Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Portaria 649/78, de 8 de Novembro

Partilhar:

Sumário

Determina as condições escolares necessárias para a inscrição nos estágios de formação educacional.

Texto do documento

Portaria 649/78

de 8 de Novembro

Nos termos do artigo 7.º do Decreto 925/76, de 31 de Dezembro:

Manda o Governo da República Portuguesa, pelos Ministros das Finanças e do Plano e da Educação e Cultura, o seguinte:

1 - A inscrição nos estágios pedagógicos do ramo de formação educacional das Faculdades de Ciências que tenham sido organizados de acordo com o artigo 2.º do Decreto 925/76 será garantida, em cada ano, aos alunos que até 24 de Julho anterior ao ano lectivo em que aqueles se irão realizar satisfaçam as seguintes condições escolares:

a) Aprovação em todas as disciplinas dos três primeiros anos do respectivo plano de estudos ou o grau de bacharel;

b) Ter aprovação em todas as disciplinas do plano de estudos do 4.º ano, com excepção de duas anuais ou uma semestral, excluindo deste número a conclusão da monografia, quando exista, mediante tabela de precedências a definir por despacho ministerial.

2 - A inscrição será efectuada na secretaria da Universidade que o aluno frequente e decorrerá de 17 a 24 de Julho anterior ao ano lectivo em que se pretende realizar o estágio.

3 - No acto de incrição o aluno fará obrigatoriamente declaração de desistência do concurso para professores provisórios e eventuais dos ensinos preparatório ou secundário, conforme os casos, ou para professor estagiário daqueles graus de ensino, caso a eles se tenha apresentado, e preencherá impresso próprio, de modelo a fornecer pela Direcção-Geral do Ensino Superior, no qual, entre outros elementos que lhe forem solicitados, indicará:

a) O grau e ramo de ensino em que prefere realizar o estágio;

b) A relação dos estabelecimentos de ensino preparatório ou secundário, de entre os indicados, nos termos do n.º 9 desta portaria, onde deseja realizar o estágio.

4 - Terminado o prazo de inscrição, a secretaria da Universidade, depois de confirmar as condições escolares do candidato, remeterá no prazo de cinco dias o impresso indicado no número anterior ao conselho directivo da respectiva Faculdade de Ciências.

5 - Compete ao conselho directivo de cada Faculdade de Ciências, em colaboração com as Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário, proceder à distribuição dos candidatos pelos núcleos de estágio disponíveis.

6 - Na distribuição dos candidatos por cada grau e ramo de ensino observar-se-ão, sucessivamente, as seguintes preferências:

a) Classificação académica, aproximada às décimas, no bacharelato ou na média aritmética das disciplinas dos três primeiros anos;

b) Proximidade da residência em relação ao estabelecimento pretendido;

c) Idade do candidato, preferindo o mais idoso.

7 - As transferências entre Universidades por parte de candidatos aos estágios dos ramos de formação educacional poderão ser autorizadas pelos respectivos reitores, se requeridas até oito dias antes de terminado o prazo indicado no n.º 2 desta portaria e se não for excedida a capacidade de acolhimento dos núcleos previstos.

8 - A distribuição dos candidatos pelos diversos núcleos de estágio deverá estar concluída até 5 de Agosto.

9 - O Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário determinará anualmente, por despacho, a relação dos estabelecimentos de ensino preparatório e secundário onde poderão funcionar os estágios para os ramos de formação educacional.

10 - O referido despacho será proferido sobre proposta das Direcções-Gerais dos Ensinos Básico e Secundário e publicado no Diário da República, em cada ano, antes do início do prazo proferido no n.º 2 desta portaria.

11 - As Faculdades de Ciências de Lisboa, Porto e Coimbra, através dos seus conselhos científicos e pedagógicos, elaborarão conjuntamente um regulamento dos estágios pedagógicos, ouvidas as Direcções-Gerais dos Ensinos Superior, Secundário e Básico.

12 - O regulamento referido no número anterior, que terá em atenção as normas gerais definidas pelas direcções-gerais de ensino respectivas, bem como os regulamentos dos estágios clássicos, será aprovado por despacho conjunto do Secretário de Estado do Ensino Superior e Investigação Científica e do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário e publicado no Diário da República antes de iniciado o prazo referido no n.º 2 desta portaria.

13 - As Faculdades de Ciências, segundo o mecanismo definido no n.º 11 desta portaria, poderão propor anualmente alterações ao regulamento dos estágios pedagógicos, respeitando, porém, o prazo estabelecido no número anterior.

14 - Os estágios para cada um dos grupos ou sub-grupos funcionarão em núcleos, que serão orientados por professores do ensino superior da especialidade a que o estágio respeita e por um ou dois professores do ensino preparatório ou secundário, consoante o estágio englobar, respectivamente, uma ou duas disciplinas.

15 - Aos professores do ensino superior orientadores de um núcleo de estágio cabe genericamente:

a) Orientar cientificamente os estagiários a seu cargo, tendo em vista um plano coordenado dos trabalhos a realizar;

b) Reunir periodicamente com os orientadores e alunos estagiários do seu núcleo, de acordo com as actividades programadas pela comissão de estágio, a que se refere o artigo 4.º do Decreto 925/76;

c) Dedicar aos trabalhos de orientação de estágio o período de tempo que vier a ser definido no regulamento dos estágios, não podendo este ser, em qualquer caso, inferior a duas horas semanais.

16 - O professor do ensino preparatório ou secundário orientador do núcleo de estágio será um professor profissionalizado do grupo ou subgrupo a que o estágio respeita.

17 - A distribuição do serviço docente de cada orientador obedecerá às seguintes regras:

a) No ensino preparatório, regência até ao máximo de três turmas, não excedendo seis horas semanais;

b) No ensino secundário, duas turmas da disciplina ou disciplinas que oriente, devendo ser uma do curso geral e outra do curso complementar.

18 - Aos professores do ensino preparatório e secundário orientadores de estágio cabe genericamente:

a) Assegurar a orientação pedagógico-didáctica dos estagiários a seu cargo;

b) Participar em outras actividades do seu núcleo de estágio, a que se refere o artigo 4.º do Decreto-Lei 925/76.

19 - O número de estagiários por núcleo deverá ser, em regra, de quatro, nunca excedendo, em qualquer caso, seis.

20 - Os alunos estagiários terão, enquanto tal, para todos os efeitos legais, o estatuto de professor eventual e provisório, atribuindo-se-lhes por um período de doze meses o vencimento previsto na tabela anexa ao Decreto-Lei 290/75, de 14 de Junho.

21 - Os alunos estagiários terão obrigatoriamente o seguinte serviço docente:

a) No ensino preparatório, até um máximo de três turmas;

b) No ensino secundário, duas turmas.

22 - Além da regência de turmas que lhe forem distribuídas, cabe ao aluno estagiário genericamente:

a) A assistência e a regência de aulas ou sequência de aulas, sempre que possível constituindo unidades didácticas, na turma ou turmas do seu orientador ou orientadores e uma direcção de turma, em termos a definir no regulamento a que se refere o n.º 11 desta portaria;

b) A participação em reuniões de planificação de actividades lectivas e em seminários, bem como a realização de outros trabalhos de que seja encarregado, de acordo com a planificação dos trabalhos elaborados pela comissão de estágio.

23 - As atribuições específicas dos orientadores de estágio e dos estagiários serão definidas no regulamento a que se refere o n.º 11 desta portaria, tendo, porém, e conta o disposto nos n.os 15, 18 e 22.

24 - O regime de faltas dos alunos estagiários em relação às actividades da Universidade onde estão inscritos será o que vigorar nessa instituição para os restantes alunos.

25 - Para a atribuição da classificação de cada estagiário, cada orientador atribui uma nota na escala de 0 a 20.

26 - A classificação final do estágio pedagógico é a nota inteira que se obtenha de duas médias aritméticas aproximadas até às décimas, obtidas uma a partir das notas atribuídas pelos orientadores do ensino preparatório ou do ensino secundário e outra a partir das notas atribuídas pelos orientadores do ensino superior.

27 - O início e o fim das actividades do estágio, bem como o calendário das diferentes fases, serão fixados pelas Direcções-Gerais dos Ensinos Superior, Secundário e Básico.

28 - São revogadas as Portarias n.º 786/76, de 31 de Dezembro, n.º 751/77, de 13 de Dezembro, n.º 11/78, de 9 de Janeiro, bem como o despacho do Ministro da Educação e Investigação Científica n.º 116/77, publicado no Diário da República, 2.ª série, de 26 de Abril de 1977.

29 - As disposições da presente portaria são aplicáveis ao funcionamento dos estágios dos ramos de formação educacional do ano escolar de 1978-1979, salvo no que se refere aos n.os 1 e 11 e demais prazos agora fixados, que vigorarão apenas no ano escolar de 1979-1980 e seguintes.

30 - As Direcções-Gerais dos Ensinos Superior, Secundário e Básico acordarão com os conselhos directivos das Faculdades de Ciências de Lisboa, Porto e Coimbra a elaboração de um regulamento provisório dos estágios dos ramos de formação educacional, que deverá estar concluído até 31 de Outubro de 1978 e que vigorará até que seja cumprido o disposto no n.º 11 desta portaria.

Ministérios das Finanças e do Plano e da Educação e Cultura, 30 de Outubro de 1978.

- O Ministro das Finanças e do Plano, José da Silva Lopes. - O Ministro da Educação e Cultura, Carlos Alberto Lloyd Braga.

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1978/11/08/plain-188146.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/188146.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1975-06-14 - Decreto-Lei 290/75 - Ministério da Educação e Cultura - Secretaria de Estado da Administração Escolar

    Fixa os novos vencimentos do pessoal docente de vários graus de ensino.

  • Tem documento Em vigor 1976-12-31 - Decreto 925/76 - Ministérios da Administração Interna, das Finanças e da Educação e Investigação Científica

    Regulamenta os estágios pedagógicos das licenciaturas do ramo educacional das Faculdades de Ciências.

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1978-12-22 - Portaria 756/78 - Ministérios das Finanças e do Plano e da Educação e Cultura

    Regulamenta os estágios do ramo de formação educacional das Faculdades de Ciências e do ramo de licenciaturas em ensino criadas por disposições legais.

  • Tem documento Em vigor 2005-07-26 - Decreto-Lei 121/2005 - Ministério da Educação

    Introduz a terceira alteração ao Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário e estabelece medidas destinadas a enquadrar alguns aspectos estatutários ligados ao exercício da função docente.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda