Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Portaria 685/94, de 22 de Julho

Partilhar:

Sumário

ALTERA A PORTARIA NUMERO 144/92, DE 5 DE MARCO, QUE ESTABELECE AS EXIGÊNCIAS DE POLÍCIA SANITÁRIA APLICÁVEIS AS TROCAS COMERCIAIS INTRACOMUNITÁRIAS E AS IMPORTAÇÕES DE PAÍSES TERCEIROS DE EMBRIÕES FRESCOS E CONGELADOS DE ANIMAIS DA ESPÉCIE BOVINA, TRANSPONDO PARA O DIREITO INTERNO A DIRECTIVA NUMERO 89/556/CEE (EUR-Lex), DO CONSELHO, DE 25 DE SETEMBRO. A PRESENTE PORTARIA TRANSPÕE A DIRECTIVA NUMERO 93/52/CEE (EUR-Lex), DO CONSELHO, DE 24 DE JULHO.

Texto do documento

Portaria n.° 685/94

de 22 de Julho

Considerando a Portaria n.° 144/92, de 5 de Março, que estabelece as exigências de polícia sanitária aplicáveis às trocas intracomunitárias e às importações de países terceiros de embriões frescos e congelados de animais da espécie bovina, transpondo para o direito interno a Directiva n.° 89/556/CEE, do Conselho, de 25 de Setembro;

Considerando que esse diploma comunitário foi alterado pela Directiva n.° 93/52/CEE, do Conselho, de 24 de Julho, e a necessidade de transpor esta última para o direito interno;

Considerando a Decisão n.° 92/471/CEE, de 2 de Setembro, relativa às condições de polícia sanitária e à certificação veterinária aplicáveis às importações de países terceiros de embriões bovinos;

Ao abrigo do artigo 2.° do Decreto-Lei n.° 8/92, de 22 de Janeiro:

Manda o Governo, pelo Ministro da Agricultura, o seguinte:

1.° Os números 2.°, 3.°, 4.°, 15.° e 17.° da Portaria n.° 144/92, de 5 de Março, passam a ter a seguinte redacção:

2.° O disposto no número anterior não é aplicável a embriões resultantes da transferência de núcleos.

3.° Para efeitos do presente diploma, aplicam-se, quando necessário, as definições constantes do n.° 3.° da Portaria n.° 41/92, de 22 de Janeiro, e do n.° 2.° da Portaria n.° 467/90, de 22 de Julho, e ainda as seguintes:

a) .......................................................................................................................

b) .......................................................................................................................

c) .......................................................................................................................

d) .......................................................................................................................

e) .......................................................................................................................

f) ........................................................................................................................

g) Equipa de produção de embriões: equipa de colheita de embriões oficialmente aprovada para a fertilização in vitro, de acordo com as condições a estabelecer por portaria do Ministro da Agricultura.

4.° Só podem ser expedidos do território nacional para o território de outro Estado membro os embriões que tenham sido concebidos por meio de inseminação artificial ou fertilização in vitro com sémen de um dador existente num centro de colheita de sémen aprovado pela autoridade competente para a colheita, tratamento e armazenagem de sémen ou com sémen importado, nos termos da Portaria n.° 231/91, de 21 de Março.

15.° A autorização de importação de embriões depende ainda da apresentação de um certificado sanitário emitido por um veterinário oficial do país terceiro, ou de parte de país terceiro, constante da parte II do anexo E, de acordo com o modelo previsto na parte I do mesmo anexo, devendo esse certificado:

a) Ser redigido, pelo menos, na ou nas línguas oficiais do Estado membro de destino;

b) Ser emitido em nome de um só destinatário.

17.° À organização dos controlos a efectuar pelos Estados membros e ao seguimento a dar a esses controlos, bem como às medidas de salvaguarda a aplicar no âmbito deste diploma, aplica-se o disposto na Portaria n.° 774/93, de 3 de Setembro.

2.° À Portaria n.° 144/92, de 5 de Março, são aditados os seguintes números:

9.°-A - Uma equipa de produção de embriões resultantes de uma fertilização in vitro só pode ser aprovada caso respeite o disposto no presente diploma e as condições especiais a estabelecer por portaria do Ministro da Agricultura.

14.°-A - Para definição das disposições de polícia sanitária referidas na alínea b) do n.° 13.° em matéria de febre aftosa, deve ser tido em consideração que:

a) Apenas podem ser importados embriões congelados provenientes de países terceiros que procedam à vacinação contra a febre aftosa, os quais deverão ser armazenados, em condições aprovadas pela autoridade sanitária nacional, durante um período mínimo de 30 dias antes da expedição;

b) Os animais dadores deverão provir de uma exploração na qual nenhum animal tenha sido vacinado contra a febre aftosa nos 30 dias anteriores à colheita e que não seja objecto de nenhuma medida de proibição ou de quarentena.

15.°-A - É autorizada a importação de embriões de bovinos que estejam em conformidade com as garantias constantes do certificado de polícia sanitária estabelecido na parte I do anexo F que deve acompanhar as remessas de embriões provenientes dos países terceiros, ou de parte do território de países terceiros, constantes da parte II do mesmo anexo.

3.° A epígrafe do anexo D à Portaria n.° 144/92, de 5 de Março, passa a ter a seguinte redacção:

ANEXO D

Modelo de certificado sanitário para as trocas

intracomunitárias de embriões de bovinos

4.° Passam a fazer parte integrante da Portaria n.° 144/92, de 5 de Março, os anexos E e F, em anexo ao presente diploma.

5.° São revogados os números 18.° a 23.° da portaria referida no número anterior.

Ministério da Agricultura.

Assinada em 16 de Junho de 1994.

Pelo Ministro da Agricultura, Álvaro dos Santos Amaro, Secretário de Estado da Agricultura.

Anexos a que se refere o n.° 4.° da Portaria n.° 685/94

ANEXO E

PARTE I

(Ver impresso no documento original)

PARTE II

Lista dos países autorizados a utilizar o modelo de certificado

sanitário

constante da parte I

1 - Áustria.

2 - Bósnia-Herzegovina.

3 - Canadá - em relação à parcela do território do Canadá designada «Okanagam area of British Columbia» e definida no anexo da Decisão n.° 88/212/CEE, é obrigatória a certificação do constante na alínea c), subalínea ii), do n.° 2.

4 - Checoslováquia.

5 - Croácia.

6 - Eslovénia.

7 - Estados Unidos da América.

8 - Finlândia.

9 - Hungria.

10 - Israel.

11 - Nova Zelândia.

12 - Noruega.

13 - Polónia.

14 - Repúblicas Jugoslavas da Sérvia, Montenegro e Macedónia.

15 - Roménia.

16 - Suécia.

17 - Suíça.

ANEXO F

PARTE I

(Ver impresso no documento original)

PARTE II

Lista dos países autorizados a utilizar o modelo de certificado

sanitário

constante da parte I

1 - Austrália

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/1994/07/22/plain-60693.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/60693.dre.pdf .

Ligações para este documento

Este documento é referido nos seguintes documentos (apenas ligações a partir de documentos da Série I do DR):

  • Tem documento Em vigor 2004-08-07 - Decreto-Lei 187/2004 - Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas

    Transpõe para a ordem jurídica nacional a directiva n.º 88/407/CEE (EUR-Lex), do Conselho, de 14 de Junho, com a última redacção que lhe foi dada pela Directiva n.º 2003/43/CE (EUR-Lex), do Conselho, de 26 de Maio, que fixa as exigências de polícia sanitária aplicáveis às trocas comerciais intracomunitárias e às importações de sémen de animais da espécie bovina.

  • Tem documento Em vigor 2011-06-20 - Decreto-Lei 79/2011 - Ministério da Agricultura, do Desenvolvimento Rural e das Pescas

    Estabelece os procedimentos de elaboração de listas e de publicação de informações nos domínios veterinário e zootécnico, aprova diversos regulamentos relativos a condições sanitárias, zootécnicas e de controlo veterinário e transpõe a Directiva n.º 2008/73/CE (EUR-Lex), do Conselho, de 15 de Julho.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda