Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda

Resolução do Conselho de Ministros 87/2007, de 6 de Julho

Partilhar:

Sumário

Determina um conjunto de condições complementares do processo de privatização da REN - Redes Energéticas Nacionais, SGPS, S. A.

Texto do documento

Resolução do Conselho de Ministros n.º 87/2007

A primeira fase do processo de reprivatização do capital social da REN - Redes Energéticas Nacionais, SGPS, S. A., adiante designada apenas por REN, foi aprovada pelo Decreto-Lei 228/2006, de 22 de Novembro, diploma que remeteu para o Conselho de Ministros, em conformidade com o artigo 14.º da Lei 11/90, de 5 de Abril, a regulamentação, mediante uma ou mais resoluções, das condições finais e concretas das operações necessárias à realização do processo de reprivatização.

Nos termos do referido decreto-lei, a operação de reprivatização realiza-se através de uma oferta pública de venda no mercado nacional, de carácter obrigatório, podendo igualmente incluir uma venda directa a um conjunto de instituições financeiras, que ficam obrigadas à subsequente dispersão das acções, parte da qual em mercados internacionais.

Atendendo às vantagens de uma adequada distribuição entre os investidores institucionais e os investidores de retalho, em benefício da posterior negociação em mercado regulamentado, considera-se conveniente a realização da venda directa.

A Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho, estabeleceu já uma série de condições da operação de reprivatização quer no que se refere à oferta pública de venda quer no que se refere à venda directa, tornando-se necessário, agora, a aprovação de uma segunda resolução do Conselho de Ministros para as restantes condições, sem prejuízo da definição posterior, por despacho do Ministro de Estado e das Finanças, de algumas condições finais da operação.

Considerando especialmente o disposto nas alíneas a), b), c), l) e m) do n.º 2 do artigo 8.º do Decreto-Lei 228/2006, de 22 de Novembro, bem como o disposto no n.º 9 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho, compete ainda ao Conselho de Ministros fixar as quantidades de acções a alienar na oferta pública de venda e na venda directa, e no âmbito daquela, a oferecer em cada uma das sub-reservas, fixar a quantidade máxima de acções a adquirir na sub-reserva do público em geral, bem como identificar as instituições financeiras adquirentes e a quantidade máxima de acções que pode ser objecto do lote suplementar, no âmbito da venda directa e o intervalo de preço das acções para a oferta pública de venda e para a venda directa.

Foi ouvida a Comissão de Acompanhamento de Reprivatizações.

Assim:

Nos termos do artigo 8.º do Decreto-Lei 228/2006, de 22 de Novembro, e da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho de Ministros resolve:

1 - Autorizar a alienação pela PARPÚBLICA - Participações Públicas (SGPS), S. A., adiante designada apenas por PARPÚBLICA, de 53400000 acções de categoria B da REN - Redes Energéticas Nacionais, SGPS, S. A., adiante designada apenas por REN, no âmbito da oferta pública de venda prevista nos artigos 2.º e 3.º do Decreto-Lei 228/2006, de 22 de Novembro.

2 - Reservar, no âmbito da oferta pública de venda referida no número anterior:

a) Uma sub-reserva destinada a trabalhadores da REN, com o âmbito definido no anexo I da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho, que terá por objecto 1700000 acções;

b) Uma sub-reserva destinada a pequenos subscritores e emigrantes que terá por objecto 25000000 acções.

3 - Fixar a reserva destinada ao público em geral em 26700000 acções.

4 - Admitir que, à reserva referida no número anterior, acresçam 26700000 acções de categoria A, a alienar pela EDP - Energias de Portugal, S. A., nos termos previstos nos n.os 16 e 21 a 23 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho.

5 - Determinar, nos termos e para os efeitos do disposto no n.º 9 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho, que as ordens de compra dos subscritores na reserva destinada ao público em geral tenham um máximo de 40000 acções por investidor.

6 - Autorizar a alienação pela PARPÚBLICA na venda directa prevista no artigo 5.º do Decreto-Lei 228/2006, de 22 de Novembro, de uma quantidade inicial de 38836364 acções de categoria B da REN, a qual pode ser acrescida de um máximo de 9223636 acções de categoria B, nos termos dos n.os 3 a 6 do artigo 6.º do referido decreto-lei e nos termos e limites do n.º 20 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho.

7 - Determinar que a alienação referida no número anterior seja efectuada pela PARPÚBLICA às seguintes instituições financeiras:

Banco Millennium BCP Investimento, S. A.;

Caixa - Banco de Investimento, S. A.;

Credit Suisse Securities (Europe) Limited;

UBS Limited;

Banco Espírito Santo de Investimento, S. A.;

Banco Português de Investimento, S. A.;

BANIF - Banco de Investimento, S. A.

8 - Determinar que o preço unitário de venda das acções da REN objecto da presente fase de reprivatização tenha em conta a prospecção alargada de intenções de compra, efectuada junto de vários investidores institucionais, nacionais e internacionais, e as condições dos mercados nacional e internacional, devendo obedecer cumulativamente às seguintes condições:

a) O preço unitário das acções a alienar no âmbito da oferta pública de venda referida no n.º 1 não pode ser inferior a (euro) 2,35 nem superior a (euro) 2,75, sem prejuízo do disposto no n.º 15 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho;

b) O preço unitário das acções a alienar no âmbito do n.º 6 não pode ser inferior ao preço unitário das acções a alienar no âmbito do n.º 1.

9 - Delegar no Ministro de Estado e das Finanças, com possibilidade de subdelegação no Secretário de Estado do Tesouro e Finanças, o poder de, dentro do limite estabelecido no n.º 6, fixar a quantidade de acções susceptíveis de integrar o lote suplementar a alienar no âmbito da venda directa.

10 - Determinar que, nos termos e para os efeitos do previsto no n.º 7 da Resolução do Conselho de Ministros n.º 74/2007, de 1 de Junho, aos trabalhadores da OMI CLEAR - Sociedade de Compensação de Mercados de Energia, S. A., é dado o tratamento conferido aos trabalhadores da sociedade participante, OMIP - Operador do Mercado Ibérico de Energia, (Pólo Português), S. A.

11 - Determinar que a presente resolução produz efeitos a partir da data da sua aprovação.

Presidência do Conselho de Ministros, 21 de Junho de 2007. - O Primeiro-Ministro, José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa.

Anexos

  • Texto integral do documento: https://dre.tretas.org/pdfs/2007/07/06/plain-215137.pdf ;
  • Extracto do Diário da República original: https://dre.tretas.org/dre/215137.dre.pdf .

Ligações deste documento

Este documento liga aos seguintes documentos (apenas ligações para documentos da Serie I do DR):

  • Tem documento Em vigor 1990-04-05 - Lei 11/90 - Assembleia da República

    Aprova a lei quadro das privatizações.

  • Tem documento Em vigor 2006-11-22 - Decreto-Lei 228/2006 - Ministério das Finanças e da Administração Pública

    Aprova o processo de reprivatização de parte do capital social da REN - Redes Energéticas Nacionais, SGPS, S. A.

Aviso

NOTA IMPORTANTE - a consulta deste documento não substitui a leitura do Diário da República correspondente. Não nos responsabilizamos por quaisquer incorrecções produzidas na transcrição do original para este formato.

O URL desta página é:

Clínica Internacional de Campo de Ourique
Pub

Atenção

Tendo em conta a melhoria do site oficial do DRE, tenho de ponderar a continuação deste site no futuro. Vou tentar fazer rapidamente um post com os prós e contras da manutenção deste site de modo a dar aos utilizadores uma forma de expressarem a sua opinião sobre este assunto.

Como a adaptação do software para obter o texto dos documentos a partir do novo site do dre é trivial, já estamos neste momento a actualizar a base de dados.

Outros Sites

Visite os nossos laboratórios, onde desenvolvemos pequenas aplicações que podem ser úteis:


Simulador de Parlamento


Desvalorização da Moeda