Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Decreto-lei 123/91, de 21 de Março

Partilhar:

Sumário

Mantém, relativamente ao abastecimento de combustíveis, circulação de carga e de passageiros, a reserva de tráfego entre portos nacionais e a reserva de carga, alargando-a, no respeitante à importação de combustíveis líquidos, aos Estados membros das Comunidades e aos países da OCDE.

Texto do documento

Decreto-Lei 123/91
de 21 de Março
O Decreto-Lei 34/87, de 20 de Janeiro, consagrou o princípio da reserva de cargas como forma de apoio ao desenvolvimento da marinha de comércio nacional.

Constatou-se, entretanto, que a referida medida, para além da reduzida eficácia, tendo em conta o objectivo que se propunha alcançar, encontra-se desajustada dos princípios de livre acesso às cargas e da livre concorrência, o que se confirmou com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei 86/89, de 23 de Março, que reduziu grande parte das restrições existentes.

Por outro lado, a adaptação às disposições comunitárias relativas à abolição de restrições à livre prestação de serviços, em conformidade com o Regulamento n.º 4055/86/CEE , implica a alteração do actual regime caracterizado pelo proteccionismo.

Torna-se, por isso, necessário revogar os Decretos-Leis 34/87, de 20 de Janeiro, 86/89, de 23 de Março e 68/90, de 1 de Março, mantendo, no entanto, a reserva de tráfego entre postos nacionais e a reserva de carga, alargando-a, no respeitante à importação de combustíveis líquidos, aos Estados membros das Comunidades e aos países da OCDE.

Foram ouvidos os órgãos de governo próprio das Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira.

Assim:
Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Artigo 1.º - 1 - O transporte marítimo de combustíveis líquidos destinados ao abastecimento do País deve ser efectuado em navios de bandeira portuguesa.

2 - Para efeitos do número anterior, são equiparados a navios de bandeira portuguesa os navios que arvorem pavilhão de qualquer Estado membro das Comunidades e, desde que em regime de reciprocidade, de qualquer país membro da OCDE.

Art. 2.º - 1 - O tráfego de passageiros e mercadorias entre portos nacionais é reservado, em regra, para os navios de bandeira portuguesa e será regulamentado por portaria do membro do Governo responsável pela área dos transportes.

2 - Exceptua-se do disposto no número anterior o tráfego de passageiros e mercadorias entre os portos de cada uma das regiões autónomas, que será objecto de regulamentação pelos respectivos órgãos de governo próprio.

Art. 3.º - 1 - Sem prejuízo do disposto no artigo anterior, o transporte de carga geral, convencional ou contentorizada, entre os portos do continente e das regiões autónomas e entre os portos destas só pode ser explorado por armadores nacionais que efectuem serviços regulares entre aqueles portos.

2 - Para efeitos do disposto no número anterior, considera-se serviço regular aquele que:

a) Tenha frequência quinzenal;
b) Tenha itinerário previamente estabelecido.
3 - No que respeita ao tráfego continente-Açores-continente, o itinerário deve incluir a escala em, pelo menos, cinco ilhas e será estabelecido de forma a assegurar uma gestão operacional que garanta as normais ligações entre todas as ilhas da Região Autónoma dos Açores.

4 - Os armadores interessados informarão previamente a Direcção-Geral da Navegação e dos Transportes Marítimos (DGNTM) e o organismo do respectivo governo regional responsável pelo transporte marítimo das condições de operação, fixadas de acordo com os números anteriores.

Art. 4.º - 1 - A violação do disposto nos artigos 1.º e 3.º, n.os 3 e 4, bem como da regulamentação prevista no artigo 2.º, constitui contra-ordenação punível com coima de 300000$00 a 500000$00 no caso de pessoa singular, ou até 3000000$00, no caso de pessoa colectiva.

2 - Sem prejuízo do disposto nos n.os 1 e 2 do artigo 38.º e no artigo 39.º do Decreto-Lei 433/82, de 27 de Outubro, o processamento das contra-ordenações e a aplicação das coimas competem à DGNTM.

Art. 5.º São revogados os Decretos-Leis 34/87, de 20 de Janeiro, 86/89, de 3 de Março e 68/90, de 1 de Março.

Visto e aprovado em Conselho de Ministros de 7 de Fevereiro de 1991. - Aníbal António Cavaco Silva - Vasco Joaquim Rocha Vieira - Lino Dias Miguel - Joaquim Martins Ferreira do Amaral.

Promulgado em 12 de Março de 1991.
Publique-se.
O Presidente da República, MÁRIO SOARES.
Referendado em 13 de Março de 1991.
O Primeiro-Ministro, Aníbal António Cavaco Silva.

Anexos

  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/25616.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1982-10-27 - Decreto-Lei 433/82 - Ministério da Justiça

    Institui o ilícito de mera ordenação social e respectivo processo.

  • Tem documento Em vigor 1987-01-20 - Decreto-Lei 34/87 - Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

    Adopta medidas para apoiar o reapetrechamento e o desenvolvimento da marinha de comércio portuguesa.

  • Tem documento Em vigor 1989-03-23 - Decreto-Lei 86/89 - Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

    Altera algumas disposições do Decreto-Lei n.º 34/87, de 20 de Janeiro, relativo ao transporte de mercadorias por via marítima.

  • Tem documento Em vigor 1990-03-01 - Decreto-Lei 68/90 - Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

    Altera o Decreto-Lei n.º 34/87, de 20 de Janeiro, que adoptou medidas para apoiar o reapetrechamento e desenvolvimento da marinha de comércio portuguesa.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1991-07-12 - Portaria 655/91 - Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações

    Regulamenta o Decreto-Lei n.º 123/91, de 21 de Março, que mantém a reserva de tráfego entre portos nacionais, relativamente ao abastecimento de combustíveis, circulação de carga e de passageiros.

  • Tem documento Em vigor 1993-10-28 - Decreto-Lei 368/93 - Ministério do Mar

    Estabelece o regime jurídico da cabotagem marítima, instituída pelo Regulamento (CEE) 3577/92 (EUR-Lex), do Conselho, de 7 de Dezembro. Insere disposições quer sobre a cabotagem continental (transporte marítimo entre portos do continente), quer sobre a cabotagem insular (transporte marítimo entre o continente e as ilhas das Regiões Autónomas e entre estas). Define o regime sancionatório aplicável as infracções ao disposto no presente diploma.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda