Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 186/91, de 17 de Maio

Partilhar:

Sumário

Estabelece regras prudenciais relacionadas com a participação das instituições de crédito noutras empresas e com o «rácio do imobilizado».

Texto do documento

Decreto-Lei 186/91

de 17 de Maio

Os limites fixados na lei à detenção de partes de capital de outras empresas por parte de instituições de crédito, bem como o chamado «rácio do imobilizado», encontram-se claramente desajustados às necessidades e circunstâncias actuais.

O presente diploma comporta uma redefinição das normas prudenciais em apreço, tendo em conta, nomeadamente, as regras recentemente publicadas sobre o conceito de «fundos próprios» das instituições sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, sobre a fiscalização e controlo dos «grandes riscos» das instituições de crédito e, ainda, sobre os limites às operações de tomada firme de títulos e à subscrição indirecta de acções.

Aproveita-se o ensejo para modificar a redacção do artigo 1.º do Decreto-Lei 318/89, de 23 de Setembro, tendo em vista adequar essa norma às exigências da supervisão prudencial das instituições financeiras.

Assim:

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Artigo 1.º Para efeitos do presente diploma são considerados:

a) Participação - a detenção de uma fracção do capital social de qualquer sociedade;

b) Participação qualificada - a detenção, numa empresa, de forma directa ou indirecta, de pelo menos 10% do capital ou dos direitos de voto ou que faculte a possibilidade de exercer uma influência significativa na gestão da empresa participada;

c) Empresas não financeiras - todas as empresas não sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, ou à supervisão de entidades homólogas deste, no caso de empresas estrangeiras, e que não sejam companhias de seguros ou sociedades gestoras de fundos de pensões;

d) Fundos próprios - os elementos definidos pelo Banco de Portugal, ao abrigo do artigo 2.º do Decreto-Lei 318/89, de 23 de Setembro.

Art. 2.º - 1 - Só mediante autorização do Ministro das Finanças, precedida de parecer favorável do Banco de Portugal, as instituições de crédito podem:

a) Ultrapassar o limite de 15% dos seus fundos próprios nas aplicações em valores representativos dos fundos próprios de qualquer outra empresa;

b) Deter em empresas não financeiras participações que, directa ou indirectamente, lhes assegurem mais de 25% dos direitos de voto atribuídos pelo capital social da empresa participada.

2 - A autorização prevista na alínea b) do número anterior não prejudica o disposto na alínea a) do mesmo número e tem de ser fundamentada em razões de interesse geral subjacente à participação, em função da actividade ou da situação da participada.

Art. 3.º O montante total das participações qualificadas em empresas não financeiras detidas por uma instituição de crédito não pode ultrapassar 60% dos seus fundos próprios.

Art. 4.º Salvo autorização expressa do Banco de Portugal, as instituições de crédito não podem adquirir imóveis que não sejam indispensáveis à sua instalação e funcionamento, excepto em reembolso de crédito próprio.

Art. 5.º - 1 - O valor líquido do activo imobilizado de uma instituição de crédito não pode ultrapassar o montante dos respectivos fundos próprios.

2 - O montante total dos valores representativos dos fundos próprios de quaisquer empresas detidos por uma instituição de crédito e não abrangidos pelo número anterior não pode ultrapassar 40% dos fundos próprios da instituição que os detiver.

3 - Para cumprimento do disposto no n.º 1 não são considerados os imóveis recebidos pela instituição em reembolso de crédito próprio e que não estejam afectos à sua actividade, nem os elementos que, por força das normas aplicáveis, são deduzidas para efeitos do cálculo dos fundos próprios das instituições de crédito.

Art. 6.º As instituições de crédito devem proceder à amortização das suas instalações e respectivo equipamento na proporção do seu desgaste e às despesas de instalação, de trespasse e outras de natureza similar até ao final do terceiro exercício posterior ao da sua realização.

Art. 7.º - 1 - Nos casos em que a ultrapassagem dos limites previstos neste diploma resulte da aquisição de imóveis que não estejam afectos à sua actividade ou de outros valores, em reembolso de crédito próprio, as situações de incumprimento devem ser regularizadas no prazo de dois anos a contar da data da sua verificação. 2 - As situações de desconformidade com o disposto no presente diploma, verificadas à data da sua entrada em vigor, devem ser regularizadas no prazo de dois anos a contar dessa data.

Art. 8.º O artigo 1.º do Decreto-Lei 318/89, de 23 de Setembro, passa a ter a seguinte redacção:

Artigo 1.º Compete ao Banco de Portugal, relativamente a todas as instituições sujeitas à sua supervisão, definir a relação e os limites prudenciais seguintes:

a) .....................................................................................................................

b) .....................................................................................................................

c) .....................................................................................................................

d) .....................................................................................................................

e) Limites mínimos para as provisões destinadas à cobertura de riscos de crédito ou de quaisquer outros riscos e encargos;

f) Relação entre os fundos próprios e o total do activo e das contas extrapatrimoniais, ponderados ou não por coeficientes de risco.

Art. 9.º São revogados:

a) O artigo 38.º do Decreto-Lei 41403, de 27 de Novembro de 1957;

b) Os artigos 67.º, 69.º e 70.º do Decreto-Lei 42641, de 12 de Novembro de 1959;

c) O artigo 2.º do Decreto-Lei 204/76, de 20 de Março;

d) Os n.os 1, 3 e 4 do n.º 2.º e os n.os 4.º e 5.º do aviso 6/86, de 2 de Maio.

Art. 10.º O presente decreto-lei entra em vigor 30 dias após a data da sua publicação.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 7 de Março de 1991. - Aníbal António Cavaco Silva - Luís Miguel Couceiro Pizarro Beleza.

Promulgado em 24 de Abril de 1991.

Publique-se.

O Presidente da República, MÁRIO SOARES.

Referendado em 29 de Abril de 1991.

O Primeiro-Ministro, Aníbal António Cavaco Silva.

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1991/05/17/plain-25874.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/25874.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1957-11-27 - Decreto-Lei 41403 - Ministério das Finanças - Gabinete do Ministro

    Regula o exercício das funções de crédito na metrópole e a prática dos demais actos inerentes a actividade bancária.

  • Tem documento Em vigor 1959-11-12 - Decreto-Lei 42641 - Ministério das Finanças

    Promulga disposições destinadas a completar a execução do Decreto-Lei n.º 41403, de 12 de Novembro de 1959, que reorganizou o sistema do crédito e a sua estrutura bancária.

  • Tem documento Em vigor 1976-03-20 - Decreto-Lei 204/76 - Ministério das Finanças - Secretaria de Estado do Tesouro

    Dá nova redacção ao artigo 65.º do Decreto-Lei n.º 42641, de 12 de Novembro de 1959 (domínio da Banca sobre as empresas).

  • Tem documento Em vigor 1986-05-02 - Aviso 6/86 - Ministério das Finanças - Gabinete do Ministro

    Determina que os bancos de investimento não possam conceder a uma só pessoa, singular ou colectiva, ainda que sob a forma de fiança, garantia ou qualquer outra semelhante, crédito superior a 50% dos seus capitais próprios realizados.

  • Tem documento Em vigor 1989-09-23 - Decreto-Lei 318/89 - Ministério das Finanças

    Reformula o regime jurídico do exercício de actividade financeira.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1992-07-21 - Decreto-Lei 149/92 - Ministério das Finanças

    Altera o regime jurídico de aquisição de participações financeiras pelas sociedades de investimento.

  • Tem documento Em vigor 1992-12-31 - Decreto-Lei 298/92 - Ministério das Finanças

    Aprova o regime geral das instituições de crédito e sociedades financeiras.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda