnica da Reforma Administrativa (CICTRA). Alarga a técnicos superiores principais a área de recrutamento para o provimento do cargo de director de serviços, referido no mapa I anexo da Portaria nº 603/87 de 15 de Julho.

  • Tem documento Em vigor 1987-09-02 - Portaria 753/87 - Ministério das Finanças

    Altera o quadro de pessoal do Instituto de Informática.

  • Tem documento Em vigor 1996-09-03 - Decreto-Lei 158/96 - Ministério das Finanças

    Aprova a lei orgânica do Ministério das Finanças.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda