Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Portaria 272/92, de 31 de Março

Partilhar:

Sumário

ESTABELECE AS CONDICOES ZOOTÉCNICAS E GENEALÓGICAS QUE REGEM O COMERCIO INTRACOMUNITÁRIO DE EQUÍDEOS, E DO SEU ESPERMA, ÓVULOS E EMBRIÕES, COM VISTA A ADOPÇÃO DOS NORMAS TÉCNICAS E QUE TRANSPÕE PARA O DIREITO INTERNO A DIRECTIVA DO CONSELHO NUMERO 90/427/CEE (EUR-Lex), DE 26 DE JUNHO DE 1990.

Texto do documento

Portaria 272/92

De 31 de Março

Considerando o Decreto-Lei 40/92, de 31 de Março, relativo às condições zootécnicas e genealógicas que regem o comércio intracomunitário de equídeos e que transpõe para o direito interno a Directiva do Conselho n.º 90/427/CEE, de 26 de Junho de 1990;

Considerando a necessidade de adoptar as normas técnicas de execução do referido diploma;

Ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira:

Manda o Governo, pelo Ministro da Agricultura, ao abrigo do artigo 2.º do Decreto-Lei 40/92, de 31 de Março, o seguinte:

CAPÍTULO I

Disposições gerais

1.º O presente diploma estabelece as condições zootécnicas e genealógicas que regem o comércio intracomunitário de equídeos e do seu esperma, óvulos e embriões.

2.º Para efeitos do presente diploma entende-se por:

a) Equídeo - um animal doméstico das espécies equina ou asinina ou o resultante do cruzamento destas duas espécies;

b) Equino registado - um equídeo inscrito ou registado, ou susceptível de ser inscrito, num livro genealógico e identificado por meio do documento de identificação previsto nos n.os 10.º ou 11.º;

c) Livro genealógico - qualquer livro, registo, ficheiro ou suporte informático no qual são inscritos ou registados os equídeos com a indicação dos seus ascendentes conhecidos e gerido por uma organização ou associação oficialmente acreditada ou reconhecida ou por um serviço oficial;

d) Autoridade competente - Direcção-Geral da Pecuária ou o veterinário por esta designado ou, nas situações em que sejam das respectivas competências, as autoridades designadas pela autoridade central competente dos Estados membros da Comunidade Económica Europeia e os veterinários pelas mesmas designados.

3.º Sem prejuízo do disposto no número seguinte, o comércio intracomunitário de equídeos e do seu esperma, óvulos e embriões não pode ser proibido ou restringido por motivos zootécnicos ou genealógicos diferentes dos que resultam do presente diploma.

4.º No que se refere ao comércio intracomunitário de equídeos registados e do seu esperma, óvulos e embriões, as disposições nacionais conformes com as regras gerais do Tratado da CEE manter-se-ão até à entrada em vigor das decisões comunitárias pertinentes referidas nos n.os 5.º, 11.º e 12.º

CAPÍTULO II

Regras genealógicas relativas aos equídeos registados

5.º A autoridade competente fiscalizará e zelará pelo cumprimento dos princípios estabelecidos pela Comissão das Comunidades Europeias relativos a:

a) Regras e critérios de acreditação ou de reconhecimento das organizações ou associações que são depositárias, mantêm ou criam livros genealógicos e a sua subordinação ao respeito dos princípios definidos pela organização ou associação que mantém o livro genealógico de origem da raça;

b) Critérios de inscrição e registo nos livros genealógicos que forem fixados em função da especificidade da raça e, em especial, no caso de determinadas raças puras, da necessidade de regulamentar a inscrição e o registo dos equídeos obtidos a partir de métodos de reprodução artificial;

c) Critérios e métodos de identificação dos equídeos registados;

d) Critérios de elaboração do certificado de origem e do documento de identificação referidos nos n.os 10.º a 12.º;

e) Regras tendentes a assegurar a coordenação entre as organizações e associações referidas no número seguinte.

6.º A autoridade competente comunicará à Comissão das Comunidades Europeias e aos outros Estados membros a lista dos serviços oficiais, organizações e associações que mantêm ou criam livros genealógicos, reconhecidas com base em critérios a estabelecer em conformidade com a alínea a) do número anterior, bem como as posteriores actualizações dessa lista.

7.º Aquando do comércio intracomunitário, os equídeos registados no Estado membro de expedição devem, salvo derrogação decidida de comum acordo entre as organizações, associações ou serviços oficiais interessados, ser registados ou inscritos no livro genealógico do Estado membro de destino sob o mesmo nome, com a referência da sigla do país de nascimento, em conformidade com os acordos internacionais.

8.º Se o regulamento ou estatuto das organizações ou associações o permitir:

a) O nome de origem do equídeo pode ser precedido ou seguido de outro nome, mesmo provisório, desde que o nome de origem seja mantido, entre parêntesis, durante toda a vida do equídeo em causa e que o seu país de nascimento seja indicado através da sigla reconhecida pelos acordos internacionais;

b) Podem ser tomadas, nos termos que vierem a ser definidos pela Comissão das Comunidades Europeias, medidas alternativas destinadas a proteger a continuidade da identidade do animal.

9.º A autoridade competente fiscalizará e assegurará o cumprimento das determinações da Comissão das Comunidades Europeias sobre:

a) Os métodos de controlo das capacidades e de apreciação do valor genético dos reprodutores;

b) Os critérios gerais de admissão do reprodutor ou da reprodutora à reprodução e os critérios gerais de utilização do seu esperma, óvulos e embriões, em função dos métodos referidos na alínea anterior.

10.º Aquando da sua circulação, os equídeos registados são obrigatoriamente acompanhados pelo documento de identificação emitido pelas organizações referidas no n.º 6.º deste diploma e na alínea c) do artigo 2.º da Directiva do Conselho n.º 90/426/CEE, de 26 de Junho de 1990, relativa às condições de polícia sanitária que regem a circulação de equídeos e as importações de equídeos provenientes de países terceiros.

11.º No que se refere aos cavalos registados, o documento de identificação designado no número anterior, redigido nas línguas da Comunidade deve comportar, pelo menos, as indicações que constam do modelo em anexo a este diploma e que dele faz parte integrante, as quais podem ser alteradas ou completadas de acordo com o que for decidido pela Comissão das Comunidades Europeias.

12.º Aquando da sua comercialização, o esperma, óvulos e embriões dos equídeos registados são acompanhados de um certificado zootécnico de origem e de identificação, emitido pela autoridade competente, pelo menos na língua do país de destino de acordo com o modelo a estabelecer pela Comissão das Comunidades Europeias.

13.º Até ao início da aplicação de regulamentação comunitária sobre a matéria, as condições aplicáveis às importações de equídeos e do seu esperma, óvulos e embriões provenientes de países terceiros não podem ser mais favoráveis do que as definidas neste diploma.

Ministério da Agricultura.

Assinada em 12 de Março de 1992.

Pelo Ministro da Agricultura, Álvaro dos Santos Amaro, Secretário de Estado da Agricultura.

INDICAÇÕES MÍNIMAS DO DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO

(ver documento original)

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1992/03/31/plain-41712.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/41712.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga ao seguinte documento (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1992-03-31 - Decreto-Lei 40/92 - Ministério da Agricultura

    TRANSPÕE A DIRECTIVA DO CONSELHO NUMERO 90/427/CEE (EUR-Lex), DE 26 DE JUNHO DE 1990, QUE ESTABELECE AS CONDICOES ZOOTÉCNICAS E GENEALÓGICAS QUE REGEM O COMERCIO INTRACOMUNITÁRIO DE EQUÍDEOS E DO SEU ESPERMA, ÓVULOS E EMBRIÕES.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1992-03-31 - Portaria 273/92 - Ministério da Agricultura

    ESTABELECE AS CONDICOES A QUE DEVEM OBEDECER AS TROCAS DE EQUÍDEOS DESTINADOS A CONCURSOS E AS REGRAS DE PARTICIPAÇÃO DOS EQUÍDEOS NESSES CONCURSOS, COM VISTA A ADOPÇÃO DAS NORMAS TÉCNICAS DE EXECUÇÃO DO DECRETO LEI NUMERO NUMERO 39/92, DE 31 DE MARCO QUE TRANSPÕE PARA A ORDEM JURÍDICA INTERNA A DIRECTIVA DO CONSELHO NUMERO 90/428/CEE (EUR-Lex), DE 26 DE JUNHO DE 1990.

  • Tem documento Em vigor 1997-10-08 - Decreto-Lei 275/97 - Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    Transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva nº 96/93/CE (EUR-Lex), do Conselho, de 17 de Dezembro, relativa à certificação dos animais e dos produtos animais, criando ainda a figura do médico veterinário acreditado e regulamentando a sua actividade no âmbito da defesa da saúde pública e animal.

  • Tem documento Em vigor 1998-03-03 - Decreto-Lei 46/98 - Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    Transpõe para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 94/28/CE (EUR-Lex), do Conselho, de 23 de Junho de 1994, que fixa os princípios aplicáveis às importações de animais, sémen, óvulos e embriões provenientes de países terceiros.

  • Tem documento Em vigor 1999-08-24 - Decreto-Lei 338/99 - Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    Aprova o Regulamento de Identificação, Registo e Circulação de Animais, publicado em anexo ao presente diploma e aplicável à detenção e circulação de gado em território nacional.

  • Tem documento Em vigor 2006-07-27 - Decreto-Lei 142/2006 - Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    Cria o Sistema Nacional de Informação e Registo Animal (SNIRA), que estabelece as regras para identificação, registo e circulação dos animais das espécies bovina, ovina, caprina, suína e equídeos, bem como o regime jurídico dos centros de agrupamento, comerciantes e transportadores e as normas de funcionamento do sistema de recolha de cadáveres na exploração (SIRCA).

  • Tem documento Em vigor 2011-06-20 - Decreto-Lei 79/2011 - Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    Estabelece os procedimentos de elaboração de listas e de publicação de informações nos domínios veterinário e zootécnico, aprova diversos regulamentos relativos a condições sanitárias, zootécnicas e de controlo veterinário e transpõe a Directiva n.º 2008/73/CE (EUR-Lex), do Conselho, de 15 de Julho.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda